Logo Observador
Catolicismo

Medjugorje: solução à vista?

Autor
363

Para um cristão a investigação sobre as supostas aparições de Medjugorge faz sentido, pois deve conhecer a solidez das suas convicções e estar preparado para responder a quem lhe pedir razão da espera

Entre os dias 24 de Junho e de 3 de Julho de 1981 supõe-se que ocorreram, em Medjugorge, na ex-Jugoslávia, sete aparições de Nossa Senhora, que depois terão tido continuidade até ao presente, mas só em relação a uma das videntes. Mas, não obstante os trinta e seis anos entretanto decorridos, Medjugorge continua a ser um tema polémico para muitos católicos.

Enquanto alguns fiéis, nomeadamente os que fizeram a experiência de peregrinar até esse local, defendem com unhas e dentes as aparições, as autoridades eclesiais, embora valorizando os abundantes frutos espirituais aí verificados, têm algumas reservas quanto à autenticidade do acontecimento. Logo que o fenómeno supostamente sobrenatural se verificou, deu azo a um conflito institucional entre os franciscanos, que geriam a paróquia de Medjugorje e eram partidários acérrimos das aparições, e o então bispo diocesano, que nunca deu o seu aval às ditas visões ou aparições marianas.

À medida que a tensão foi crescendo – um dos franciscanos mais envolvido no caso deixou depois a sua Ordem e também o ministério sacerdotal – e o fenómeno adquiriu dimensão internacional – são muitos os milhares de católicos que todos os anos peregrinam a Medjugorje – a Santa Sé chamou a si a questão, que já tinha largamente ultrapassado o âmbito da jurisdição do respectivo bispo diocesano e, até, da correspondente conferência episcopal. Sem se pronunciar de forma definitiva sobre as supostas visões ou aparições, nem sobre as alegadas mensagens de Nossa Senhora, que os devotos de Medjugorje divulgavam diariamente durante anos a fio, a Santa Sé limitou-se a proibir as peregrinações oficiais, sem contudo impedir que, privadamente, os fiéis católicos aí se pudessem dirigir e rezar.

Um novo passo foi agora protagonizado pelo Papa. Com efeito, Francisco, na conferência de imprensa que, no passado dia 13, deu no avião que o levou de Portugal a Itália, pronunciou-se sobre este caso, a pedido de um jornalista italiano.

O Santo Padre recordou a clássica distinção entre a ‘revelação pública’ e as ‘revelações privadas’: enquanto a primeira faz parte da fé eclesial e deve ser crida por todos os fiéis, as segundas não são objecto da fé da Igreja, mesmo quando a autoridade eclesial as aprova, como aconteceu com Lourdes e Fátima.

Para efeito deste possível reconhecimento, como também lembrou o Papa Francisco durante a viagem de regresso a Roma, Bento XVI nomeou uma comissão ad hoc, sob a presidência do Cardeal Ruini, que foi durante muitos anos o vigário do Papa para a diocese de Roma, de que o romano pontífice é, por inerência, o bispo.

Esta comissão, de que também faziam parte mais cinco cardeais, o conhecido psicanalista Tony Anatrella, vários teólogos, antropólogos, canonistas e psicólogos, entre outros especialistas, teve por missão “recolher e examinar todo o material” sobre Medjugorje. A comissão reuniu 17 vezes, entre 17 de Março de 2010 e 17 de Janeiro de 2014, e estudou toda a documentação existente no Vaticano, na paróquia de Medjugorje e também nos arquivos dos serviços secretos da ex-Jugoslávia. Também ouviu os seis videntes e outras testemunhas, tendo-se deslocado, em Abril de 2012, ao local das aparições. Foi também incumbida de apresentar um ‘relatório pormenorizado’ sobre o caso; o seu parecer sobre ‘a sobrenaturalidade, ou não,’ das visões; bem como sugerir possíveis “soluções pastorais” para o local.

Em princípios de 2014, esta comissão transmitiu ao Papa Francisco as suas conclusões, que suscitaram algumas dúvidas por parte da Congregação para a Doutrina da Fé, a qual decidiu enviar as conclusões da comissão Ruini a todos os membros da sua quarta secção – assim chamada por se reunir às quartas-feiras – para que cada um dos seus membros desse o seu parecer. O Santo Padre, quando informado deste expediente, decidiu avocar o assunto, para impedir que, por assim dizer, se pusesse em hasta pública o relatório do Cardeal Ruini, que o próprio Papa Francisco considera muito bom. Em carta endereçada ao prefeito da Congregação da Doutrina da Fé, o Santo Padre exigiu que esses pareceres teológicos lhe fossem enviados directamente.

Segundo o Papa Francisco, há três dúvidas a esclarecer sobre Medjugorge: as primeiras aparições, as mensagens actuais e a questão pastoral.

Quanto às aparições iniciais, o grupo de trabalho presidido pelo Cardeal Ruini emitiu o seguinte veredicto: treze votos favoráveis ao reconhecimento da sobrenaturalidade das sete primeiras aparições, um voto contrário e um voto suspensivo. Não obstante a aprovação, quase unânime, dessas visões, a opinião do Papa Francisco não parece ser tão favorável, na medida em que, a bordo do avião que o levava de regresso a Roma, disse: “sobre as primeiras aparições, quando [os videntes] eram novos, o relatório diz, mais ou menos, que se deve continuar a investigar”.

