Rádio Observador

Caso José Sócrates

Como era a casa onde Sócrates está em domiciliária?

4.216

Terá cinco assoalhadas e uma piscina coberta aquecida. A compra e reabilitação da moradia de Sofia Fava, onde agora também vive o ex-líder do PS, terá custado 850 mil euros. Compare o antes e depois.

A moradia fica no interior do quarteirão e terá sido adquirido em 2008, juntamente com o companheiro de então de Sofia Fava, Paulo Marques da Silva

A rua está em obras, mas a casa onde Sócrates está atualmente em prisão domiciliária foi remodelada muito antes da chegada do ex-primeiro-ministro. Em abril, noticiava o Correio da Manhã, a ex-mulher de José Sócrates terá gasto 850 mil euros para reabilitar e comprar a moradia, para onde se mudou agora, também, o ex-líder do PS.

Casa de Sofia Fava antes da reabilitação

No Bing Maps é possível ver a moradia antes da remodelação

casaatualsocrates

O Google Maps, mostra a casa já reabilitada.

A casa fica nas traseiras do número 33 da Rua Abade Faria, em Lisboa. José Sócrates fica, assim, isolado, e apenas ao alcance dos olhares dos vizinhos mais curiosos.

A casa de Sofia Fava, ex-companheira e mãe dos dois filhos de Sócrates, terá cinco assoalhadas, uma piscina coberta aquecida, e todos os confortos de que terá ficado privado o ex-primeiro-ministro por força da reclusão.

O imóvel terá sido comprado em 2008 e, diz o CM, teria três hipotecas a favor da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no valor de 800 mil euros. Essas hipotecas terão sido canceladas em março de 2014, numa altura em que o Ministério Público (MP) já estaria a investigar José Sócrates e Carlos Santos Silva.

Nessa notícia de abril, o CM revela ainda que a casa foi adquirida por Sofia Fava e Paulo Marques da Silva, seu companheiro na altura da assinatura da promessa de compra e venda (documento a que o CM teve acesso), a 3 de maio de 2008.

As obras da moradia foram feitas pela Gigabeira, empresa de construção civil na qual Carlos Santos Silva era administrador, de acordo com o despacho do juiz de instrução. Mas a história estava longe de terminar e os negócios entre a ex-mulher de Sócrates e o seu amigo de infância, Carlos Santos Silva, não se reduzirão a este acordo.

É que, em 2011, Sofia Fava vendeu um apartamento na Rua Francisco Stromp, em Lisboa, por 400 mil euros à empresa de Santos Silva: “valor muito superior ao valor real de mercado do imóvel”, dizia o despacho do juiz Carlos Alexandre.

Esse documento dirá ainda que “tal preço em excesso se destinou a compensar obras contratadas à Gigabeira, a realizar pretensamente num outro imóvel de Sofia Fava, sito na Rua Abade Faria, em Lisboa, obras essas com um preço declarado de 300 mil euros, pelo que o pagamento efetivamente realizado se limitou à quantia de 100 mil euros.”

Mais tarde, chega outro pormenor interessante: Em 2011 a Gigabeira já apresentava um prejuízo de 200 mil euros. Um ano e meio depois, revelava o Sexta às 9, a empresa terá posto a casa à venda por 350 mil euros, mas o interessado no imóvel baixou o valor em 90 mil euros. A Gigabeira de Santos Silva acabou consentir a venda por 260 mil euros.

No entanto, nem tudo correu sobre rodas para a empresa de construção civil, que pouco tempo depois entra mesmo em insolvência. No final, o novo comprador conseguiu ficar com a casa por apenas 50 mil euros, o valor do sinal.

À data, confrontada com a investigação do programa da RTP Sexta às 9, Sofia Fava explicava:

Porque o valor das obras realizadas no prédio era de montante muito superior ao previsto, como medida de gestão urgente decidi dar por conta do pagamento do valor dessas obras, o meu bem imóvel situado na rua Francisco Stromp, que, segundo fui informada, interessava à empresa de construção civil que me tinha executado as obras, para alojar os seus trabalhadores. Foi-me, na altura, solicitada, pela empresa interessada, uma procuração irrevogável, que emiti, mas que foi usada apenas um ano depois pelo beneficiário, o qual, em meu nome, vendeu o bem imóvel a quem entendeu e sem o meu controle direto ou indireto”.

Monte Alentejano

No entanto, dois meses depois de vender o apartamento, como medida de “gestão urgente”, Sofia Fava decidiu adquirir uma herdade de 12 hectares no Alentejo, com piscina e uma casa de 600 m². O preço? 760 mil euros.

O monte em Montemor-o-Novo, localizado na freguesia de São Cristovão, foi, aliás, alvo de buscas levadas a cabo pela PSP sob ordem do Ministério Público (MP), em novembro de 2014. Nesse dia, Carlos Santos Silva, Gonçalo Trindade Ferreira e João Perna foram detidos. Poucos dias depois, foi a vez de José Sócrates.

E no mês seguinte sabe-se também que o tal monte terá sido financiado por Carlos Santos Silva, o amigo de José Sócrates. Contava novamente o CM que o crédito – que cobria em 100% o valor do imóvel – foi concedido pelo BES, para ser pago em 32 anos. As garantias de Sofia Fava ao banco, terão sido duas: uma hipoteca do monte, no valor dos 760 mil euros e a constituição de um penhor de aplicação financeira no mesmo valor, este último sob alegada responsabilidade de Santos Silva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)