Lisboa

À espera da gestão municipal, Metro de Lisboa sofre com falhas de manutenção

107

Elevados tempos de espera nas estações, comboios lotados, frequentes interrupções da circulação. Os utentes do Metro de Lisboa queixam-se que este transporte nunca esteve tão mau.

RODRIGO BAPTISTA/LUSA

Carruagens avariadas à espera de intervenção ou para fornecer peças às unidades que estão em circulação. Estes são algumas das consequências dos cortes no investimento em manutenção dos últimos anos e que têm levado à degradação do serviço comercial do Metropolitano de Lisboa denunciada pela Comissão de Utentes dos Transportes de Lisboa.

Segundo o Expresso, a Metro de Lisboa assume que 19 das 111 carruagens estão avariadas e aponta o dedo ao desinvestimento ao nível de manutenção “ao longo dos últimos anos”. A empresa está a rever o plano de manutenção com o objetivo de recuperar níveis de eficiência e rapidez e espera obter resultados no final do ano.

Esta situação tem levado a empresa a recorrer a peças de comboios encostados para assegurar a circulação de outras unidades, lê-se ainda este sábado no jornal Público. Haverá 11 unidades fora de circulação que estão a ser utilizadas para fornecer peças às que estão a circular, como resposta à falta de verbas para comprar material para substituição.

Durante os anos de vigência do resgate da troika, o Governo apertou a disciplina orçamental sobre as empresas públicas, sobretudo naquelas, como o Metropolitano de Lisboa, que contam para o cálculo do défice público. Um dos resultados é a falta de autonomia das administrações para fazer gastos, sem a autorização por despacho dos ministérios da tutela, neste caso o Ambiente, e das Finanças.

Na sexta-feira, o presidente da empresa disse que a expansão da rede (para o aeroporto e para a Reboleira), a constrangimentos orçamentais e a redução de trabalhadores eram os responsáveis pelas falhas do sistema. “Essa dimensão de crescimento, com a obrigação de reduzir custos, afetou um pouco a capacidade de responder à operação”, disse Tiago Farias à Lusa, acrescentando que, nos últimos seis anos, o metro perdeu 300 trabalhadores.

Na mesma entrevista, o administrador afirmou que o número de passageiros teve um crescimento de 9,3% entre janeiro e agosto deste ano, face a igual período de 2015.

O Governo anulou a subconcessão dos transportes de Lisboa e Porto a empresas privadas que tinha sido decidida pelo anterior Executivo. A intenção do Ministério do Ambiente é que a gestão da Carris e do Metro passe para as mãos da Câmara Municipal de Lisboa já a partir do início do próximo ano. Fernando Medina, presidente da autarquia, já disse mais do que uma vez que os transportes da capital estão numa situação “absurda” e acredita que a câmara “fará melhor e gerirá melhor” do que empresas privadas.

Uma das prioridades do Governo e da autarquia passa pela união das linhas verde e amarela, criando duas novas estações — Santos e São Bento — entre o Cais do Sodré e o Rato, mas não há prazos nem para o início nem para o fim desses trabalhos. O que está previsto avançar já em 2017, são as obras em duas estações da linha verde, Areeiro e Arroios, que vão permitir a circulação de comboios com seis carruagens (em vez das atuais três). Durante 18 meses, a estação de Arroios estará mesmo encerrada ao público, disse Tiago Farias.

Enquanto isso, o metro debate-se com problemas cuja resolução, por vezes, se arrasta meses a fio. É o caso das constantes avarias nas escadas rolantes e elevadores das estações. Há dois anos, um lanço de escadas na Baixa/Chiado esteve parado quase três meses, mas os casos já na altura não eram novos. Em 2010, perante uma paragem generalizada de pelo menos oito dos 12 lanços de escada na mesma estação, foi o próprio António Costa, à data presidente da autarquia, a considerar “inacreditável” a frequência com que aqueles equipamentos se avariam.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)