830kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Restaurante vegan em Los Angeles decide começar a servir carne, após chef perceber que dieta plant based "não chega para salvar o planeta"

Mollie Engelhart decidiu introduzir a carne e os derivados no menu, por ter percebido que a dieta vegan não chegava para combater o aquecimento global. Chef foi amplamente criticada pela transição.

Chef explicou que decisão também recaiu nas dificuldades financeiras que o negócio está a passar desde a pandemia e no desejo de promover a agricultura sustentável
i

Chef explicou que decisão também recaiu nas dificuldades financeiras que o negócio está a passar desde a pandemia e no desejo de promover a agricultura sustentável

Chef explicou que decisão também recaiu nas dificuldades financeiras que o negócio está a passar desde a pandemia e no desejo de promover a agricultura sustentável

“Enorme traição aos animais”, “uma desilusão”, “farsa” e “lucro disfarçado de impacto ambiental”. Quando a chef Mollie Engelhart anunciou nas redes sociais que os seus restaurantes de comida vegan iam passar a servir bifes, queijo e ovos, foi amplamente criticada pela comunidade vegetariana de Los Angeles. Mas a norte-americana diz que teve razões para proceder à “transição terrível” de que foi acusada.

Após mais de uma década a servir pratos plant-based nos restaurantes Sage Vegan Bistro em Echo Park, Culver City e Pasadena, localizados no estado da Califórnia (Estados Unidos), Mollie Engelheart decidiu mudar o nome do negócio para Sage Regenerative Kitchen & Brewery e colocar a carne e os produtos derivados no menu. Um dos maiores motivos? Percebeu que afinal a dieta vegan não chegava para salvar o planeta.

“Parece fraco dizer publicamente: ‘Acreditava numa coisa, talvez estivesse errada e agora acredito noutra’“, confessou ao jornal Los Angeles Times, após ter sido criticada nas redes sociais. “Mas espero que inspire as pessoas a estarem dispostas a ter uma mente aberta quando outra coisa faz mais sentido para nós.”

A chef norte-americana, que abriu o primeiro restaurante em 2011, explicou ainda que levou 18 meses entre ter percebido que a dieta vegan não era suficiente para combater o aquecimento global e a tomar a decisão de mudar o menu a 29 de maio. “Acho que tinha mesmo de estar encostada à parede para ter a coragem de o fazer, porque sabia o criticismo que ia ter”, confessou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A nova ementa vai conter ainda muitas opções vegan, como a couve-flor de búfalo, os hambúrgueres de tempeh e a bowl brasileira, com couve, feijão preto e banana. As novidades serão o ramen de frango, os ovos estrelados e a carne assada.

Além de ter percebido que a dieta vegan não chegava para colocar um travão às alterações climáticas, Mollie Engelhart foi também motivada pelas dificuldades financeiras por que está a passar desde a pandemia.

“Os meus restaurantes têm tido muitas dificuldades, como tantos outros restaurantes após a pandemia”, explicou, dizendo que o negócio costumava faturar 6,5 milhões de euros (aproximadamente sete milhões de dólares), por ano, mas que os lucros desceram a pique desde 2020.

A chef ainda tentou incorporar outras mudanças antes de fazer a mais radical, nomeadamente ao ter encerrado um outro restaurante que tinha, em Agoura Hills, e transformado o de Culver City numa estação de serviço. Além disso, vendeu a sua caravana e a fazenda Filmore, que costumava fornecer cerca de 20% a 25% dos produtos aos restaurantes.

Desta forma, a decisão recaiu, em parte, nas dificuldades financeiras. No entanto, Mollie Engelhart referiu que o maior fator que conduziu à mudança foi o de querer promover a agricultura regenerativa e de práticas ecologicamente mais sustentáveis. Um assunto que a chamou à atenção durante uma TED Talk, que a levou a querer aprender mais sobre as tecnologias para melhorar a saúde do solo, promover a biodiversidade e capturar o dióxido de carbono da atmosfera.

A chef foi amplamente criticada nas redes sociais, tendo várias pessoas dito que mudança era "traição aos animais" e uma "desilusão"

“Compreendo a paixão, tristeza e raiva [das pessoas que a criticam nas redes sociais pela transição]. Eu tinha a mesma visão do mundo que eles antes de mudar as minhas ideias com base na minha experiência na agricultura e tenho compaixão pelo que estão a sentir”, garantiu a chef ao mesmo jornal.

“Não estou apenas a dizer que estou a acrescentar carne à ementa para conseguir mais clientes“, acrescentou Engelhart. “Estou a dizer que penso que o caminho mais importante para capturar o dióxido de carbono é através dos bovinos na relva e, para que isso aconteça em grande escala, precisamos que as pessoas o apoiem”, garantiu.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas