Rádio Observador

Editoras

André Jorge, um editor dedicado

147

Morreu esta quinta-feira André Fernandes Jorge, fundador da Cotovia. Vasco Rosa lembra o editor dedicado que, durante 30 anos, procurou construir um catálogo literário de primeira categoria.

A livraria da Cotovia fica localizada na Rua Nova da Trindade, em Lisboa. O gato está sempre à espreita

Livros Cotovia

Como não podia deixar de ser, a morte dum editor não tem cabimento nos destaques noticiosos, mesmo que o seu trabalho relevante nos tenha deixado algo tão distintivo e valioso como várias centenas de livros bons ou muito bons — que fisicamente hão de perdurar muito para além de quem os escreveu, publicou e leu, e fazem da arte editorial um dos ofícios mais nobres. Mas não foi só nos ecrãs televisivos: sem nada ter a ver com constrangimentos ou especiais sensibilidades diante da Morte, é ensurdecedor o silêncio dos mandarins da edição portuguesa perante esse facto consumado, silêncio esse que segue pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, passa pela Sociedade Portuguesa de Autores, cruza a Biblioteca Nacional e espalma-se na fachada do Instituto Camões, onde é especialmente escandaloso, pois o editor agora defunto foi um pródigo e precursor protagonista dos proclamados intercâmbios culturais que esse organismo tutela mas claramente não desenvolve nem facilita.

Não é por discrição, pudor ou distração (aconteceu com Vítor Silva Tavares em Setembro do ano passado), é tão-só a prova mais retinta dum desmembramento da cena cultural, em que as posições de poder — e respetiva soberba — prevalecem sobre o desejável espírito de corpo duma comunidade que se reconhecesse enriquecida por diferenças e contrastes. A Presidência da República e o Ministério da Cultura publicaram notas de pesar, e alguns autores e amigos divulgaram tributos pessoais (o de Tatiana Salem Levy e de Isabel Lucas são particularmente expressivos). Fizeram bem.

André Fernandes Jorge, que ontem sucumbiu a um cancro linfático, deixa um legado livreiro construído com os meios de fortuna primeiro cedidos e mais tarde herdados de seu pai, um farmacêutico do Bombarral, que ele aplicou ao longo de quase trinta anos na construção esforçada e quase utópica dum catálogo literário de primeira categoria, atento aos grandes clássicos tanto quanto à contemporaneidade.

O trabalho de um editor — como todos, não isento de equívocos e erros de avaliação — não é só o de passar a tantos outros os livros que ele pessoalmente gostou de ler: exige uma capacitação oficinal que não é inata mas vai sendo formada num ambiente colaborativo com escritores, tradutores, designers e outros — e é isso que faz das editoras de pequena dimensão autênticos e gratificantes laboratórios culturais e da sua fábrica de livros um quotidiano de trabalho efetivo, não simplesmente delegado, como ocorre nos empórios do papel impresso, para colaboradores de quem não se conhece o rosto e praticamente se escraviza com condições laborais sem a mínima lisura, dignidade ou compaixão, que é hoje o atual retrato inquietante desta indústria.

Podemos por isso dizer que a lição dum pequeno editor, como André Fernandes Jorge exemplarmente foi, é também essa qualificação humana do trabalho polido a várias mãos, em defesa e louvor dum património civilizacional — em construção contínua — a que por comodidade chamamos literatura e edição. É por aqui, e não é pouco, que deve começar o elogio de qualquer editor de livros digno desse nome, que é ainda alguém que, observando o panorama em seu redor, identifica o que falta fazer e faz.

Pode até reconhecer-se que a sua tarefa e prestigiante evidência foram imensamente facilitadas pela desertificação instituída como a bitola baixa que caracteriza a nossa sociedade, tão pouco exigente consigo própria, em que os livros, ainda hoje “sacralizados”, não são tidos como “bens de primeira necessidade” e a rede de bibliotecas públicas se parece mais com um programa de construção civil do que com um instrumento de efetiva, atualizada e instigante partilha cultural que possa ser também, concomitantemente, um sustentáculo de projetos editoriais relevantes. Mas isso não diminui o seu gesto, muito pelo contrário, pois, para se perceber (pois há ainda quem não tenha percebido!…) como a vida dos pequenos editores foi tornada extremamente difícil — praticamente suicidária -, é preciso saber dos circuitos concentrados e protocolos draconianos de distribuição e venda livreira, e também avaliar os efeitos da massiva pressão dos grandes grupos editoriais sobre as aliás exíguas páginas culturais da nossa “comunicação social”, que de tão pouco independente, atenta e qualificada se torna quase insensíveis às iniciativas daqueles editores ainda capazes de surpreender.

Nas suas memórias, o editor italiano Giulio Einaudi escreveu que a sua vida e o seu trabalho eram uma e só coisa. Também assim André Jorge, editor dedicado.

Com o decorrer do tempo e o crescente canto da sua Cotovia, André Jorge foi deixando de ser “o irmão do João Miguel Fernandes Jorge”, inspirado poeta e crítico de arte nas últimas décadas do século passado, com quem iniciara o projeto da editora, para se tornar um editor respeitado pela excelência das suas escolhas e pela elegância sóbria das montras da sua livraria-sede, que não deixava indiferente quem passasse pelo edifício da antiga livraria Opinião, à Trindade, uma escolha simbólica, também política. O grafismo inicial, concebido por João Botelho, grande amigo de João Miguel e de Joaquim Manuel Magalhães (alguém se lembra deles, alguém os esqueceu?!), também afirmava a Cotovia como algo distintivo, facilmente identificável. Livros limpos, produzidos com bom papel, tipo e mancha gráfica exibiam padrões estáveis e amadurecidos — agradáveis a leitores de grande fôlego — que nessa altura não era comum encontrar no nosso meio.

Tudo isso ajudou a Cotovia a ganhar boa posição junto de outras duas editoras já estabelecidas e com as quais criou evidentes afinidades, a Assírio & Alvim (agora côté Sistema Solar) e a Relógio d’Água, ao ponto de terem partilhado livros num inovador projeto de grandes clássicos de bolso, num esforço notório para elevar o padrão literário quando a política pública de incentivo da leitura acentuava o mais em detrimento do melhor.

A clarividência do trabalho de André Jorge com Frederico Lourenço nos clássicos greco-romanos antigos, com Abel Barros Baptista na literatura brasileira e com Jorge Silva Melo no teatro merece elogios rasgados, mas destacá-la pode eclipsar injustamente o mérito de muitas outras escolhas de autores ou obras que sem a Cotovia ainda não teriam sido lidos. (Referir nomes seria só a demonstração duma preferência pessoal, à qual não atribuo valor neste contexto).

Apesar das muitas diferenças geracionais, podemos compará-lo, e à incerteza do destino da Cotovia a partir de agora, a Rogério de Moura (1925-2008) e os seus Livros Horizonte, também ele um grande editor que apostou — e são tão raros… — os seus meios de família na criação de uma biblioteca capaz de ajudar a transformar o ambiente cultural do seu tempo, propósito nobre dos editores que merecem ficar na memória. E André Fernandes Jorge foi certamente um deles.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)