O primeiro-ministro grego conseguiu “luz verde” dos seus colegas do partido Syriza para chegar a um acordo com os credores, o que pode acontecer nos próximos dias. Segundo a imprensa, Alexis Tsipras garantiu que, a confirmar-se, este será um acordo que não contempla “exigências racionais” e que não será “humilhante” para as pretensões gregas.

Sem especificar as fontes que lhe transmitiram a informação, o Financial Times (FT) noticiou na noite de segunda-feira que Alexis Tsipras conseguiu nos últimos dias vencer a resistência dos deputados da coligação que lidera que várias vezes defenderam publicamente que a Grécia não podia ceder à “chantagem” exercida pelos credores. A notícia surge depois de, no fim de semana, Alexis Tsipras ter adiantado que estavam na “reta final” as negociações “duras e dolorosas” com os credores.

Não são conhecidas, ainda, as condições em que os deputados do Syriza terão dado a “luz verde” a Tsipras para chegar a um acordo “em breve”, como garantiu segunda-feira um porta-voz do governo grego. As duas partes continuam a negociar em quatro áreas principais: metas orçamentais, reforma das pensões e do mercado de trabalho e alterações nos impostos, especificamente nas taxas de IVA.

Segundo o FT, após esta declaração de Alexis Tsipras perante os 350 membros do Comité Central do Syriza, acredita-se em Atenas que será possível chegar a um acordo até ao final desta semana. Um participante dessa reunião do Syriza disse ao FT que “o nosso compromisso é, acima de tudo, proteger os trabalhadores e os pensionistas que foram vítimas da austeridade”.

O otimismo das declarações vindas de Atenas contrasta, contudo, com a cautela demonstrada pelos credores. Uma fonte europeia próxima das negociações disse ao Ekathimerini que continua a faltar rapidez no processo negocial. A mesma fonte acrescentou que “para que nós sigamos em frente, tem de haver uma decisão política”.