SpaceX

De estrela punk rock no liceu a revolucionário das calças de ganga. Quem é Yusaku Maezawa, o primeiro astronauta privado da História

O primeiro turista espacial da História foi uma estrela rock, fez fortunas com vendas na net e faz calças à medida. Yusaku fretou um foguetão para ir à Lua com 6 artistas. Tudo começou aos 16 anos.

AFP/Getty Images

Yusaku Maesawa, o mais novo de dois filhos de uma dona de casa e de um contabilista, tem uma fortuna avaliada pela Forbes em 2,9 mil milhões de dólares. O primeiro cêntimo veio da música: em 1991, tinha ele 16 anos feitos a 22 de novembro, juntou-se a um grupo de amigos da Escola Secundária Waseda Jitugyo e criou uma banda de punk rock chamada Switch Style. Ele era o baterista e chamava-se YOU X SUCK.

A banda ia acumulando algum sucesso quando Yusaku Maesawa decidiu emigrar com a namorada para os Estados Unidos, tinha ele 18 anos. Enquanto lá esteve colecionou álbuns dos artistas de que mais gostava para depois os vender por correio em 1995 quando regressou ao Japão. O negócio cresceu tanto que Yusaku Maesawa montou uma empresa, a Start Today. Vinte anos depois, Yusaku Maesawa era o 14º homem mais rico do Japão. E comprou um foguetão inteiro à SpaceX para ser o primeiro astronauta privado a circum-navegar a Lua ao lado dos artistas favoritos.

View this post on Instagram

My mission to go around the moon, as the first private passenger, will represent the imagination and curiosity of all people. I will make this a meaningful journey with @SpaceX on the BFR launch vehicle. Here I am with the prototype in Los Angeles. いつでも子供のような好奇心で、いろいろなことを想像してきました。誰もやっていないことをするのが大好きです。宇宙は未知なる発見の連続です。民間人初となる今回のこの月周回計画の実現によって、皆さまの好奇心や想像力が少しでも拡がるきっかけになるといいなと思っています。月へ行く際に乗船することになるのが、このロケット、SpaceX社のBFRです。現在ロサンゼルスの工場で開発されているプロトタイプです。

A post shared by Yusaku Maezawa (@yusaku2020) on

“Quando gosto de alguma coisa, sigo-a até ao fim”

Yusaku Maesawa, que em criança gostava de ir ver os pedreiros a construirem casas, não foi à universidade. Disse que não queria ser “como aquelas pessoas de camisa branca que parecem sempre tão cansadas na rua“:

Acho que o que eu odiei foi a sensação de que eu estava a correr por trilhos que já haviam sido estabelecidos. Podia ver os trilhos a abrirem-se à minha frente — escola, universidade, carreira. E imaginava-me como uma daquelas pessoas apertadas dentro do metro em hora de ponta. Quis fugir disso”, recorda.

Foi por isso que se dedicou à música e ao negócio: a Start Today, que herdou o título de um álbum dos Gorilla Biscuits, evoluiu para uma espécie de centro comercial online com 17 marcas  até ao ponto de entrar na bolsa nipónica com 6.300 marcas representadas e mais de 520 mil produtos. De quatro funcionários, a empresa passou aos 900. Ao mesmo tempo, a banda assinou um contrato com a BMG Japão e lançou o primeiro grande álbum.

Só em 2007 é que Yusaku Maesawa abandonou os Switch Style de vez:

Algumas das músicas que nós tocávamos não eram adequadas para a imagem pública da empresa”, justificou ele a um revista japonesa. E acrescentou: “Eu era presidente da minha empresa enquanto viajava pelo país com a banda. Quando se tornou fisicamente impossível participar nos dois, escolhi a minha empresa“.

Mas a arte sempre foi uma paixão deste japonês natural da cidade de Kamagaya, distrito de Chiba, pai de três filhos das duas ex-mulheres e namorado da modelo Saeko Dokyu. Em fevereiro de 2012, quando a Start Today começou a ser cotada em bolsa, Yusaku Maesawa abriu a Fundação de Arte Contemporânea. A missão era “promover a arte contemporânea e incentivar os jovens talentos através de prémios“.

Desde então que o empresário japonês tem batido recordes enquanto curador de arte: comprou um Jean-Michel Basquiat por 57,2 milhões de dólares, um Christopher Wool por 13,9 milhões de dólares, o quadro “Runaway Nurse” de Richard Prince por 9,7 milhões e a obra “Lobster” de Jeff Koons por 6,9 milhões de anos. Em dois dias haveria de gastar um total de quase 100 milhões de dólares em obras. E um ano depois compraria mais um quadro de Basquiat, desta vez por mais de 110 milhões de dólares.

