Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Um olhar reducionista sobre a saúde /premium

Autor
  • Eduardo Carqueja
263

Um serviço de saúde maximizará os benefícios dos mais vulneráveis e necessitados se o acesso a esses mesmos cuidados de saúde for integral e não circunscrito a uma visão tradicionalista da doença

A justiça no acesso aos cuidados de saúde é muito mais referida que a equidade. Será Portugal um país justo e equitativo no acesso aos cuidados de saúde? Uma questão a que muitos irão responder de imediato que sim e outros que não. É importante desde logo definir o que se entende por cuidados de saúde à população portuguesa. Poderemos falar de necessidades básicas? É suficiente ter um médico de família? É suficiente ter acesso a medicamentos genéricos? É suficiente ter acesso a um serviço de urgência médico-cirúrgica? Segundo o Relatório Primavera de 2018 do Observatório Português dos Serviços de Saúde, “Portugal é um dos países da Europa onde se vive, em média, até mais tarde. No entanto, é um dos países onde se vive com pior saúde durante mais anos. Os estilos de vida e comportamentos de saúde continuam a ser os principais fatores de risco para a perda de anos de vida saudável”. O mesmo relatório refere que “estes comportamentos tendem a concentrar-se nos grupos mais desfavorecidos, acarretando uma maior morbilidade e mortalidade nestes grupos, levando a desigualdades em saúde e, indiretamente, agravando a sua situação socioeconómica”.

É reconhecido que as teorias sobre a justiça não pretendem construir um sistema justo, efetivo e real, mas que tendem a fazer perceber que o princípio de justiça não é fruto de uma mera reflexão subjetiva, mas sim da necessidade de justificar eticamente as nossas ações justas ou injustas, clarificando conceitos como igualdade, liberdade, direitos e distribuição equitativa. Todas procuram responder ao que se deve dar a cada um por mérito ou ao que se deve possuir por direito, resultado de uma obrigação e não da caridade, a justiça como princípio.

Uma sociedade é tanto mais justa e garantia da liberdade, quanto mais possibilite o acesso a serviços de saúde, diminuindo as desigualdades dos mais frágeis e carenciados. Assim, um serviço de saúde maximizará os benefícios dos mais vulneráveis e necessitados se os acessos a esses mesmos cuidados de saúde forem integrais e não circunscritos a uma visão tradicionalista da doença, mas sim a visão concreta e atual da saúde.

Esta visão transborda a ainda implementada política no Serviço Nacional de Saúde, composta por milhares de médicos e enfermeiros e por poucas centenas de outros profissionais. Este olhar reducionista sobre a saúde impede de forma objetiva que as pessoas sejam devidamente cuidadas e tratadas enquanto pessoas necessitadas de uma visão mais ampla que meros corpos que carregam doenças. Esta é inequivocamente a equidade que necessitamos para que os portugueses tenham um efetivo acesso aos cuidados de saúde.

Eduardo Carqueja

Presidente da Delegação do Norte da Ordem dos Psicólogos Portugueses

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Serviço Nacional de Saúde

A Saúde de que precisamos

Fernando Leal da Costa
107

Hoje por hoje, precisamos é de pessoas competentes e eficientes, de estruturas amigas dos profissionais e dos utentes, de acesso em tempo útil e verdade. Não se gaste mais dinheiro em estudos inúteis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)