O Fundo Monetário Internacional pode voltar a estar representado nas negociações com a Grécia Bruxelas já este sábado, mas não com toda a equipa de negociadores, na qual se inclui o ex-chefe da missão para Portugal, Poul Thomsen, noticia hoje o jornal alemão Die Welt.

Após o anúncio na quinta-feira de que tinham sido dadas ordens à equipa do FMI para regressar a Washington, citando a falta de progressos nas negociações e as grandes diferenças entre as partes que ainda subsistem, o FMI pode voltar a ter um representante nas negociações este sábado.

A Grécia fez saber que estava pronta e disponível a discutir, depois de o seu primeiro-ministro, Alexis Tsipras, ter pedido vários encontros com os principais líderes europeus, em especial a chanceler alemã, o Presidente francês e o presidente da Comissão Europeia.

Com o tempo para fechar um acordo a acabar – o programa termina no final do mês e o acordo tem de ser fechado antes para a Grécia conseguir receber a última tranche e fazer um avultado pagamento ao FMI a 30 de junho -, ainda não é claro se o FMI vai fazer voltar a equipa completa.

No dia em que anunciou a retirada da equipa de Bruxelas, o porta-voz do FMI fez questão de saber que não se tratava de um abandono permanente das negociações. A manobra foi entendida como uma forma de pressão do FMI à Grécia.