A comissão constatou uma diferença clara entre o início do fenómeno e o seu posterior desenvolvimento, pelo que deliberou por separado as duas questões: primeiro, pronunciou-se sobre as 7 primeiras aparições, entre 24 de junho e 3 de julho de 1981; e, depois, emitiu o seu parecer sobre os fenómenos posteriores. A comissão deu por provado que as seis crianças videntes eram psicologicamente normais e não foram influenciadas pelos franciscanos, nem pela paróquia ou por qualquer outra pessoa ou entidade. A comissão também descartou a hipótese de que as aparições sejam de origem demoníaca.

Mais crítica é a opinião do Papa Francisco em relação aos fenómenos posteriores, sobre os quais a comissão Ruini também expressou muitas dúvidas. A este propósito, disse o Papa argentino na dita conferência de imprensa aérea: “Eu, pessoalmente, sou mais ‘mau’ [do que a comissão Ruini]: eu prefiro a Senhora Mãe, a nossa Mãe, em vez da ‘Senhora-chefe de estação dos correios e telégrafos’, que todos os dias manda uma mensagem à mesma hora … esta não é a Mãe de Jesus! Estas supostas aparições não têm o mesmo valor. Digo-o como minha opinião pessoal”.

Não obstante estas reticências, a comissão Ruini pronunciou-se favorável ao levantamento da proibição de peregrinações oficiais a Medjugorje – 13 votos a favor, entre os 14 membros presentes – e sugeriu, por maioria, a transformação da paróquia num santuário mariano pontifício, “dependente da Santa Sé”. Uma proposta motivada por ‘razões pastorais’: o atendimento espiritual dos milhões de peregrinos que continuamente afluem a essa paróquia.

O Papa Francisco, depois de ter examinado o relatório Ruini e os pareceres dos membros da Congregação para a Doutrina da Fé, nomeou o arcebispo polaco Henryk Hoser, como “enviado especial da Santa Sé” para a questão pastoral de Medjugorje. Neste verão, Hoser deverá concluir a sua investigação e, depois, o Papa Francisco tomará a decisão final.

Para qualquer ateu ou agnóstico, pode parecer exagerado todo o imenso trabalho que Medjugorge tem significado para tantas autoridades eclesiais e científicas, desde o Santo Padre até aos cardeais, bispos, teólogos, canonistas, sociólogos, psicanalistas, etc. Para um cristão, todo este trabalho faz sentido, não só porque o confirma na fé e na solidez das suas convicções e devoções (cfr. Lc 1, 4), mas também porque o habilita para responder, com argumentos teológicos e científicos, a quem lhe pedir razão da sua esperança (cfr. 1 Pd 3, 15).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família Real Britânica

Lady Di: nem princesa, nem do povo

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.124

As ascendências da mãe de Isabel II e de Diana são, em termos nobiliárquicos, equivalentes, com vantagem para a Lady Di, que era menos ‘plebeia’ do que a mãe da actual rainha.

PCP

O comunismo e o sarampo

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
4.028

O comunismo tem todas as características das doenças: tem sintomas específicos, provoca reacções alérgicas, costuma ser incurável, é geneticamente transmissível e terrivelmente mortal.

Fogo de Pedrógão Grande

A Igreja e os incêndios

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
654

Não faltou quem deplorasse a escassa solidariedade manifestada pela Igreja, que gastaria milhões na construção de novos templos (a basílica de Fátima) mas só dá uns tostões às vítimas destes flagelos.

Catolicismo

Um coach chamado Inácio

Laurinda Alves
1.836

500 anos depois, num tempo em que Deus continua a ser uma palavra difícil e muitos crentes são perseguidos e mortos, Inácio de Loyola continua muito à frente do tempo inspirando leigos e religiosos.

Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
778

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Catolicismo

Fátima (1): Aparições ou visões?

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.830

Na Cova da Iria os pastorinhos tiveram visões e não aparições, mas o valor não é menor porque, como notou Bento XVI, visões têm uma força de presença tal que equivalem à manifestação externa sensível.

Jesus Cristo

A enigmática história da Páscoa

Laurinda Alves
3.547

Passados dois mil anos, que tenho a ver com isto? Talvez perceber melhor que servir os outros é esquecermos-nos de nós, voltando-nos mais para fora, até ao limite das necessidades de quem anda frágil.

Governo

Estado de calamidade

Manuel Villaverde Cabral
207

Continua tudo como dantes: o país está entregue ao clientelismo governamental, dependente do crescimento externo e condenado à dívida. Esta é que é a calamidade que explica as outras calamidades.

Incêndios

Eu vivi um fogo. E vi quem são os heróis

Fernando Leal da Costa

Foi então que os vi. Os populares, como se lhes chama tantas vezes, montados em tratores e pick-ups equipados com depósitos e mangueiras. Chegam e, sem medo, atiram-se ao monstro que crepita fagulhas.