Rádio Observador

Arte Urbana

Miguel Januário vai estar no festival dinamarquês Roskilde com o projeto ±maismenos±

O artista Miguel Januário é o único português a participar na edição deste ano do festival de música Roskilde, que decorre a partir de 30 de junho na Dinamarca, ao qual levará o projeto ±maismenos±.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O artista Miguel Januário é o único português a participar na edição deste ano do festival de música Roskilde, que decorre a partir de 30 de junho na Dinamarca, ao qual levará o projeto ±maismenos±.

O ±maismenos± foi incluído no programa de “Artes e Ativismo” do festival de música dinamarquês, que se realiza anualmente desde 1971 em Roskilde, a cerca de 35 quilómetros de Copenhaga. O artista contou à Lusa que foi convidado para intervir na fachada de um dos hangares do recinto e, além disso, será responsável por uma oficina, aberta ao público e irá fazer uma palestra sobre o seu trabalho.

Nas ‘talks’ (palestras) deste ano estará também a ativista e candidata ao Senado dos Estados Unidos Chelsea Manning, que — enquanto Bradley Manning – foi condenada a 35 anos de prisão, em 2013, depois de ter passado mais de 700 mil documentos classificados sobre as guerras do Iraque e Afeganistão e mensagens do Departamento de Estado ao portal Wikileaks, em 2010, quando era analista dos serviços de informações militares norte-americanos.

Em maio do ano passado, saiu da prisão, ao fim de sete anos.

Depois de ser condenado enquanto homem, revelou que se sentia mulher, pediu que lhe começassem a chamar Chelsea, em vez de Bradley, e submeteu-se a um tratamento de mudança de sexo.

De acordo com informação disponível no ‘site’ do festival, Chelsea Manning irá “falar sobre ativismo e fazer mudanças no mundo”.

O convite para Miguel Januário participar no Roskilde foi-lhe feito por um dos organizadores, que conheceu em 2014 no festival de arte urbana Nuart, na Noruega.

Miguel Januário já participou várias vezes naquele festival, que se realiza anualmente em Stavanger.

Com o projeto ±maismenos±, iniciado em 2005, Miguel Januário mostra a sua faceta mais ‘interventiva’: a título de exemplo, “matou o rei”, em Guimarães, pintou frases de pernas para o ar em paredes do Porto, e “disse ámen”, em Lisboa, em nome do Espírito Santo, da Sonae e do grupo Amorim.

Através do ±maismenos±, iniciado num contexto de investigação académica, Miguel Januário reflete sobre o modelo de organização política, social e económica que gere a vida nas sociedades atuais.

Este ano atuam no festival Roskilde, que decorre entre 30 de junho e 07 de julho, cerca de 175 bandas e artistas, espalhados por oito palcos, entre os quais Eminem, Bruno Mars, Nine Inch Nails, Gorillaz e David Byrne.

Os Moonspell foram os primeiros portugueses a atuar no festival, em 1998. Entretanto, o festival da Dinamarca recebeu os Buraka Som Sistema, em 2007, os Throes + The Shine, em 2013, e o projeto Batida, de Pedro Coquenão, em 2015.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)