Rádio Observador

Ciência

Cientistas portugueses criam sensor de papel que deteta “bactéria elétrica”

Equipas lideradas pelos investigadores Elvira Fortunato e Carlos Salgueiro criaram um teste rápido, feito com papel de fotocópia, para detetar a presença de uma bactéria que pode ser usada na produção de energia.

A bactéria, que pode ser encontrada em lamas e sedimentos, chama-se "Geobacter sulfurreducens"

OREGON HEALTH & SCIENCE UNIVERSITY HANDOUT/EPA

Autores
  • Agência Lusa
  • Milton Cappelletti

Equipas lideradas pelos investigadores Elvira Fortunato e Carlos Salgueiro da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa criaram um teste rápido, feito com papel de fotocópia, para detetar a presença de uma bactéria que pode ser usada na produção de energia. Os resultados foram divulgados recentemente na publicação Scientific Reports, do grupo Nature.

A bactéria chama-se “Geobacter sulfurreducens” e pode ser encontrada em lamas e sedimentos. Quando entra em contato com o organismo, uma nanopartícula adicionada ao papel, o trióxido de tungsténio, passa de cor esbranquiçada para azul, como uma espécie de teste de gravidez.

Segundo Elvira Fortunato, que dirige o Centro de Investigação de Materiais/CENIMAT e o Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação/I3N em entrevista a Lusa, a importância das bactérias eletroquimicamente ativas reside na capacidade que têm de “transferir para o exterior [das suas células] eletrões” e, dessa forma, poderem “ser utilizadas para a produção de eletricidade”.

“Os métodos de detecção existentes atualmente são morosos, dispendiosos e complicados e por isso é necessário o desenvolvimento de um método de detecção rápido, pouco dispendioso e simples que auxilie na otimização das aplicações mencionadas”, explica Fortunato em comunicado de imprensa.

Segundo a investigadora, bactérias como a “Geobacter sulfurreducens” podem ser usadas, ainda, “no tratamento de águas poluídas”, uma vez que “conseguem reduzir a matéria orgânica”.

bacterias02

Imagem do sensor final desenvolvido para a deteção de bactérias eletroquimicamente ativas. As imagens de microscopia electrónica (à esquerda) representam o que acontece antes e depois do ensaio colorimétrico.

Carlos Salgueiro, que lidera a equipa de investigação da Unidade de Ciências Biomoleculares Aplicadas/UCIBIO, adiantou que o sensor de papel foi testado com êxito num modelo de bactéria, mas a ideia é usá-lo com outras bactérias igualmente eletroquimicamente ativas, e que possam ser mais eficientes na produção de energia.

Depois, numa fase mais avançada da experiência, será isolar as bactérias do seu “habitat” natural, como água ou lamas, e utilizá-las no tratamento de esgotos, na descontaminação do solo e água e na produção de pilhas ou baterias de combustível.

“Atualmente, é consensual que a produção contínua de energia a partir de matéria fóssil conduzirá ao esgotamento destes recursos. A procura de formas alternativas de produção de energia a partir de fontes renováveis e limpas é cada vez mais importante”, assinalou à Lusa, apontando o recurso “a células de combustível microbianas, nas quais os microrganismos crescem produzindo corrente elétrica”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)