Rádio Observador

Política

PCP. Vítor Dias diz que Carlos Brito “mete dó”

Ex-líder parlamentar do PCP criticou Jerónimo de Sousa por colocar de parte uma aliança com o PS. Vítor Dias reagiu ao ataque, lembrando o que Brito dizia do PS em 1997.

Gerardo Santos / Global Imagens

Autor
  • Helena Pereira
Mais sobre

A discussão sobre alianças com o PS está a ser dura à esquerda. As declarações do ex-comunista Carlos Brito desencadearam críticas de Vítor Dias, um ex-dirigente que se manteve no PCP e que acusa o ex-camarada de partido de ter “um final de carreira política que mete dó” e de “deturpar indecentemente” afirmações de Jerónimo de Sousa . E o que é que disse Carlos Brito, ex-dirigente do PCP, ex-diretor do Avante!, ex-líder parlamentar e antigo responsável pelo PCP-Lisboa quando se deu o golpe do 25 de abril?

Em declarações à Lusa, a propósito dos dez anos sobre a morte de Álvaro Cunhal (que se assinalam este sábado), Brito afirmou que o PCP tem “medo de ser levado” pelo PS e lamentou que o partido tenha herdado o lado mais “fechado” e “autoritário” do antigo líder histórico e não a sua “ginástica política” e a “capacidade dialética” de analisar as situações com coragem.

“Quando o Jerónimo de Sousa diz – mas estar num Governo PS para quê? Eu digo – é tão simples como isto: para acabar com a austeridade”, afirmou Carlos Brito, citando uma frase do atual líder do PCP em entrevista ao Observador e elogiando o LIVRE/Tempo de Avançar por aquele partido entender que “é decisivo” dialogar com o PS e fazer com os socialistas “os entendimentos que forem possíveis”.

No Facebook, Vítor Dias acusa Carlos Brito de “deturpar indecentemente” a afirmação que atribui a Jerónimo de Sousa. “Com efeito, na boca do secretário-geral do PCP perguntar ‘mas estar num governo com o PS para quê?’ não quer dizer que não serve para nada, antes é uma forma de sublinhar que a questão prévia e central é a política a realizar”, diz, lembrando os textos que o ex-comunista escreveu no Avante! “onde frequentemente se atirava ao PS como gato a bofe”.

A 22 de maio de 1997, escreveu no “Avante!” que o então primeiro-ministro, António Guterres, era “o principal inspirador e responsável por um tal plano de privatizações que ultrapassa o do anterior governo do PSD” e que “a política governamental em curso não merece nem perdão nem desculpas, mas oposição firme e decidido combate. Só desta forma se podem limitar e reduzir os seus estragos e criar condições para uma verdadeira alternativa”.

“Tenho a sincera esperança que Carlos Brito não vá ao ponto de dizer que tudo o que ao longo de muitos e muitos anos escreveu sobre o PS lhe era imposto e ditado ao ouvido pelos ortodoxos”, remata Vítor Dias.

Contactado pelo Observador, Carlos Brito diz que, ao longo da sua vida, foi “sempre coerente” a defender entendimentos, recordando o acordo que o PCP fez com o PS para a Câmara de Lisboa nos anos 80 e o apoio que o PCP deu ao candidato presidencial Mário Soares.

No PCP, Carlos Brito passou de homem de confiança de Cunhal a renovador e foi, por isso, suspenso do partido, por dez meses, em 2002. Terminado o prazo da suspensão, o dirigente histórico optou, em 2003, pela auto-suspensão, sendo agora presidente do conselho nacional da Associação Renovação Comunista.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)