Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ninguém quer ser apanhado a copiar e cabular. Muito menos se for um analista estagiário de um banco de investimento de renome e estiver a fazer um teste “básico” de matemática. Parece mentira, mas aconteceu.

O caso aconteceu com cerca de uma dúzia de analistas britânicos estagiários do banco JP Morgan em Nova Iorque, noticia o Telegraph. Os ex-futuros bancários foram despedidos depois de terem sido apanhados a esconder cábulas na sala de exame e a copiar uns pelos outros, num teste de contabilidade.

O programa de estágios do banco de investimento norte-americano é um dos mais competitivos do mundo e recebe candidatos das mais prestigiadas universidades, como Harvard, Oxford ou Cambridge. E apesar do teste em questão não ser considerado muito difícil (pela empresa), a batota é comum, disse fonte da JP Morgan ao jornal britânico. “É relativamente fácil fazer batota nestes testes e muitos candidatos já o fizeram no passado. Os candidatos estão sob muita pressão para passar os testes.”

Apesar de a empresa considerar as perguntas do teste de matemática, economia e contabilidade “bastante básicas e ao nível de uma pós-graduação”, a batota é comum, admitiu a mesma fonte. “Este comportamento é completamente inaceitável e não é tolerado na nossa empresa”, disse um porta-voz do JP Morgan ao International Business Times.

Mas as práticas pouco éticas dos futuros bancários não se resumem ao JP Morgan. O Goldman Sachs também enfrentou o mesmo problema, o que levou ao despedimento de cerca duas dezenas de analistas juniores dos seus escritórios de Londres e Nova Iorque, escreve o Telegraph.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR