Logo Observador
Educação

Mário Nogueira: Os “cretinos da direita” estão “a expor-se ao ridículo”

5.597

Secretário-geral da Fenprof escreveu que o único motivo pelo qual a direita quer que os sindicatos lutem na rua é porque perceberam que estão a perder apoio na sociedade portuguesa.

Mário Nogueira diz que a federação que dirige "não baixou a guarda"

PAULO NOVAIS/LUSA

“A luta é a Fenprof que a determina, não os cretinos da direita.” É assim que Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), arranca o texto de opinião que publicou no site da federação na semana passada. Dirige-se àqueles que “acusavam os sindicatos de banalizar a luta” e que agora acusam os mesmos sindicatos “de não lutar”.

A esses, só uma coisa pode ser dita: quem determina a ação e a luta que a Fenprof desenvolve, bem como a oportunidade, é a Fenprof, os seus dirigentes e delegados, os professores seus associados e não os dirigentes, deputados, comentadores ou jornalistas que servem quem durante quatro anos tanto castigou os portugueses”, escreveu.

O rosto da luta dos professores diz que a razão pela qual os partidos de direita querem ver os sindicatos na rua é porque estão a perceber que “têm vindo a perder apoio na sociedade portuguesa, como as sondagens têm demonstrado, e quer que outros façam o trabalho que a sua incompetência e políticas tornam impossível”.

Assinalando que em menos de um ano, o atual ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, “já recebeu mais vezes a Fenprof do que Crato em todo o mandato“, Mário Nogueira diz que a federação que dirige “não baixou a guarda”, mas que o que a direita está a tentar fazer é “expor-se ao ridículo, na ânsia de tentar fazer crer que as políticas [do governo atual e do anterior] são iguais, as reações [dos professores] é que diferem”.

Mário Nogueira ressalva, contudo, que apesar de o Governo atual ter resolvido alguns problemas, há outros “de enorme importância”, que estão a ser arrastados e “que urgem ser resolvidos”: reorganizar horários de trabalho, adequando-os às exigências da profissão; distinguir funções letivas de não letivas; criar um regime especial de aposentação; dar estabilidade de emprego e profissional a quantos, há anos, trabalham em situação de precariedade, entre outros.

“Estes são objetivos por que vale a pena lutar e, por eles, os professores, com a Fenprof, irão lutar. Aberta à negociação, a FENPROF apresentará propostas, procurando, pela via negocial, resolver o que até hoje não foi possível. Se por essa via não se encontrarem soluções, então a luta, na rua, será inevitável. Não para fazer o jeito à direita, mas precisamente para, na atual conjuntura, proporcionar melhores condições de trabalho e de vida aos professores”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.

Escolas

Ninguém quer resolver o problema das matrículas

Alexandre Homem Cristo
277

Não faltam exemplos internacionais de soluções para as matrículas. Só que o nosso obstáculo de raiz não é a falta de alternativas; é mesmo a falta de vontade. Como se vê, isso não mudará tão depressa.