A Universidade do Porto está entre as 100 melhores do mundo em duas áreas de estudo e entre as 100 melhores da Europa em nova das 23 áreas avaliadas pelo University Ranking by Academic Perfomance (URAP). A informação foi divulgada pela Reitoria da Universidade, através de comunicado.

É nos campos da Engenharia e do “Built Environment and Design” (Urbanismo e áreas conexas) que a Universidade do Porto se destaca no ranking agora publicado. Na Engenharia, a Universidade do Porto (UP) é classificada como a 77.ª melhor do mundo e 17.º da Europa, enquanto no segundo classifica-se como a 92.ª do mundo e a 39.ª da Europa.

Tendo por base indicadores de produtividade científica, nomeadamente a quantidade, a qualidade e o impacto internacional dos artigos científicos publicados pelos investigadores de cada universidade, o URAP classifica as 2000 melhores universidades do mundo por avaliação global e avaliação parcial em 23 áreas científicas.

“A Universidade do Porto é a única instituição portuguesa a entrar no top 100 europeu e no top 200 mundial, sendo classificada globalmente como a 94.ª melhor universidade europeia e a 219.ª melhor do mundo.

Para além destas duas áreas, a UP está ainda no top 100 europeu de vários campos científicos: Ciências do Ambiente (45.ª na Europa / 112.ª no mundo), Química (48 / 129), Tecnologia (54 / 166), Ciências Agrárias e Veterinárias (58 / 146), Ciências da Educação (64 / 246), Biologia (77 / 170) e Ciências de Computadores e da Informação (86 / 212).

“A Universidade do Porto é ainda a única instituição portuguesa a entrar no top 100 europeu e no top 200 mundial, sendo classificada globalmente como a 94.ª melhor universidade europeia e a 219.ª melhor do mundo”, lê-se ainda no comunicado. A seguir à UP encontram-se a Universidade de Coimbra (345 do mundo / 144 da Europa) e a Universidade de Lisboa (345 do mundo / 144 da Europa).

O University Ranking by Academic Perfomance é elaborado pela Middle East Technical University, uma universidade técnica internacional sediada em Ancara (Turquia), com base nas publicações científicas registadas na Web of Science, a mais reputada base de dados científica mundial. As suas avaliações têm em conta seis indicadores com relevância variável para a classificação final: número de artigos científicos publicados (21%), número de citações de cada artigo (21%), impacto das revistas científicas publicadas (18%), impacto das citações (15%), colaboração internacional (15%) e número total de documentos publicados (10%).