Rádio Observador

Cultura

Engenheiras do Porto lançam projeto de georreferenciação de azulejos das fachadas

2.507

Três engenheiras do Porto lançaram o "Mapping our tiles", um projeto de georreferenciação de azulejos que liga padrões às localizações físicas onde existem.

Miguel A.Lopes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O interesse pelos azulejos das fachadas de casas do Porto motivou três engenheiras a lançar o “Mapping our tiles”, um projeto de georreferenciação nacional deste material de revestimento que liga diversos padrões às localizações físicas onde existem.

Lançado em novembro na internet, o projeto visa “valorizar e partilhar a beleza dos azulejos das casas do Porto e de Portugal”, disse hoje à Lusa Teresa Oliveira, engenheira química, uma das promotoras do projeto, que espera contar com o “contributo de todos”.

A ideia é que cada cidadão fotografe um determinado padrão destes azulejos e tome nota da sua localização. Depois, enviando esse registo por email (mappingourtiles@bonjardim.pt) ou através da rede social Instagram (#mappingourtiles), será feita a sua validação e a sua inscrição no mapa de Portugal que existe no sítio da internet.

“É um projeto a longo prazo”, disse, “para já está muito concentrado no Porto (…), mas não é de todo esse o âmbito, [porque] queremos alargá-lo a todo o país” para perceber os azulejos de fachadas que realmente existem e em que cidades portuguesas, explicou.

O projeto nasceu do gosto que as três engenheiras têm pelos azulejos portugueses, o que as levou a usar alguns dos padrões existentes como imagem de papel de embrulho dos seus sabonetes artesanais produzidos com azeite 100% português virgem extra, aromatizados com óleos essenciais biológicos.

“Utilizamos os padrões para embrulhar os sabonetes, mas este gosto espalhou-se a amigos e família, que nos vão partilhando outros padrões novos e as moradas onde existem”, explicou, acrescentando que assim surgiu a intenção de “perceber a distribuição espacial” destes azulejos no país.

Segundo Teresa Oliveira, o objetivo deste projeto para 2015 foi já largamente superado, tendo em conta que, dos 20 padrões e das 50 moradas definidas, em cerca de mês e meio já estão identificados “43 padrões e mais de 540 moradas”.

Neste curto período de tempo, a georreferenciação já permitiu perceber que “há uns [azulejos] que são muito específicos do centro do Porto, outros que existem no Porto, Lisboa e Aveiro, mas também outros [padrões] que são completamente típicos de Lisboa”, disse a responsável.

“As diferenças e semelhanças entre os vários padrões é outro interesse” das promotoras, que defendem que a divulgação desta informação “é muito importante culturalmente para os portugueses” e deve ser partilhada no presente e preservada no futuro.

Considerando que este tipo de azulejo muito usado no Porto no século XIX “é imediatamente identificado como uma novidade” pelos turistas e é uma marca da cidade do país, o “Mapping our tiles” já entrou em contacto com o Banco de Materiais da Câmara do Porto.

Este banco, com mais de duas décadas de existência, tem como propósito fazer a recolha de todo o tipo de materiais que são identitários da cidade, como azulejos de fachada, estuques e ferros.

“Já falamos com eles e vamos ver como podemos colaborar mutuamente no futuro”, tendo em conta que este banco iniciou já um levantamento exaustivo por toda a cidade (por rua e por prédio) de cadastro dos elementos cerâmicos do edificado.

Os azulejos de fachada, devido à sua humidade e desenho arquitetónico, podem captar luz e refleti-la em zonas mais escuras e graníticas do Porto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)