Museus

Usar Legos para tirar fotografias a insetos

Quem disse que os equipamentos mais caros conseguiam os melhores resultados? Os Legos, além de mais baratos, são mais fáceis de usar e mais versáteis. Assim o dizem os especialistas.

Há estruturas de vários tamanhos e com várias utilidades

Museu de História Natural de Londres

Como é que os cientistas que estudam insetos – entomologistas – podem fotografar os objetos de estudo de todos os ângulos possíveis sem perder nenhum pormenor dos pelos e olhos complexos? E se nesta equação ainda juntarmos exemplares de museu com mais de 300 anos? A resposta é simples: socorrendo-se da ajuda de uma estrutura de Lego.

Com esta técnica, o Museu de História Natural de Londres espera fotografar 20 milhões de espécimes nos próximos cinco anos para os disponibilizar online. Além da simplicidade da estrutura, o baixo custo também é importante, permitindo que entomólogos com menos recursos financeiros ou estudantes o possam usar também, como refere o comunicado de imprensa. É tão prático que o museu Smithsonian, nos Estados Unidos, conseguiu fotografar 40 mil abelhões em 40 dias.

A estrutura assemelha-se às arestas de um cubo. No interior, o inseto está preso a outra estrutura que lhe permite rodar sobre si próprio e girar em torno do eixo. Desta forma, os investigadores não têm de estar sempre a reajustar a posição do suporte, demorando menos tempo e correndo menos riscos de estragar os frágeis insetos.

A ideia é simultaneamente tão inovadora, valendo uma publicação na revista científica Zookeys, como simples de montar e utilizar – as instruções estão disponíveis a página do museu. “É um protótipo funcional. É bom, é durável e é realmente barato. As peças podem ser encomendadas em qualquer parte do mundo e todos o podem construir”, disse Steen Dupont, entomologista do museu, citado por The Atlantic. Mas para Jonathan Coddington, curador no Smithsonian, não é tanto a redução do preço que é importante, mas “ter uma máquina capaz de fazer o que se queira que ela faça”.

Os equipamentos que existiam para tirar este tipo de fotografias eram mais caros e menos práticos. Com os Legos, os entomólogos conseguem criar estruturas tão pequenas que podem ser encaixadas num microscópio ou tão versáteis que podem acomodar um telemóvel. E ainda assim ser fácil de montar – uma estrutura com 150 peças pode montar-se em 10 minutos. No futuro, Steen Dupont espera conseguir acoplar uma fonte de luz.

Apesar de muitos de nós termos brincado com Legos na infância, eventualmente até com os avançados Techno, fica no ar a dúvida: como é que Steen Dupont teve esta ideia? “Sou dinamarquês. E os dinamarqueses são muito orgulhosos do seu Lego e eu cresci a brincar com Legos”, conta o entomologista.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela
123

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)