Algarve

Associações querem respostas por remoção “total” de vegetação em Cacela Velha

Um grupo de oito associações criticou a falta de resposta das autoridades perante uma "total remoção do coberto vegetal, sem olhar a espécies", realizada no dia 03, em Cacela Velha, no Algarve.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Um grupo de oito associações culturais, defesa do património e ambientalistas criticou esta sexta-feira a falta de resposta das autoridades perante uma “total remoção do coberto vegetal, sem olhar a espécies”, realizada no dia 3, em Cacela Velha, no Algarve.

Em causa está a limpeza de um terreno na vertente a oeste da localidade do concelho de Vila Real de Santo António, dentro do Parque Natural da Ria Formosa, que o Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA) da GNR disse, num primeiro momento, ter sido autorizada pelo Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), informação desmentida depois pelo próprio instituto que tutela os parques naturais portugueses, contextualizou o grupo.

“A paisagem de Cacela Velha, ‘ex-libris’ da Ria Formosa e do seu Parque Natural, e um dos últimos redutos das paisagens mediterrânicas de beira-ria no sotavento algarvio, sofreu no passado dia 3 de Julho um rude golpe, com uma ação extensiva de total remoção do coberto vegetal, sem olhar a espécies, porte ou localização, e deixando um terreno nu, completamente exposto a fenómenos erosivos, na margem de uma linha de água, ao longo de dezenas de hectares”, denunciaram as associações num comunicado.

A limpeza de terrenos realizada por determinação do Governo depois dos incêndios de 2017 tem motivado, “um pouco por todo o país, autênticos atentados ao património vegetal, sempre enquadrados e legitimados por uma leitura enviesada” da legislação que enquadra este tipo de medida preventiva de incêndios, alertou o grupo.

O grupo é composto pela Associação de Defesa, Reabilitação, Investigação e Promoção do Património Natural e Cultural de Cacela (ADRIP), a Associação de Gestores Culturais do Algarve (AGECAL), a Associação de Defesa do Património Cultural e Ambiental do Algarve (Almargem), Associação das Terras e das Gentes da Dieta Mediterrânica (ATGDM), a Pensar no Global, Agir no Local (INLOCO), a Liga para a Proteção da Natureza (LPN), a Associação Nacional de Conservação da Natureza (Quercus) e a Slow Food Algarve.

As associações lamentaram que agora, no terreno a oeste de Cacela Velha, se possa ver um “cenário de desolação nas margens da Ria, em pleno Parque Natural da Ria Formosa, Reserva Ecológica Nacional e Reserva Agrícola Nacional, com mais uma degradação dos valores mediterrânicos da paisagem algarvia e da Ria Formosa, verdadeiro suporte da Dieta Mediterrânica”, reconhecida como património imaterial da humanidade pela Organização para a Ciência, Educação e Cultura das Nações Unidas (UNESCO).

O grupo disse ainda que os seus membros estão a pedir “o apuramento de responsabilidades” às responsáveis ambientais e do património, mas ainda não obtiveram “nem uma resposta ou sequer informação do andamento de qualquer averiguação ou investigação”. As autoridades têm-se pautado por “um ensurdecedor e opaco silêncio”, criticou o grupo, exigindo “respostas às participações efetuadas por associações e cidadãos” para “afastar o clima de desinformação e suspeição que rodeia este caso”. “Exige-se saber quem ordenou esta ação desastrosa, quem — se alguém — a autorizou ou se, não tendo sido autorizada, como foi possível prolongar-se como se prolongou, à vista de todos, com os efeitos devastadores que se conhecem”, exigiu ainda o grupo de associações.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)