Rádio Observador

Violação

Uma crónica difícil de escrever /premium

Autor
15.572

Chegam e violam as mães em frente dos filhos, as mulheres em frente dos maridos, as avós em frente dos netos, as crianças em frente dos pais. Todos forçados a assistir para não esquecerem a violência.

Todas as palavras que conseguir escrever ao longo desta breve crónica serão escassas e ficarão a anos-luz da realidade-real. Nunca ninguém conseguirá dizer o que viveram e vivem as mulheres atrozmente violadas por bárbaros que usam a violação como arma de guerra.

– Não estamos a falar de uma relação sexual, estamos a falar de um ato de guerra cometido por homens que não usam apenas a sua supremacia física, a sua força e o seu corpo para violar raparigas, crianças e mulheres de todas as idades. Estamos a falar de homens que as violam brutalmente e a seguir disparam as suas armas contra os órgãos genitais das vítimas. Homens que derramam sobre elas ácidos e químicos altamente abrasivos. Homens que usam as suas espingardas com toda a crueldade para reforçar a violação e dilacerar os seus órgãos internos. Monstros que acendem fogo e queimam as partes mais íntimas de cada rapariga e mulher que violam.

Tudo isto e muito mais me foi dito pessoalmente, em voz baixa, pelo próprio Denys Mukwege, o médico ginecologista congolês mundialmente conhecido pela sua ação humanitária, que recebeu o Prémio Nobel da Paz de 2018, antes de nos sentarmos para jantar em petit comité, no campus da Nova SBE, a universidade onde dou aulas e este ano serviu de palco às Conferências do Estoril. Tudo isto é muito mais do que ele tinha conseguido dizer em voz alta, na sessão pública em que participou, onde o seu silêncio gritou tão alto como as suas palavras.

No palco, Denys Mukwege contou detalhes atrozes e todos ficámos conscientes das sevícias a que as mulheres são submetidas na República Democrática do Congo, país devastado, desmembrado por uma guerra civil que já fez mais de 6 milhões de mortos e onde milhares de mulheres continuam a ser vítimas de violações massivas. Aliás, onde todas as mulheres são potenciais vítimas das ferozes bestas em que se tornaram os homens que se alimentam do ódio e perpetuam uma guerra estritamente motivada por interesses económicos e lutas de poder. Um conflito que não envolve grupos de fanáticos religiosos, como acontece noutras latitudes.

Tudo o que Mukwege contou, primeiro em voz alta e, depois, em voz baixa, foi ensurdecedor. Fica a gritar em nós, a fazer um terrível eco para sempre.

– Quando pensava que já tinha visto tudo, ainda não tinha visto quase nada. No dia em que me trouxeram um bebé de 6 meses, uma menina, com os órgãos internos à vista, fora do seu próprio corpo, não consegui dormir nem falar durante muitos dias.

Contou-me isto enquanto conversávamos, olhos nos olhos, ainda de pé. Talvez me tenha contado tanta coisa em tão pouco tempo por lhe terem dito que estava ali uma jornalista.

– Precisamos muito de vocês, os jornalistas. Precisamos que não parem de denunciar esta realidade porque o mundo precisa de saber o que se passa, e estas mulheres e crianças precisam de sentir que são ouvidas e não ficam esquecidas.

Em 2019, um ano depois de receber o Nobel da Paz, repartido com Nadia Murad, iraquiana yazidi raptada pelo Daesh e mantida como escrava sexual de militantes do Estado Islâmico em 2014 e que, depois de conseguir escapar, se tornou a principal voz ativa na luta pelos direitos das mulheres, Denys Mukwege veio a Portugal falar da realidade que vive no seu país.

– Disse em várias entrevistas que dei ao longo destes anos que fiquei horrorizado quando, em 1999, tratei a primeira mulher que chegou ao meu hospital por ter sido violada várias vezes por vários homens que, a seguir, dispararam contra os seus genitais. Na altura pensei que era obra de gente enlouquecida pela guerra, porque o estado em que aquela mulher chegou era completamente anormal. Mas disse e volto a dizer que não sabia que iria passar o resto da minha vida a tentar curar e a acompanhar mulheres que continuam a ser alvo desta violência.

