Logo Observador
Educação

Acção de mediadores para o sucesso nas escolas diminui retenção de alunos em risco

A intervenção de mediadores para o sucesso escolar, no âmbito de um projeto da EPIS (Empresários pela Inclusão Social), diminuiu em 14% a probabilidade de retenção de alunos em risco, segundo um estudo.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A intervenção de mediadores para o sucesso escolar, no âmbito de um projeto da EPIS (Empresários pela Inclusão Social), diminuiu em 14% a probabilidade de retenção de alunos em risco, segundo um estudo divulgado esta quinta-feira. A não-reprovação de 80 alunos apoiados, segundo o estudo que será hoje apresentado na Escola Secundária Seomara da Costa Primo, na Amadora, gerou uma poupança de 400 mil euros.

A investigação realizada pelo investigador Pedro Martins, do Queen Mary University of London, analisou o impacto do programa num universo de três mil alunos de 55 escolas do 3º ciclo do ensino básico nos distritos de Lisboa e Setúbal e nos Açores, nos anos letivos de 2014/2015 e 2015/2016. Esta análise compara o desempenho escolar de 2.311 alunos selecionados para participação ativa no programa e 648 selecionados para o grupo de controlo.

Comparados os dois grupos, segundo o estudo, os alunos acompanhados pelo programa da Epis apresentam um desempenho escolar significativamente superior face aos alunos do grupo de controlo. O primeiro grupo exibe uma diferença de 6,2 pontos percentuais nas percentagens das aprovações em ambos os anos (2014/2015- 2015/2016) o que corresponde a um aumento de 14% na probabilidade de não-retenção relacionando o estudo com o facto de os alunos com melhores perspetivas de sucesso terem participado no programa.

No que se refere à análise custo-benefício, o programa revela ganhos que se traduzem na redução da despesa pública inerentes às retenções — potencialmente de 400 mil euros, considerando um custo de cinco mil euros por aluno por ano, para 80 alunos, em dois anos. Para o diretor-geral da EPIS, Diogo Simões Pereira, esta investigação de impacto mostra que o programa em curso melhora a vida destes jovens e reduz o insucesso.

” Acreditamos que estes resultados darão ainda mais conforto às autarquias que querem apostar em programas da EPIS”, disse adiantando que “numa altura em que Portugal recebe fundos europeus este estudo ajuda a que a metodologia em causa seja adotada por mais concelhos e escolas em todo o país”. Os cerca de três mil jovens pré-selecionados para a análise tinham 14 anos, sendo 47% raparigas e as turmas estudadas tinham, em média, 22 alunos.

O programa “Mediadores para o sucesso escolar”, em curso desde 2007, desenvolve um plano de reforço das competências não-cognitivas, para ajudar os jovens a estruturar uma metodologia que facilite o conhecimento, tais como a autoestima, a motivação, a perseverança, a organização, ou o bom relacionamento em contexto escolar. Estes aspetos trabalhados especificamente com cada aluno não são focados em contexto de sala de aula.

Desde 2007, o programa “Mediadores para o sucesso escolar” já acompanhou mais de 21.000 alunos em cerca de 40 concelhos. Ao longo de dois anos letivos considerados nesta última análise, os jovens foram acompanhados por um total de 57 mediadores, na sua maioria professores do Ministério da Educação e cada aluno participou, em média em 13 sessões individuais ou coletivas com os mediadores, durante um período total médio de cerca de 12 meses.

A EPIS — Empresários pela Inclusão Social foi criada em 2006 por empresários e gestores portugueses e escolhei a educação como forma de concretização da sua missão principal de promoção da inclusão social em Portugal. Esta organização é atualmente o maior parceiro privado do Ministério da Educação e do Governo Regional dos Açores no combate ao insucesso e abandono escolar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

É favor desobedecer

Cristina Fonseca
839

As competências mais importantes em 2020 serão pensamento crítico, resolução de problemas, criatividade, coordenação e gestão de equipas. E deveriam ser ensinadas nas escolas. Infelizmente, não são.

Catolicismo

Fátima (1): Aparições ou visões?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Na Cova da Iria os pastorinhos tiveram visões e não aparições, mas o valor não é menor porque, como notou Bento XVI, visões têm uma força de presença tal que equivalem à manifestação externa sensível.