Logo Observador
Maquilhagem

Ainda se lembra dos bronzers? 11 novidades que provam que não estão extintos

Antes dos contornos invadirem a internet, os bronzers eram os heróis dos pós para um efeito de pele saudável e brilhante mesmo no pico do inverno. E agora sairam da gaveta e estão a voltar em grande.

Autor
  • Helena Magalhães

Os bronzers foram, em tempos, o produto de maquilhagem obrigatório de qualquer mulher. Claro que isto foi numa altura em que os contornos ainda não eram falados e a única forma de esculpir o rosto era mesmo através do velhinho pó de bronze aplicado de forma estratégica. Além disso, adicionava brilho e um tom saudável à pele mesmo no pico da palidez de inverno. Entretanto tornaram-se os heróis esquecidos — como o The Guardian lhes chama — e ficaram a ganhar pó nas gavetas mas, surpreendentemente e a provar que, tal como a moda, também a maquilhagem é ciclíca, estão a renascer das cinzas com várias marcas a lançar bronzers e a apostar em novas fórmulas como Clarins que lançou um Bronzing Compact com pigmentos soft-focus para esbater as imperfeições ou a japonesa Shiseido que relançou o seu icónico Rainbow Face Powder de 1917 num novo produto: o 7 Lights Powder Illuminator com tons múltiplos (blush, contornos e iluminador) para permitir criar um brilho personalizado e natural.

Claro que, tal como em tudo na vida (ou só na maquilhagem), um bronzer errado vai destruir toda esta ideia de brilho natural. Por mais morena que queira parecer, nunca use um bronzer que seja duas tonalidades mais escuro que o seu tom da pele ou irá parecer um boneco de cera. É aqui que os pós com vários tons ajudam porque permitem criar um tom multidimensional que, normalmente, se funde melhor na pele. E o site Style Caster relembra que as peles muito claras podem trocar o pó de bronze por um blush nude quente — ali entre o pêssego e o rosa. Os sub-tons quentes dão à pele um rubor dourado natural que não vai parecer tão artificial. Já as peles morenas e escuras, além do bronzer, podem ainda acrescentar um blush avermelhado na zona T para simular aquele rubor que se tem quando se sai da praia.

E não se esqueça da regra do 3 — o bronzer deve ser aplicado como se desenhasse um três de cada lado do rosto. O pincel passa na testa, seguindo para as maçãs do rosto e termina na mandíbula.

Se está cansada dos contornos, veja na fotogaleria alguns dos bronzers novos que já estão no mercado e que estão a provar que, afinal, este pó da velha guarda não está extinto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt