Rádio Observador

Web Summit

Kubo-Robot. Os dinamarqueses que venceram a Web Summit em 2016

370

Mais de 200 startups concorreram ao Pitch, mas apenas uma levou para casa 100 mil euros da Portugal Ventures. Conheça os dinamarqueses que querem ensinar programação a crianças.

Tommy Otzen foi ao palco central da Web Summit receber o prémio

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Foi uma startup dinamarquesa a vencer o Pitch da edição de 2016 da Web Summit. A Kubo-Robot ganhou o prémio de empreendedorismo da conferência (quem em 2014 foi ganho pelos portugueses da Codacy) e vai levar para casa 100 mil euros da Portugal Ventures. Mais de 200 empresas, entre as quais 31 portuguesas, concorreram aos Pitch que decorreram durante os três dias do evento. As três finalistas apresentaram as ideias ao fim da manhã desta quinta-feira a um júri composto por três investidores, e a vencedora foi anunciada ao fim da tarde.

Depois de receberem o prémio, os responsáveis da empresa explicaram a sua ideia aos jornalistas. “Normalmente, quando pensamos no ensino da programação, pensamos nos jovens a partir do 9.º ano, utilizando computadores portáteis”, contou Tommy Otzen, o CEO da Kubo. A equipa decidiu que era necessário chegar aos mais novos, e, por isso, lembraram-se de “tirar a programação drag and drop [arrastar e largar] do ecrã e passá-la para a vida real”, como se fossem Legos.

Construíram um robô em forma de cubo que está dotado de um sistema de inteligência artificial, e que reconhece sinais básicos, como setas ou cores. Esse robô tem de percorrer um caminho em cima de um tabuleiro de jogo, que inclui um rio e uma ponte. A ideia é que a criança vá colocando ao longo do tabuleiro pequenos cartões com as ordens para o robô avançar pelo caminho certo. Com este sistema, defendem os criadores, as crianças aprendem a controlar o robô através da utilização das ordens certas, o que é a base da programação.

“Já estávamos a trabalhar neste projeto há dois anos. Agora, ganhar este prémio é um grande ponto de viragem“, sublinha Tommy Otzen, apesar de admitir que ainda não tem destino para o dinheiro. “Provavelmente será para a produção”, refere, já que a empresa planeia iniciar a produção de 5.000 robôs ainda este ano. “Queremos começar a vender em 2017”, sublinham. Para já, o Kubo está a ser usado em projetos experimentais na Dinamarca. O produto deverá custar perto de 200 euros, quando chegar ao público.

Um vídeo de exemplo do funcionamento do Kubo

Para os criadores do Kubo, a Web Summit foi sobretudo uma oportunidade. “Já falámos com algumas empresas, com quem temos possibilidades de parceria, especialmente aqui na Web Summit”, garantem. O projeto já contou com 200 mil euros de investimento até aqui, mas Otzen e a equipa esperam que a vitória na Web Summit lhes traga ainda mais investimento. “Estamos orgulhosos, isto tem principalmente a ver com a solução que criámos”, concluem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
118

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)