Sozinho no meio de uma imensidão de carros que se acumulam pela Avenida Fontes Pereira de Melo acima, apoiado numa baia branca que delimita a zona de obras, um homem segura um grande cartaz com uma mensagem simples: “Querem cortar esta árvore”. Atrás dele, em frente ao Palácio Sottomayor, ergue-se um choupo de tronco largo e copa frondosa. Era esta a árvore que queriam cortar, e cortaram. Foi por ela, e por outras iguais que existem naquela avenida, que este homem esteve aqui quatro dias consecutivos.

Foi uma combinação de revolta, paciência e tempo livre que levou Emanuel Sousa, de 25 anos, a fazer este protesto. Veio para a Fontes Pereira de Melo no domingo à tarde e ali tem voltado todos os dias, movido pela vontade de perceber porque é que a Câmara Municipal de Lisboa decidiu abater os choupos da avenida durante a requalificação que está em curso. “Eu não vacilo”, diz ao Observador. Já aqui esteve quatro dias, estava disposto a estar cá os que fossem precisos.

Mas o choupo foi mesmo abatido, na noite de quinta para sexta-feira.

No âmbito das obras, a autarquia decidiu abater quinze árvores entre o Marquês de Pombal e Entrecampos, plantando em contrapartida 741 exemplares novos de freixos, tipuanas, plátanos e jacarandás. Porquê, então, a preocupação com este choupo em especial? “Esta árvore é muito boa, tem um papel fundamental na estabilização dos solos”, explica Emanuel, técnico de agronomia de profissão. Ele está convencido de que, quando a árvore desaparecer, “as raízes que estão por baixo da estrada vão apodrecer” e “o solo vai abrir rachas”. Ou seja, “vão ser necessárias obras de requalificação da requalificação”.

IMG_1437

Estes dois choupos, ligeiramente mais acima na avenida, também estão marcados para abate.

Árvores, amigas da cidade

Quantas vezes olhamos para as árvores que encontramos no caminho do dia-a-dia? Quase nunca, provavelmente. Enquanto Emanuel Sousa fala com o Observador, muitos automobilistas da Fontes Pereira de Melo reparam no cartaz e olham para cima, para “esta” árvore que “querem cortar”. Alguns buzinam, acenam, levantam o polegar. Este protesto serve “para alertar as pessoas para a importância das árvores”, explica Emanuel, e as reações têm sido positivas. “Mesmo as que não apitam dizem ‘força, força, é mesmo assim'”.

É a primeira vez que ele se envolve num protesto deste tipo. Descreve-se como um “interessado em arboricultura” que lê “muitos livros” sobre o assunto. Na quarta-feira, antes de vir outra vez para a Fontes Pereira de Melo, esteve a assistir a uma conferência internacional sobre árvores na internet. A seguir ia para o Jamor, onde há um outro projeto que tem gerado muita controvérsia.

Além de querer chamar a atenção para este choupo específico, Emanuel Sousa luta igualmente para que o Regulamento Municipal do Arvoredo de Lisboa entre finalmente em vigor. “Desde dezembro que está para ser posto em prática. Queremos que sejam claras as justificações para as podas e abates”, reivindica o ativista, lamentando que a câmara tenha delegado nas juntas de freguesia a decisão sobre podas e abates. “Muitas delas aplicam os abates porque sim”, sem critério, acusa. Emanuel vê ainda outra “problemática constante em Lisboa”. Para ele, “não há conhecimento técnico adequado” para tratar das espécies arbóreas da capital, o que significa que muitas acabam por ser maltratadas — como aconteceu no ano passado na Avenida Guerra Junqueiro.

IMG_1435

Todas as árvores atuais da Fontes Pereira de Melo têm o destino traçado. A câmara promete muitas mais.

Já não cheira a Lisboa

“Eu até me agarrava à árvore…”

Emanuel diz isto ao Observador e parece que é a primeira vez que a ideia lhe passa pela cabeça. As horas que passa na Fontes Pereira de Melo têm servido para se fazer notar aos automobilistas e peões, mas também para ter discussões filosóficas com o empreiteiro. Logo no primeiro dia “estivemos a discutir opiniões e pontos de vista”, relata o ativista. “Foi engraçado”, comenta.

Com cerca de cinquenta anos, o choupo do Palácio Sottomayor era o mais antigo da Fontes Pereira de Melo. Foi plantado aquando das obras de extensão do metro entre o Marquês de Pombal e Picoas. Agora, o projeto de requalificação destas avenidas coloca uma ciclovia a passar exatamente no sítio em que a árvore se encontrava. A câmara, em esclarecimentos à Lusa, não confirmou oficialmente que seja esse o motivo do abate, mas Emanuel Sousa e os membros da Plataforma em Defesa das Árvores estão convencidos de que é mesmo essa a razão.

Num pedido de informação enviado à autarquia, a plataforma afirma que “o projeto previa manter as árvores existentes” e que “inclusive nas ilustrações aparecem” essas espécies. “Porque estão assinalados para abate os magníficos choupos negros? Estes choupos fazem parte do património da cidade e pertencem a todos os lisboetas. Se o problema é que as suas raízes levantam ligeiramente o passeio, haverá seguramente soluções técnicas para resolver esse problema que não passam pelo abate puro e simples”, argumenta a plataforma. Para a câmara, feitas as obras, “o balanço é claramente positivo: Lisboa ganha um renovado eixo central com 865 árvores”.

Mais árvores é precisamente o que Emanuel quer, mas não à custa deste choupo. “O que faz falta em Lisboa são árvores e flores. Cheira bem, cheira a Lisboa… mas já não se veem flores”, comenta, com uma expressão facial de desilusão. O choupo não resistiu. Mas Emanuel promete continuar a fazê-lo.