Trânsito

Como se formam as filas de trânsito? Este vídeo explica e dá a solução

2.608

Chama-se "efeito acordeão" e é o que provoca o engarrafamento nas autoestradas. Este vídeo explica a razão porque isto acontece e dá algumas soluções que podem evitar o flagelo.

YOUTUBE

Toda a gente já se deparou com trânsito nas estradas, seja devido à maior afluência nas primeiras horas da manhã ou ao final da tarde, seja por um acidente, por exemplo. Mas vamos recuar à base da questão: como é que acontecem os engarrafamentos quando não há nem acidentes, nem obras? Como é que se formam, de quem é que será a culpa?

O ABC respondeu a essa questão e recuperou o vídeo “A solução simples para o trânsito” e que explica o fenómeno. Chamam-lhe o “efeito acordeão”.

Uma das causas apontadas é a dos tempos de reação lentos e dos curtos períodos de atenção dos condutores. O tráfego é depois agravado quando não existe uma distância de segurança suficiente. Isto porque quando essa distância não é respeitada obriga a que um carro tenha de travar a fundo se o carro da frente também travar – e por aí sucessivamente (“efeito acordeão”), estendendo-se aos carros que seguem atrás.

Pelo contrário, se essa distância fosse respeitada, daria tempo para que o carro não travasse demasiado, evitando também que os que seguem atrás também fossem obrigados a travar. Para além disso, a descoordenação dos condutores quando estão a fazer manobras de cruzamento ou interseções de vias também faz com que o engarrafamento aconteça mais facilmente, já que obriga um veículo a travar e a parar.

Ou seja, um maior tráfego é resultado de uma relação desproporcional de um grande número de interseções aliado à descoordenação dos condutores nessas mesmas manobras.

Na teoria, o trânsito devia ser praticamente inexistente nas vias rápidas e autoestradas, já que, supostamente, não haveria momentos de paragem. Ora, tal não acontece. O vídeo mostra o exemplo de uma galinha a atravessar uma estada, o que obriga a um condutor a travar. O condutor de trás não se apercebe a tempo e trava mais do que é suposto. Isto vai obrigar a que os carros que sigam atrás façam o mesmo, até chegar o momento em que um condutor se vê a parar por completo.

Outros exemplos incluem uma mudança de via mal executada que obrigue à travagem de um condutor – o que leva, logicamente, a outra travagem em série para os condutores que sigam atrás. Outro clássico exemplo é a curiosidade dos automobilistas quando há acidentes nas autoestradas e que reduzem a velocidade para ver melhor aquilo que se passa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

É difícil comer cabrito vivo

Helena Matos
3.147

Estava a perceber quando terão os trabalhadores do sector privado as suas 35 horas e eis que constato que a Nação se mobiliza contra uma ignomínia: a morte de um cabrito num congresso de cozinheiros 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site