Construção

Edifícios licenciados aumentam 2% no 1.º trimestre e concluídos crescem 20%

No primeiro trimestre, os edifícios licenciados aumentaram em 18,3% em relação ao trimestre anterior, enquanto os edifícios concluídos subiram 3,6% face aos três meses anteriores.

DEDI SINUHAJI/EPA

Os edifícios licenciados aumentaram 2% para 5,1 mil no primeiro trimestre deste ano, face a igual período de 2017, e os edifícios concluídos subiram 20% para 3,5 mil edifícios, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

No primeiro trimestre, os edifícios licenciados aumentaram em 18,3% em relação ao trimestre anterior, quando tinham registado uma queda de 4%, enquanto os edifícios concluídos subiram 3,6% face aos três meses anteriores, período em que o crescimento observado foi de 0,7%.

Nos edifícios licenciados para construções novas observou-se, no período em análise, um aumento de 6,3%, contra uma subida de 3,5% no último trimestre do ano passado, ao passo que no licenciamento para reabilitação se registou uma queda de 20,7%, depois de no quarto trimestre de 2017 se ter verificado um recuo de 12,1%, segundo dados do INE.

Do total de edifícios licenciados, 70,7% dizem respeito a construções novas e, destas, 70,3% destinam-se a habitação familiar, sendo que os edifícios demolidos (504) corresponderam a 9,8% do total de edifícios licenciados nos três primeiros meses deste ano.

A região Centro foi a única que apresentou queda no total de edifícios licenciados face ao período homólogo (-4,3%). Já a região do Algarve teve uma variação nula e as restantes regiões apresentaram subidas, com destaque para o Alentejo (+7,6%), Área Metropolitana de Lisboa (+5,4%) e o Norte (+4,4%).

Segundo o INE, estima-se que tenham sido concluídos 3,5 mil edifícios em Portugal, sendo que na sua grande maioria são construções novas (72%), das quais 69,8% tiveram como destino a habitação familiar. Apenas a Região Autónoma dos Açores apresentou um recuo em termos homólogos no número de edifícios concluídos (-3,3%). As restantes regiões registaram um aumento a este nível, com destaque para as regiões do Algarve (+48,6%), Alentejo (+28,5%) e o Norte (+27,0%).

As obras concluídas para construções novas em Portugal aumentaram 24,7% face ao primeiro trimestre de 2017 e as obras de reabilitação cresceram 9,5%. Na comparação com o trimestre anterior, as obras concluídas para construções novas cresceram 4,7%, enquanto as obras de reabilitação aumentaram 0,7%. No primeiro trimestre foram concluídos 2,7 mil fogos em construções novas para habitação familiar, correspondendo a um aumento de 36,8% face ao primeiro trimestre do ano passado (+26,0% no último trimestre de 2017).

A Região Autónoma da Madeira, de acordo com o INE, foi a única a registar queda homóloga nesta variável (-42,7%). As restantes regiões apresentaram aumentos homólogos positivos, com destaque para as regiões do Alentejo (+74,7%), Área Metropolitana de Lisboa (+53,7%) e o Algarve (+51,4%).

Do total de edifícios concluídos no primeiro trimestre, 71,0% localizavam-se nas regiões Norte e Centro, correspondendo a 66,4% do total de fogos concluídos em construções novas para habitação em todo o país. À região Norte corresponderam 40,9% dos edifícios e 36,9% dos fogos concluídos. Na Área Metropolitana de Lisboa foram concluídos 10,1% do total de edifícios e 17,6% do total de fogos.

No primeiro trimestre, verificou-se uma queda em 10,8% na área total construída em Portugal, face aos três meses anteriores, sendo que para tal contribuiu a diminuição verificada nas regiões do Algarve (-41,6%), Centro (-39,4%) e Região Autónoma da Madeira (-16,7%).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)