A recordista lusa percorreu os 20 quilómetros da prova em 1:29.29 horas, enquanto Vera Santos gastou 1:34.01 horas. A outra portuguesa em prova, Inês Henriques, cortou a meta com o tempo de 1:34.47 horas.

A chinesa Liu Hong, que é recordista mundial, conquistou a medalha de ouro, concluindo o percurso em 1:27.45 horas, enquanto a sua compatriota Lu Xiuzhi foi segunda classificada, com o mesmo tempo. A ucraniana Lyudmyla Olyanovska (1:28.13 horas) foi terceira, subindo ao último lugar do pódio.

Liu Hong, de 28 anos, a ‘jogar em casa’, confirmou assim o favoritismo que lhe era atribuído entre o extenso grupo de meia centena de atletas perante a ausência de nomes e, por conseguinte, candidatas a medalhas da Rússia — potência de primeira linha na marcha. Nem Elena Lashmanova, a campeã mundial que está suspensa desde o ano passado, por ‘doping’, nem sequer as marchadoras que ocupam o segundo e o quarto lugar do ‘ranking’ do ano, levadas na voragem do escândalo que ‘arrasou’ o centro de alto rendimento russo de Saransk, participaram.

Ana Cabecinha “felicíssima”

Depois da corrida, Ana Cabecinha disse-se “felicíssima” com o seu quarto lugar. “Foi muito acima das minhas expectativas. Eu nunca pensei: sabia que tinha treinado bem, que tinha chegado aqui sem problemas físicos. Mas, nunca pensei no quarto lugar. Pensei sim no sexto, sétimo, oitavo”, disse à agência Lusa Ana Cabecinha, após percorrer os 20 quilómetros da prova em 1h29.29 horas.

Portugal's Ana Cabecinha reacts as she crosses the finish-line in the final of the women's 20 kilometres race walk athletics event at the 2015 IAAF World Championships at the "Bird's Nest" National Stadium in Beijing on August 28, 2015. AFP PHOTO / PEDRO UGARTE (Photo credit should read PEDRO UGARTE/AFP/Getty Images)

Ana Cabecinha comemora ao passar pela meta

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A recordista lusa (1h27.46 horas) esteve sempre no pelotão da frente, e a meio da prova aparecia em oitavo lugar, a 40 segundos do primeiro. Na segunda metade, Ana Cabecinha confirmou o estatuto de atleta com capacidades para lutar pela ida ao pódio, melhorando, progressivamente, até acabar a menos de um segundo da terceira classificada, a ucraniana Lyudmyla Olyanovska (1h28.13 horas).

“É a tal sensação de não arriscar mais cedo. Mas estou consciente que arrisquei na altura certa. Este quarto lugar é a minha melhor classificação em mundiais; só posso estar feliz”, frisou. Agora, a fundista de 31 anos diz que encara os Jogos Olímpicos do Rio2016 com “outra mentalidade”: “Vamos treinar melhor do que este ano para chegar aos Jogos nas melhores condições e lutar pelo melhor resultado possível. Claro: Jogos é Jogos”.

Ana Cabecinha ficou a um minuto e 44 segundos da primeira classificada, a chinesa Liu Hong (1:27.45 horas), que registou exatamente o mesmo tempo que a sua compatriota e medalha de prata, Xiuzhi Lu.

Vera Santos, que terminou em 21.º lugar, com 1h34.01 horas, ficou aquém das suas expectativas. “Claro que queria mais. O objetivo era ficar nas dezasseis primeiras, mas a partir do tiro de partida, e nas primeiras voltas, senti que ia ser uma competição muito dura: estava muito quente, muita humidade. O mais importante era, se não consigo andar mais rápido, o objetivo é terminar e conseguir-me superar. Foi o que eu consegui fazer hoje”, explicou à Lusa.

Depois de no ano passado ter falhado os Europeus de Zurique, devido a lesão, e só ter recomeçado a treinar em fevereiro, a atleta de 35 anos diz que a prova de hoje é “um ponto para estar em grande forma no próximo ano”. “O meu objetivo é preparar-me e conseguir estar ao nível que estava no ano passado durante a Taça do Mundo”, disse, já a pensar nos Jogos Olímpicos.

Inês Henriques, que se ficou pelo 23.º lugar com 1h34.47 horas, diz que o resultado “foi mau”. “Estava bem, mas depois comecei a ficar contraída, e não me conseguia descontrair. Não consegui reagir”, explicou a atleta à Lusa. Para a fundista portuguesa, o resultado de hoje não reflete as suas reais capacidades: “Estava em condições físicas para fazer bem melhor. Isto não é o meu valor, sem dúvida nenhuma”.

Dezasseis atletas portugueses participam nos Mundiais de Atletismo que decorrem até 30 de agosto no Ninho do Pássaro, o estádio que acolheu os Jogos Olímpicos Pequim2008.