Numa entrevista ao The Japan Times, Yusaku Maesawa explicou de onde vem este afinco à arte — primeiro à música, depois à pintura:

Quando gosto de algo, vou atrás dela até ao fim. Isso não mudou desde que eu estava na escola secundária”, disse ele à frente de uma pintura com as sopas Campbell’s de Andy Warhol. Através da Fundação de Arte Contemporânea, o multimilionário ia abrir um museu privado na província de Chiba com todas as obras que tem vindo a adquirir desde o início do milénio. É lá que vive até hoje e onde fica a sede da empresa: “Sinto-me confortável em Chiba. Há mais ar fresco e pode ver-se o oceano”.

Questionado sobre porque é que tinha gastado tanto dinheiro num quadro Basquiat, Maesawa respondeu:

Recebi muita influência na cultura de rua. E como demonstração de gratidão e agradecimento, decidi fazer tudo e comprar (fazendo a proposta vencedora) na melhor obra de arte (de Basquiat) — que também se levantou das ruas. Espero exibi-lo em algum lugar no Japão, onde todos possam ver de perto o conteúdo de seu coração“, revelou num tweet.

A caridade também é uma vertente muito vincada das atividades filantrópicas de Yusaku Maesawa: em abril de 2003, ele juntou-se a outras 40 marcas e colocou à venda na Start Today uma t-shirt de protesto contra a guerra no Iraque. A venda rendeu 5,9 milhões ienes (cerca de 45 mil euros) e a totalidade do valor foi dado a instituições de caridade. Além disso, Yusaku Maesawa instituiu um sistema de jornada de trabalho de 6 horas na Start Today em junho de 2012 para que “os funcionários tenham mais tempo para a família”.

Maesawa vai à Lua mas quer revolucionar as calças de ganga

Na conferência de imprensa em que se apresentou como primeiro turista espacial com cunho da SpaceX, Yusaku Maesawa revelou que tinha comprado todos os lugares disponíveis dentro do Big Falcon Rocket — o foguetão de último geração de Elon Musk que pode ser ainda mais poderoso do que o Saturn V da NASA — para poder levar artistas com ele:

Se Pablo Picasso pudesse ver a Lua de perto que tipo de pintura teria criado? Se John Lennon pudesse ver a curvatura da Terra, que tipo de canções teria escrito? Se eles fossem ao espaço, como é que o mundo seria agora? As pessoas são criativas e têm uma grande imaginação. Temos a possibilidade de sonhar coisas que nunca foram sonhadas, cantar músicas que nunca foram cantadas, pintar coisas que nunca foram vistas. Espero que este projeto inspire os sonhadores dentro de nós. Juntamente com os melhores artistas da Terra, vou à Lua só um pouco mais cedo do que todas as outras pessoas”, declarou.

Yusaku Maesawa diz que quer ir à Lua desde pequeno:

O meu nome é Yusaku Maezawa e sou do Japão. Podem chamar-me MZ. Finalmente posso dizer-vos que eu escolhi ir à Lua. Estou muito feliz por estar aqui, agradeço muito poder partilhar esta declaração convosco e com gente que nos segue em todo o mundo. Apenas o facto de olhar para a Lua encheu a minha imaginação. Está sempre lá e continua a inspirar a humanidade. É por isso que não pude deixar passar esta oportunidade para ver a Lua de perto”, explicou ele aos jornalistas.

Mas nem o facto de estar a preparar as malas para viajar até à Lua diminui o foco que o empresário mantém do próximo projeto da Start Today: Yusaku Maesawa quer revolucionar as calças de ganga. Um dos projetos mais ambiciosos dele é “oferecer uma experiência de compra sem tamanho usando roupas corporais de alta tecnologia”: ”

Eu acho que o desejo de um par de calças de ganga perfeito é universal. E se pudermos fornecer calças de ganga a todas as pessoas no mundo, por exemplo, teremos 7 mil milhões de clientes”, revelou ele. Tudo porque o próprio Yusaku Maesawa tem dificuldades na hora de fazer compras: “Sou baixo e tenho pernas curtas, o que dificulta a tarefa de encontrar calças que se encaixem bem. Queria um par de calças que alguém como eu pudesse usar sem precisar de costurar as bainhas”.

Em novembro do ano passado, Yusaku Maesawa criou a Zozosuit, uma peça de vestuário que se ajusta ao utilizador através de sensores que conseguem captar até 15 mil medições do corpo. Os dados recolhidos por esses sensores são depois enviados por bluetooth para uma aplicação: assim, quando essa pessoa quiser comprar outra roupa qualquer à venda no site de Yusaku Maesawa, só tem de encontrar a que melhor se ajusta ao cliente. Ao fim de longos anos de pesquisa sobre como rentabilizar uma coleção de roupa tão personalizada, Yusaku Maesawa acabou por encontrar uma solução: não ter grande stock acumulado e criar peças de roupa tão simples que toda a gente goste. Agora promete camisas por 1200 ienes (nove euros) e calças de ganga por 3.800 ienes (29 euros).

Tudo começou com uma banda que hoje já não existe. Mas o percurso ascendente do empresário ainda não acabou, garante Yusaku Maesawa:

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)