Rádio Observador

Educação

Passos volta a carregar nas críticas. “Governo pensa em interesses corporativos”

208

Contratos de associação continuam a fazer faísca entre PSD e Governo. Passos insiste nas críticas e acusa Governo de se mover por "interesses corporativos" e "não fazer bem as contas".

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Continuam os ataques mútuos em torno da política de Educação do Governo. Pedro Passos Coelho não muda uma linha ao que disse sobre os alegados “interesses corporativos” do ministro da Educação e faz mais: diz que o Governo “não está a fazer bem as contas” e que “não está a fazer uma discussão alargada sobre o que pretende com estas alterações”. “É manifesto que há interesses corporativos, que não são os interesses dos estudantes, porque se fossem as coisas estariam a ser tratadas de outra maneira, com outra transparência”, disse esta terça-feira à saída de uma reunião com o Conselho Nacional de Educação, depois de ter passado o dia em visita a escolas.

Mantendo a crítica que tinha feito no sábado, durante as comemorações dos 42 anos do PSD, sobre os “outros interesses” que alegadamente movem o governante que tutela a Educação, Passos voltou a não concretizar. Mesmo depois de, no espaço de dois dias, o Governo ter-se unido para exigir “explicações” ao líder do PSD sobre as “graves insinuações” que fez.

“As famílias e os estudantes não têm culpa nenhuma de o Governo querer tomar decisões nesta matéria não a pensar nas famílias e nos estudantes mas a pensar, eventualmente, como já tive ocasião de dizer, noutros interesses, que não são os interesses gerais da comunidade, mas interesses muito definidos quer do ponto de vista corporativo quer ideológico”, afirmou Pedro Passos Coelho aos jornalistas.

À saída de uma reunião com o Conselho Nacional de Educação, no final de um dia dedicado ao setor educativo, o líder do maior partido da oposição disse não querer “acreditar que o Governo esteja a propor aos portugueses um tal retrocesso apenas porque está condicionado por uma força sindical, nem sequer é por um sindicato, ou por uma cegueira ideológica”. Mas não concretizou a que estrutura sindical se estava a referir, e sublinhou que o recurso a contratos de associação com o ensino particular e cooperativo para assegurar oferta pública de educação “não custa mais dinheiro ao Estado e aos contribuintes”.

Sobre a insistência do Governo para se justificar, de resto, Passos limitou-se a dizer que “a melhor maneira não é o Governo fechar-se e atacar a oposição”. “Era melhor que o Governo revelasse alguma humildade para fazer uma discussão serena sobre esta matéria”, disse, rejeitando a necessidade de ter de concretizar as acusações feitas ao ministro. “Acabei de reiterar uma parte significativa do que já tinha dito, não creio que precise de voltar a essa crítica”, afirmou quando questionado pelos jornalistas.

Passos contra construção de novas escolas públicas

Segundo Passos, o Governo está a ser “anacrónico” e “retrógrado” ao querer reduzir o serviço público de educação à escola pública. “Todas estas escolas desenvolvem serviço público de educação”, disse, sublinhando que as escolas do ensino particular e corporativo com as quais o Estado tem contratos “não são escolas privadas, não geram lucro”. “Essa oposição entre escola pública e privada é uma falsa oposição”, disse.

Questionado pelos jornalistas sobre se essas escolas com contratos de associação devem ser exceção, Passos afirmou que já hoje o são, representando “apenas cerca de 2% da despesa geral que o Estado tem com educação”.

E foi mais longe, criticando a construção de novas escolas públicas quando há escolas privadas já “disponíveis” na mesma área geográfica. “Não há nenhuma razão para que o Estado esteja a substituir essas escolas privadas, por escolas públicas que irão construir, despendendo mais dinheiro aos contribuintes, quando existem equipamentos que estão disponíveis nessas organizações e que não são mais caros do que os do Estado”, defendeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
976

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho
182

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)