Livros

5 revelações surpreendentes sobre a vida de Michael Jackson

132

No dia em que passam seis anos da sua morte, dois ex-seguranças revelam segredos íntimos do "Rei da Pop": Michael Jackson tinha amantes secretas e dava nomes de código aos filhos.

Jackson morreu a 25 de junho de 2009

Getty Images

O homem por trás do mito. Esta quinta-feira, 25 de junho, faz precisamente seis anos que Michael Jackson morreu. Entre as muitas formas que os meios internacionais escolheram para relembrar o “Rei da Pop”, destaca-se o artigo do Daily Express. O jornal chegou à fala com dois ex-seguranças do cantor, Bill Whitfield e Javon Beard, que serviram Jackson desde dezembro de 2006… até ao seu último dia de vida. Os dois são os autores de um novo livro que explora a vida secreta de um dos homens mais famosos no mundo — Remember The Time: Protecting Michael Jackson In His Final Days.

No livro, os dois guarda-costas relatam alguns dos momentos mais grotescos da vida do artista. Mas nem todas as páginas estão tingidas a negro, uma vez que há relatos que dão conta de aspetos positivos da sua personalidade. “Tivemos o privilégio de fazer parte da equipa de segurança de Michael Jackson em Las Vegas nos seus últimos dois anos e meio de vida. Nesse tempo chegámos a conhecer uma pessoa amável e generosa, um pai carinhoso, nada que ver com a figura que era caracterizada nos jornais”, garantiu a dupla em exclusivo ao Daily Express. O jornal reuniu, então, a informação em 10 revelações surpreendentes, das quais selecionámos cinco.

1. Tinha amores secretos

Segundo os autores do novo livro, o cantor teve, pelo menos, duas namoradas secretas nos últimos anos de vida. Ambas viviam no estrangeiro. Os seguranças conheceram-nas quando elas visitaram o artista em Middleburg, na Virgínia — a sua presença foi ocultada da família, dos managers e dos próprios filhos. Os seguranças nunca chegaram a conhecer o seu nome, mas Jackson referia-se às duas amantes como “Friend” e “Flower” (“Amiga” e “Flor”, em português).

2. Acreditava constantemente que estava a ser espiado

O artista vivia num medo constante de estar a ser vigiado — isto é, tinha receio de que as suas conversas fossem gravadas e os seus gestos filmados. Por esse motivo, Jackson exigia que todos os quartos de hotéis ou salas de conferência fossem meticulosamente inspecionados, de forma a garantir que não tinham quaisquer câmaras ou gravadores. Só depois de feita a vistoria é que o cantor entrava nas divisões (caso suspeitasse da presença de gravadores e afins, insistia em trocar de quartos/salas).

Situação semelhante aconteceu com uma limusine que o artista alugou e cujas câmaras internas ficaram ligadas. Jackson obrigou os seguranças a confiscar o veículo na garagem enquanto as gravações, nas mãos da empresa que havia cedido a limusine, não fossem entregues ao cantor para serem, posteriormente, destruídas. O Daily Express faz questão de relembrar que o receio de Michael tinha razões de ser — em 2003 uma conversa entre o artista e o seu advogado chegou a diversos tablóides sem a devida permissão.

3. As disputas familiares eram frequentes

A mãe de Jackson era a única pessoa que o podia visitar sem qualquer aviso prévio. Todos os outros membros da família, a irmã Janet incluída, tinham de marcar visita com antecedência, caso contrário o artista recusava-se a vê-los. Por várias vezes, os seus irmãos tentaram arrombar o portão para, depois, serem afastados pela equipa de segurança.

4. Era um apaixonado pela literatura

Pode não parecer, mas Michael Jackson era um ávido leitor, quaisquer que fossem os temas — desde história a arte, passando ainda pelo campo da ciência. A paixão pelas palavras dos outros era tanta e tão grande que, numa só viagem a uma livraria, o cantor comprou livros no valor de 5 mil dólares. Mas o maior gasto terá sido em 2007, durante uma visita a Las Vegas, quando o cantor se apaixonou por uma loja de livros usados que a comprou na totalidade por 100 mil dólares.

5. Os filhos tinham nomes de código

É sabido que Jackson exigia que os seus filhos usassem máscaras em público de modo a esconderem a sua verdadeira identidade dos temidos paparazzi. Mas a segurança com as crianças não se ficava por aqui: os filhos tinham nomes de código que deviam ser usados entre eles e pelos seguranças quando a comunicar via rádio. Os pequenos não podiam usar os nomes reais foram de casa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Livros

O dr. António Sousa Homem & família /premium

Maria João Avillez

Nessa noite, ao apagar a luz, com um cansaço jubiloso, feito de uma curiosidade que galopava à minha frente, surpresa sem nome e raríssimo deleite, olhei distraidamente para o relógio: era madrugada.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)