O Photoshop faz 25 anos. O mais famoso programa de edição de fotografias para computador do mundo foi lançado em 1990, dois anos depois de ter sido criado por dois irmãos que foram bater à porta das empresas de Silicon Valley a ver quem o queria. A Adobe quis e foi aposta ganha: hoje, o Photoshop é o software de edição fotográfica mais usado no mundo.

Para assinalar a data, a Adobe lançou um vídeo onde mostra as potencialidades do Photoshop e quão fácil é criar mundos alternativos com recurso ao programa.

https://www.youtube.com/watch?v=QmYc1MNJaQc

Além de tudo o que permite aos profissionais da fotografia, o Photoshop também já o responsável por muitos momentos estranhos, embaraçosos e hilariantes, quando as fotografias são mal tratadas ou propositadamente exageradas. O site E!, por exemplo, decidiu ver como seria se algumas caras famosas tivessem uns quilos a mais:

Já o Guardian, por exemplo, escolheu os “prémios Photoshop” e atribuiu lugar de destaque a este ataque de tubarão a um helicóptero – obviamente falso.

Mas na lista estava também a presença de John Terry nos Óscares do ano passado…

https://twitter.com/UKolizer/status/568369283367108608

Deixando gracinhas e desastres de lado – porque, na verdade, há vários sites que se dedicam exclusivamente a encontrar e identificar esses erros, especialmente quando afetam celebridades -, por vezes a manipulação de fotografias é assunto sério. No World Press Photo deste ano, 20% das fotografias enviadas foram rejeitadas por terem sido mexidas. E a polémica já várias vezes rebentou, como é possível ver na fotogaleria.

Diga-se agora também que um dos criadores do Photoshop continua a trabalhar no desenvolvimento do programa. Trata-se de Thomas Knoll, irmão de John, com quem criou o programa, e que continua na Adobe a programar para vários produtos da marca.

Apesar da fama que hoje tem, o Photoshop não foi o primeiro (nem o segundo, nem o terceiro) programa de computador do seu género. Em 1987, na União Soviética já se usava um software que permitia apagar pessoas de fotografias e dar alguns retoques em imagens antigas.

Antes disso, antes mesmo dos computadores, em 1947 surgiu uma máquina que permitia fazer alterações manuais às fotografias, que eram objetos e não ficheiros. Através de um sistema vibratório, o operador da chamada máquina Adams podia, com um lápis ou um pequeno pincel, fazer retoques nos negativos, o que requeria um grande controlo da mão e muita paciência: fazer uma pequena edição podia demorar horas.

Hoje, 25 anos de Photoshop depois, este programa, que se encontra no topo das listas dos mais pirateados, já vai na sétima edição e custa, sozinho sem mais aplicações Adobe (o que limita algumas funcionalidades), 141,94 euros por ano, de acordo com a informação da própria Adobe.