A Grécia opõe-se às sanções económicas à Rússia, afirmou o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, numa entrevista à agência de notícias russa, que se encontra de viagem a Moscovo.

O líder do Governo grego tem viagem marcada para Moscovo na próxima semana, mas já se vê como intermediário. Diz Tsipras que a Grécia pode servir de ponte entre a Rússia e os países do Ocidente.

O primeiro-ministro diz ainda que existe um grande potencial de cooperação entre os dois países, especialmente em áreas como o turismo e a energia, esta última uma das questões mais sensíveis entre a Rússia e a União Europeia, especialmente na sequência da crise na Ucrânia.

Sobre a posição da União Europeia relativamente à Rússia, Alexis Tsipras disse que falou com o presidente do Conselho Europeu Donald Tusk e com a alta representante da União Europeia para a política externa, Federica Mogherini, que têm de falar com o novo o Governo grego antes de tomarem decisões.

O primeiro embate entre o Governo grego e a União Europeia foi, aliás, sobre o caso das sanções à Rússia. No final de janeiro, poucos dias após as eleições e a entrada em funções do atual Governo grego, o ministro dos Negócios Estrangeiros grego recusou-se a assinar uma extensão das sanções económicas à Rússia. Na altura, o governante grego explicou que o fez porque a União Europeia não consultou o novo Governo grego antes de tomar uma decisão, que dizia que tinha sido tomada por unanimidade.