Educação

Mário Nogueira: Os “cretinos da direita” estão “a expor-se ao ridículo”

5.597

Secretário-geral da Fenprof escreveu que o único motivo pelo qual a direita quer que os sindicatos lutem na rua é porque perceberam que estão a perder apoio na sociedade portuguesa.

Mário Nogueira diz que a federação que dirige "não baixou a guarda"

PAULO NOVAIS/LUSA

“A luta é a Fenprof que a determina, não os cretinos da direita.” É assim que Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), arranca o texto de opinião que publicou no site da federação na semana passada. Dirige-se àqueles que “acusavam os sindicatos de banalizar a luta” e que agora acusam os mesmos sindicatos “de não lutar”.

A esses, só uma coisa pode ser dita: quem determina a ação e a luta que a Fenprof desenvolve, bem como a oportunidade, é a Fenprof, os seus dirigentes e delegados, os professores seus associados e não os dirigentes, deputados, comentadores ou jornalistas que servem quem durante quatro anos tanto castigou os portugueses”, escreveu.

O rosto da luta dos professores diz que a razão pela qual os partidos de direita querem ver os sindicatos na rua é porque estão a perceber que “têm vindo a perder apoio na sociedade portuguesa, como as sondagens têm demonstrado, e quer que outros façam o trabalho que a sua incompetência e políticas tornam impossível”.

Assinalando que em menos de um ano, o atual ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, “já recebeu mais vezes a Fenprof do que Crato em todo o mandato“, Mário Nogueira diz que a federação que dirige “não baixou a guarda”, mas que o que a direita está a tentar fazer é “expor-se ao ridículo, na ânsia de tentar fazer crer que as políticas [do governo atual e do anterior] são iguais, as reações [dos professores] é que diferem”.

Mário Nogueira ressalva, contudo, que apesar de o Governo atual ter resolvido alguns problemas, há outros “de enorme importância”, que estão a ser arrastados e “que urgem ser resolvidos”: reorganizar horários de trabalho, adequando-os às exigências da profissão; distinguir funções letivas de não letivas; criar um regime especial de aposentação; dar estabilidade de emprego e profissional a quantos, há anos, trabalham em situação de precariedade, entre outros.

“Estes são objetivos por que vale a pena lutar e, por eles, os professores, com a Fenprof, irão lutar. Aberta à negociação, a FENPROF apresentará propostas, procurando, pela via negocial, resolver o que até hoje não foi possível. Se por essa via não se encontrarem soluções, então a luta, na rua, será inevitável. Não para fazer o jeito à direita, mas precisamente para, na atual conjuntura, proporcionar melhores condições de trabalho e de vida aos professores”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Educação

As novas tecnologias e a educação

Maria de Sousa Pereira Coutinho

Muitos autores, ao analisarem as tecnologias de informação, têm vindo a apontar vários riscos, entre os quais está o de elas apagarem o indivíduo ao remetê-lo, forçosamente, para a colectividade.

caderno de apontamentos

O erro a corrigir

João Muñoz de Oliveira
109

É tempo de uma avaliação séria da introdução de provas de aferição, que em nada contribui para a melhoria do sistema educativo. Perante uma promessa de evolução, o que sucedeu foi uma regressão.

Incêndios

O governo da desistência nacional

Rui Ramos

Houve quem tivesse notado que nenhum outro presidente da república fora tão duro desde o general Eanes. Mas o ponto é que também nunca um chefe de governo foi tão frouxo na sua resposta ao presidente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site