Recuemos a 2003, o ano da mudança. Quando Orna Donath começou uma investigação sobre homens e mulheres israelitas que não querem ser pais. As conclusões associadas à sua tese de doutoramento tiveram uma repercussão tal que, hoje, há quem considere a socióloga da Universidade de Telavive o “rosto global das mães arrependidas”, uma expressão à partida invulgar mas que dá destaque a um tema ainda considerado tabu.

Durante a investigação houve uma frase em particular que ficou retida na memória da socióloga: “Se não fores mãe, vais arrepender-te”. Por algum motivo a afirmação fugia da boca de terceiros com enorme facilidade, pelo que Donath começou a interessar-se pelo outro lado da moeda, a cara da coroa: há quem se arrependa de ter sido mãe?

O estudo em questão envolveu entrevistas a 23 mulheres, algumas já avós, que se arrependem de terem sido mães. É nesse contexto que a investigadora escreve que a maternidade pode ser “uma fonte de concretização pessoal, prazer, amor, orgulho e felicidade”, mas também “um reino de aflição, desamparo, frustração, hostilidade e desilusão”. Também Orna não quis ser mãe, uma opção de vida que lhe deu, por vezes, direito ao rótulo “aberração”, sobretudo num país onde as mulheres têm, em média, três filhos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estudo deu origem a um livro, publicado em Espanha com o título “Madres arrepentidas: Una mirada radical a la maternidad y sus falacias sociales” [Mães arrependidas: um olhar radical sobre a maternidade e as suas falácias sociais] — além de Espanha foi também publicado na Alemanha, onde teve e continua a ter muito impacto. Em 2017 a obra de Donath chegará a mais oito países, Portugal incluído (segundo o site Delas, será publicado pela editora Bertrand, embora a data de lançamento ainda não seja conhecida).

Fúria e insultos de um lado, acolhimento do outro. A autora e investigadora não tem medo de pôr o dedo numa ferida que, com o tempo, torna-se cada vez mais profunda. Orna Donath está mais do que habituada a falar à imprensa, pelo que, tendo em conta as muitas entrevistas que já deu, reunimos as principais de ideias da mulher que diz não existir relógio biológico ou instinto maternal.

A (falsa) ideologia da maternidade

A ideia da pressão social para preencher o papel de mãe é uma das mais defendidas/argumentadas por esta investigadora de 40 anos. Numa entrevista ao jornal espanhol El País, em outubro deste ano, Donath deixa claro que a sociedade faz a promessa num só tom, ao garantir que todas as mulheres saem a ganhar por serem mães.

Tudo não passa de um impulso ideológico para se ser mãe, diz a socióloga, citada pelo The Guardian. Impulso esse que pode ser encontrado em todas as esferas da sociedade e que está assente na ideia de que a felicidade feminina só está completa através da maternidade.

As mulheres que assumem que não querem ser mães são, assim, vistas como egoístas e pouco femininas. Por outro lado, a investigadora defende que quando a experiência da maternidade não é tão cor-de-rosa como o inicialmente pensado, muitas mulheres acabam por se sentir verdadeiros monstros — é, então, necessário baixar as expetativas de maneira a existir menos sentimento de culpa.

Mulheres donas do próprio corpo

“A presunção social de que toda a mulher quer ser mãe, ou precisa de ser mãe em algum momento da sua vida, está profundamente enraizada em vários países, incluindo em Israel”, lê-se no estudo citado. A socióloga já antes argumentou que o estudo — e o livro que dele derivou — tem como principal objetivo criar um espaço de debate para que se fale abertamente sobre esta forma de arrependimento.

Donath defende que as mulheres são donas do próprio corpo e que deveriam ter mais autonomia e controlo sobre as suas próprias vidas:

Precisamos de deixar para trás todos os estereótipos sobre as mulheres e começar a tratá-las como seres humanos, com as suas diferenças, virtudes e defeitos, [capazes das] suas próprias decisões. É preciso dar às mulheres a oportunidade para que elas sejam [tudo] o que quiserem ser”, disse, desta vez numa entrevista ao El Mundo.

A dificuldade em assumir o arrependimento

Também ao jornal El Mundo, a investigadora argumentou que, para uma mulher, é particularmente difícil estar consciente de que lamenta ter sido mãe. “O arrependimento não é uma emoção fácil. Não só em relação à maternidade, mas em geral. Demora tempo até se compreender que se cometeu um erro ao ter filhos […]. Isto acontece mais vezes do que imaginamos.”

Na investigação desenvolvida pela socióloga há uma distinção clara: o arrependimento expresso é em relação à experiência (maternidade) e não em relação aos filhos. “A maior parte das mães salientou que ama os filhos, mas que odeia a experiência da maternidade. (…) Este arrependimento não tem nada que ver com as crianças em si”, lê-se no estudo.

Para Donath, o arrependimento é ainda considerado um sentimento monstruoso e quem o admite sentir é automaticamente catalogada como má mulher ou má mãe. “Tens de gostar de ser mãe porque é o mais importante que te pode acontecer enquanto mulher, tal como a sociedade nos diz”, chegou a explicar.

A “mentira” do instinto maternal

Para a socióloga existem dúvidas quanto à expressão instinto maternal: “Sim, tentamos proteger a vida do bebé, damos-lhe comida, é uma criatura indefesa, mas isso não tem de ser necessariamente equivalente a instinto maternal. Em todo o caso, se existir, não é domínio exclusivo das mulheres”, disse ao El País.

Relógio biológico como instrumento político

E o que dizer do relógio biológico? Numa entrevista recente ao site português Delas, Donath explicou que o relógio biológico pode ser encarado como uma ferramenta política cuja função é colocar a mulher no seu devido lugar:

Esta imagem emergiu nos anos 70 do século passado, ao mesmo tempo em que cada vez mais mulheres decidiam se queriam casar-se ou não, escolhiam com quem fazer sexo, e saíam às ruas para lutar pelo direito a fazer um aborto – o que significa, lutavam por ter mais propriedade sobre seus corpos e vidas. Não é uma coincidência que a imagem que tenta alinhar-nos e levar-nos de volta ao ‘nosso lugar natural’ eleve sua voz precisamente ao mesmo tempo”.