Logo Observador
Futuro

Cloud, o dirigível do futuro que consegue prever catástrofes

Suporta até 600 quilos, é 'low cost' e pode prever catástrofes. O Cloud é o dirigível do futuro e é a aposta de uma empresa chinesa, disposta a revolucionar este setor.

O Cloud está equipado com tecnologia de ponta

Site Kuang - Chi

Chama-se Cloud, é uma criação chinesa e tem no seu interior todo um centro de comunicações instalado – o projeto promete ser o futuro dos dirigíveis. “Uma plataforma acima das nuvens“. É assim que a Kuang-Chi, a empresa responsável pela criação deste dirigível futurista – o apresenta no seu site.

A ideia da empresa partiu de três desafios que, explica a Kuang-Chi, a sociedade enfrenta atualmente: primeiro, a dificuldade em aceder à internet; depois, a maneira limitada de como se pode observar o nosso planeta; e, por fim, a dificuldade em prever grandes catástrofes.

O Cloud é como um balão de ar quente, totalmente ligado a uma rede, que fornece uma série de serviços integrados. Esses serviços incluem sistemas de comunicações, sensores de deteção ótica e um arquivo de recolha e análise de dados.

Quanto ao seu revestimento, o Cloud tem metamateriais e uma tecnologia de ponta que o permitem enfrentar condições atmosféricas extremas, ter baixo peso e ainda garantir um voo autónomo. durante um longo período. O design do aparelho até inclui asas controladas eletronicamente para assegurar estabilidade em condições atmosféricas desfavoráveis.

Vídeo de apresentação do dirigível da Kuang-Chi

O dirigível está ainda fixo a um veículo (uma espécie de mastro, que pode ser fixo ou móvel), através de cabos fotoelétricos que asseguram a estabilidade e segurança enquanto opera no terreno.

Das múltiplas vantagens do dirigível, destaca-se a ampla cobertura com que o aparelho opera: o raio de operações pode ir desde um a quatro quilómetros acima do solo. Além disso, tem uma capacidade de carga que pode ir até 600 quilos. Para concluir: é de baixo custo – os custos de manutenção são mais baratos do que muitos satélites atuais e outros veículos aéreos não tripulados.

Com que fins?

Com a sua tecnologia, o Cloud vai conseguir identificar automaticamente embarcações e aeronaves e ainda permitir uma radiodifusão de serviços de internet. O dirigível, de forma autónoma, vai também monitorizar a paisagem, o que contribui para uma recolha e análise de dados do ambiente por onde passa – que pode ir desde a monitorização de terras agrícolas, águas e oceanos ou até da geologia do planeta. Além disso, terá um sistema de comunicação e comando capaz de emitir alertas de emergência para situações de perigo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

“Que mortes, que perigos, que tormentas”

João Pires da Cruz

As doenças que nos afetam, em média, surgem porque vivemos demais para aquilo que a biologia nos desenhou. A seleção natural preparou-nos para viver 35-40 anos e não o dobro. Mas isso é bom, não mau.

Futuro

As tecnologias, redes digitais e ilusão isotrópica

António Covas

Podemos ter o melhor de dois mundos: as economias de aglomeração das duas grandes cidades metropolitanas e, à distância de uma hora, os benefícios e virtualidades das economias de gama e de nicho.

Portugal 2020

A angústia dos 60 anos

José Manuel Fernandes
1.673

Lá aconteceu: já sou "sexagenário". Mas não é isso que me custa. Custa-me muito mais fazer contas ao Portugal que os da minha geração não deixaram, nem estão a deixar, aos seus filhos e aos seus netos