Rádio Observador

YouTube

“Gangnam Style” já não é o vídeo mais visto do YouTube

Apesar de contar com quase 3 mil milhões de visualizações, "Gangnam Style" já não é o vídeo mais visto do YouTube, cedendo o lugar a "See You Again", do filme Velocidade Furiosa 7.

Se uma pessoa tivesse ouvido cada uma destas músicas consecutivamente até chegar ao número de visualizações que estas totalizam, ela teria de ter começado no pico glacial da última Idade do Gelo, há 21.759 anos

Depois de cinco anos a ocupar o lugar de vídeo mais visto no YouTube, o êxito “Gangnam Style” cedeu o seu lugar ao videoclipe da música “See You Again“, que fez parte da banda sonora do filme Velocidade Furiosa 7.

A popularidade de Gangnam Style atingiu níveis tão elevados que “quebrou” o contador do YouTube, ultrapassando o máximo de visualizações possíveis 2.147.483.647. Isto obrigou a que a empresa reescrevesse o código de contagem.

Mas, a música de Wiz Khalifa e Charlie Puth, “See You Again” conseguiu superar os recordes do vídeo sul-coreano, superando-o em 2 milhões de visualizações, atingindo as 2.897.308.866 — valor à hora desta publicação.

Isto significa que, se uma pessoa tivesse ouvido cada uma destas músicas consecutivamente até chegar ao número de visualizações que estas totalizam, ela teria de ter começado no pico glacial da última Idade do Gelo, há 21.759 anos.

O vídeo atingiu os mil milhões de visualizações nos primeiros seis meses e alcançou os dois mil milhões em setembro de 2016.

“See You Again” foi escrita para o filme Velocidade Furiosa 7, em memória do ator Paul Walker, que morreu num acidente de viação antes das filmagens desse filme estarem concluídas. Talvez pela sua carga emocional, esta é a música pop mais tocada em funerais do Reino Unido.

Foi a música mais vendida, a nível mundial, em 2015 e recebeu nomeações para Melhor Música nos Grammys e nos Óscares.

Porém, o mais recente vídeo mais visto do YouTube poderá ocupar esse lugar por pouco tempo.

O êxito de Luis Fonsi,Despacito“, está quase a atingir os 2,5 mil milhões de visualizações (em apenas seis meses) e parece não parar de aumentar. Mas, por enquanto, esta música latino-americana ainda ocupa o 5.º lugar do top de visualizações do YouTube.

Justin Biber, comSorry“, ocupa a terceira posição do pódio, com 2.635.572.161, sendo seguida pelo “Uptown Funk, de Mark Ronson e Bruno Mars, com 2,550,545,717.

No top dos 50 vídeos mais vistos da plataforma, 47 são músicas. O que mostra a importância do YouTube enquanto empresa de streaming de música, muito embora haja uma guerra extensa entre a indústria musical e o YouTube por causa de pagamentos de royalties (direitos).

De acordo com a Midia Research, cada visualização de música no YouTube gera 0,001 dólares para a indústria musical. O que no caso de “See You Again” representa 2.9 milhões de dólares, comparativamente as 665 milhões gerados pelo Spotify.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)