536kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Preparem-se e não sejam tímidos. As dicas de 4 investidores para a Web Summit

Este artigo tem mais de 5 anos

Preparem o "pitch" e aproveitem para fazer contactos. Não sejam tímidos, mas também não é preciso seguirem os investidores até à casa de banho. Os conselhos de quatro investidores para a Web Summit.

A Web Summit 2017 vai decorrer entre 6 e 9 de novembro no Pavilhão Atlântico
i

A Web Summit 2017 vai decorrer entre 6 e 9 de novembro no Pavilhão Atlântico

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

A Web Summit 2017 vai decorrer entre 6 e 9 de novembro no Pavilhão Atlântico

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Preparação, networking, dose certa de insistência e um olho atento aos eventos paralelos. Lisboa está prestes a receber o maior evento de inovação e tecnologia da Europa, a Web Summit, e de grandes empresas às mais pequenas startups já todos se preparam. Celso Martinho, presidente executivo da Bright Pixel, Luís Vieira, vice-presidente executivo da Portugal Ventures, Nancy Brito, sócia da Semeia Ventures e Walter Palma, diretor da Caixa Capital, estiveram na Fnac Chiado a falar sobre aquilo que a maioria das startups procura: investimento.

Na segunda sessão do Startupmania, promovido pela sociedade de advogados CCA Ontier, os especialistas em capital de risco falaram da experiência que têm na Web Summit e do que os empreendedores devem esperar destes eventos. Sim, eventos no plural, porque, como disse Celso Martinho na sessão, “há dois Web Summit: um nos pavilhões, o outro na cidade”.

18 coisas que tem de saber sobre a Web Summit

“Há um segundo Web Summit depois do evento”

Martinho, que foi fundador do Sapo.pt e fez parte da chegada da Internet a Portugal, explica: “Há um segundo Web Summit depois do evento”. A frase, que teve aprovação de todo do painel, foi complementada por Nancy Brito: “Nos eventos paralelos há oportunidades para estar em momentos mais descontraídos”.

A business angel deixou o conselho a quem procura nesses dias capital para uma empresa: “os empreendedores têm de saber onde os investidores andam para ter conversas“. Para isso, os investidores aconselharam a ver previamente as agendas e o que se vai passar na cidade durante o evento. “Não é só parar no Web Summit”, diz Brito.

Quem vai ao Web Summit para fechar negócios vai enganado, explicaram também os investidores. A palavra “networking” (conhecer pessoas do ramo profissional) foi unânime entre o painel. Luís Vieira resume: “A Web Summit é um ponto de encontro”. Walter Palma, que já vai ao evento ainda este não tinha vindo para Portugal, diz aos empreendedores que é o local para se estar, mas que não se deve ir com expectativas de se “fazer negócio”.

O diretor da Caixa Capital ainda clarificou: “não quer dizer que os contactos feitos lá [no Web Summit] não cresçam para algo mais”. É essa possibilidade de fazer negócio que cativa dezenas de milhares de pessoas a participarem no evento.

Networking “é a chave”, mas não se deve ser demasiado insistente. Walter Palma contou que o que é pretendido é “começar diálogo com o investidor”. Basta isso e “já é um grande avanço”, adiantou o especialista em capital de risco. No entanto, já habituado a estes eventos, Palma deixou o aviso: “não assustem o investidor”. Ninguém quer uma pessoa insistentemente a vender uma ideia. Para isso “temos táticas para nos escondermos”, explicou o executivo.

Isto é algo que nenhum empreendedor quer ver, mas num evento em que até à porta da casa de banho fazem pitches (“vender ideias”), os investidores assumem que consegue ser bastante cansativo. Embora todo o painel concordasse, Luís Vieira deixou a ressalva: “também não devem ser tímidos e ficar paradinhos no stand“. Explicando que isso, por vezes, “é muito português”, o vice-presidente da Portugal Ventures avisou que é preciso mostrar o que leva o empreendedor ao evento e que muitos estrangeiros com mais experiência nestas iniciativas também vão lá estar a mostrar as startups que criaram.

O truque é conhecer pessoas, mas não só quem vai para investir nas empresas. Conhecer outras startups é importante, explicou Nancy Brito.

“É bom as startups falarem umas com as outras e puxarem-se”, diz a investidora. Isto é importante também para as apresentações. Uma das críticas unânimes ao evento no ano passado foi startups irem a palco sem terem pitches preparados. “Pratiquem antes”, diz Brito. Este aviso é também para investidores. Saber ao que se vai e o que perguntar é o suficiente para se distinguir um bom de um mau bom negócio.

As 150 startups portuguesas que vão ter um desconto de 50% na Web Summit

“Antes éramos empresários e tínhamos empresas. Agora somos empreendedores e temos startups”

Ainda há muito a ideia em Portugal de “penalizar quem falha e até de penalizar quem é bem sucedido”, diz Celso Martinho. “A culpa é da minha geração e é algo da nossa cultura, mas isso está a mudar”, continua o investidor. Elogiando a Web Summit por ser reflexo que o empreendedorismo está suceder em Portugal, os investidores mostraram a importância que o evento tem para o país e para a cultura.

“Nunca consegui explicar à minha família o que fazia, graças ao Web Summit já não preciso”, disse Nancy Brito mostrando que o conhecimento destes mercados e investimentos faz cada vez mais parte da sociedade portuguesa.

Apesar de assumirem que estamos num pico de entusiasmo quanto a estas áreas, os investidores portugueses mostraram que o evento trouxe o necessário capital estrangeiro para esta economia. “É um negócio de relacionamentos global, não é só do nosso quintal”, explicou Walter Palma.

“Ser empreendedor não é um mundo cor-de-rosa”, avisaram os investidores pelas palavras de Nancy Brito. “Na Web Summit pode parecer que tudo corre bem, mas não é o dia-a-dia das empresas”, adiantou a investidora. “O que interessa [para os investidores] é saber como se vai fazer dinheiro”, disse Luís Vieira. Apesar de se poder ter um ótimo produto, não se vai a lado nenhum se não se souber vendê-lo, concluiu o painel.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.