Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nem Programa de Estabilidade do Governo, que vai ser discutido no Parlamento na próxima terça-feira, nem acordos firmados ontem pelo Governo e PSD sobre descentralização e fundos comunitários: a reunião desta manhã da bancada parlamentar do PSD teve, além de poucos deputados, pouco conteúdo. Segundo apurou o Observador junto de deputados presentes na reunião, os dois temas do momento não foram abordados pelo líder parlamentar Fernando Negrão, mas isso não o impediu de sair da reunião a anunciar aos jornalistas que o PSD, afinal, iria ter um projeto de resolução sobre o Programa de Estabilidade que o Governo português tem de apresentar a Bruxelas. Um projeto de resolução a rejeitar o do Governo? Nem por isso — isso o PSD “ainda não decidiu”.

“Vamos ter um projeto de resolução sobre o Programa de Estabilidade do Governo”, anunciou o líder parlamentar em declarações aos jornalistas, que questionaram imediatamente se o projeto, tal como o do CDS, seria no sentido de pedir a rejeição daquele programa do Governo. Mas quanto a isso, “ainda não está decidido, decidiremos oportunamente, mas que fique claro que o nosso caminho é completamente diferente”, limitou-se a responder Fernando Negrão, sublinhando que o Programa de Estabilidade do Governo com as linhas orientadoras da política económica e orçamental para o próximo ano, nomeadamente a meta prevista para o défice, “tem coisas positivas, designadamente a questão do défice, mas nós não iríamos por esse caminho”.

“Discordamos da carga fiscal elevadíssima a que as pessoas e empresas são sujeitas e achamos que o desenvolvimento é manifestamente insuficiente, uma vez que Portugal é dos países que menos cresce”, disse.

O projeto de resolução, que tem de dar entrada na mesa da Assembleia da República ainda esta quinta-feira, deverá assim ser mais à imagem do projeto apresentado pelo Bloco de Esquerda, que não pede a rejeição do Programa do Governo, limitando-se a recomendar ao Governo que respeite os limites do défice fixados na aprovação do Orçamento do Estado para 2018, mas noutro sentido: o PSD concorda com a trajetória prevista para o défice, mas “preferia outro caminho diferente” em termos de opções fiscais e investimento público. O CDS, por sua vez, deu entrada com uma deliberação a pedir a rejeição do Programa de Estabilidade do Governo, por um lado, e com uma resolução de 82 páginas a anunciar uma alternativa ao Programa de Estabilidade e Plano Nacional de Reformas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sobre o sentido de voto em relação ao projeto de resolução do CDS, que propõe a rejeição do documento, o líder parlamentar do PSD também remeteu para mais tarde essa resposta.

Em todo o caso, a decisão sobre o conteúdo do projeto social-democrata ainda terá de passar por Rui Rio. “As decisões são tomadas em conjunto entre o grupo parlamentar e o partido”, disse Fernando Negrão aos jornalistas quando questionado sobre a falta de decisões saídas da reunião da bancada, onde foi notória a ausência de mais de metade dos deputados, incluindo vice-presidentes. Mas para isso, Negrão tinha uma explicação: “Muitos dos deputados não vieram aqui hoje porque estão em reuniões com autarcas por causa do acordo sobre a descentralização” assinado ontem pelo PSD e o Governo.

Acordos esses que também não foram abordados na reunião entre os deputados. Segundo o Observador apurou, o único tema que Fernando Negrão levou para cima da mesa na reunião interna desta quinta-feira foi a lei da paridade, cuja proposta do Governo, que obriga a que as listas eleitorais sejam encabeçadas nos dois primeiros lugares por um homem e uma mulher, vai ser discutida em plenário esta quinta-feira e votada na sexta — mas também esse assunto ficou sem decisão.

“Houve uma ampla discussão, com todos os deputados a prenunciarem-se sobre o que pensam”, disse Negrão, mas “não está ainda decidido” qual vai ser o sentido de voto da bancada do PSD, ou se vai haver liberdade de voto. Está tudo nas mãos de Rui Rio.

Oposição rejeita Programa de Estabilidade. PS nega que exista um esforço adicional de consolidação orçamental