Facínoras. Bestas. Perversos. Assassinos. Em nenhuma destas palavras cabe toda a ignomínia praticada por seres absurdamente desumanos. Por gente que tem consciência daquilo que faz, pois a violação tornou-se uma arma de guerra. Estratégica e letal. Mata moral e emocionalmente. Dizima populações inteiras, comunidades que são forçadas a assistir a estas torturas.

Denys Mukwege tem olhos bondosos e tristes, olhos de quem viu demais. Custa-lhe viver e testemunhar tudo isto, mas sabe que não pode deixar de o fazer. Não pode calar-se e também não se pode retirar de cena. Também não pode abandonar o seu hospital, mesmo sabendo que corre perigo de vida. Ao fim destes anos todos a socorrer e a resgatar a vida e a dignidade de quem foi ferido de morte, o Hospital de Panzi tornou-se um alvo a abater. Mas também se converteu no lugar onde as mulheres congolesas se sentem mais seguras pois o trabalho de Mukwege não é apenas médico, também é emocional e, tão importante como o resto, empreendedor. A equipa de Mukwege está preparada para socorrer fisicamente, mas também para curar emocionalmente e dar ferramentas e suporte material para estas mulheres esquecerem o passado e recomeçarem as suas vidas.

Numa entrevista à CNN, já depois de ter recebido o Nobel da Paz, mas também o Prémio Olof Palme e o Prémio Sakharov e vários anos depois de ter sido eleito Africano do Ano (também em Portugal Denys Mukwege recebeu o Prémio Calouste Gulbenkian – Direitos Humanos em 2015 e agora, durante as Conferências do Estoril, recebeu o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade Nova de Lisboa), dizia eu que numa entrevista à CNN Mukwege declarou:

– Posso ser a única pessoa a quem estas mulheres contam o que sentem.

E é certamente por conhecer toda a verdade que os seus olhos bondosos parecem estar sempre a chorar. Mesmo quando sorri ou quando a sua cara se alegra, os olhos permanecem tristes e enevoados.

Denys Mukwege não tem medo de fazer o que faz, apesar de também ele já ter sido alvo de ameaças e as suas filhas terem sido atacadas, mas salvas a tempo. Tem no seu hospital uma legião de mulheres que ficam de plantão dia e noite para o protegem de eventuais ataques das milícias congolesas. As mesmas que chegam às vilas e aldeias com um propósito único: destruir sem ter que matar.

– Eles chegam e violam as mães em frente dos filhos, as mulheres em frente dos maridos, as avós em frente dos netos, as crianças em frente dos pais. Todos são forçados a assistir para todos ficarem para sempre com as imagens da violência. Desmembram famílias inteiras, destroem comunidades, ferem de morte, enchem de ódio e deixam este rasto de violência por onde quer que passem.

Não poupam ninguém. Bebés, velhos e crianças, todos são vítimas. E os homens, maridos e filhos, pais e avós, ou ficam destruídos para sempre ou consumidos pelo ódio e o desejo de vingança.

O médico congolês de 64 anos que se especializou no tratamento de mulheres que foram violadas por milícias que usam a violação como arma de guerra tornou-se um dos maiores especialistas mundiais na reparação e tratamento de danos físicos provocados por violação. De acordo com a sua biografia, tratou mais de 21 000 mulheres durante os 12 anos de guerra, algumas mais do que uma vez, chegando a fazer mais de dez cirurgias por dia em turnos de trabalho de mais de 18 horas seguidas. Mais do que médico, tornou-se um grande ativista dos direitos das mulheres. E, por tudo o que observa e sabe, o maior de todos os feministas. Nós, mulheres e homens que só conhecemos estas realidades através de testemunhos mais ou menos remotos, nunca teremos palavras à altura da nossa gratidão. Também por isso esta crónica é difícil de escrever. Por ficar a anos luz daquilo que é preciso dizer e fazer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
310

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Férias

Suportem-se uns aos outros nestas férias /premium

Laurinda Alves
263

“Suportai-vos uns aos outros” é um abaixamento pelo outro. Pelo melhor para o outro. Uma atitude cristã, eu sei, mas vejo tantos descrentes adotarem-na que não se pode dizer que é exclusivo de crentes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)