PS

Candidata a líder da JS e ex-deputada municipal do PS com falso título de mestrado

16.960

Candidata a líder da JS, Maria Begonha, declarou que tinha um mestrado em Ciência Política na Nova em dois locais: no Linkedin e na biografia na página da candidatura à "jota".

Maria Begonha é assessora de Duarte Cordeiro na Câmara Municipal de Lisboa. Foto: Facebook de Maria Begonha

A candidata à liderança da Juventude Socialista, Maria Begonha, declarou que tinha um mestrado em Ciência Política que, afinal, não concluiu. A também antiga deputada municipal socialista e assessora do vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro, deu essa informação curricular errada por duas vezes: na sua página de Linkedin, onde diz que fez o mestrado em Ciência Política entre 2011 e 2012 na Universidade Nova de Lisboa, e na biografia da sua candidatura à liderança da JS, onde durante dois dias esteve a informação que tinha o “grau de Mestre em Ciência Política“. Maria Begonha justificou, em declarações ao Observador, o erro na página com “gralhas” da responsabilidade do seu diretor de campanha e de quem gere o seu site. Mas sobre o Linkedin, Maria Begonha mostrou-se surpreendida, disse que na rede social, no máximo, devia estar “frequência de mestrado”. Não estava, como comprovou o Observador ao visitar a página.

Print screen da página de Linkedin de Maria Begonha feito esta terça-feira, 22, às 19h00.

Já depois da resposta ao Observador, um membro da campanha de Maria Begonha voltou a ligar para explicar que a informação no Linkedin foi, de facto, um “erro da Maria”, que queria ter colocado “frequência do mestrado”, mas acabou por escolher a opção “mestrado”, quando estava a preencher no Linkedin o seu currículo.

A par do “mestrado” no Linkedin, Maria Begonha teve vários erros curriculares na biografia da página. Um deles era, precisamente a informação de que era mestre em Ciência Política.

A página da biografia de Maria Begonha a 21 e 22 de outubro. Só foi alterada pela primeira vez a 23 de outubro.

Esta terça-feira, ainda antes de sair a primeira notícia sobre o assunto, no Público, já tinham sido feitas algumas alterações. O mestrado tinha passado a frequência de mestrado e outras informações erradas, como facto de ter sido presidente da Associação de Estudantes da Universidade Nova de Lisboa, quando na verdade foi apenas presidente da Mesa da associação.

Nesta primeira alteração persistia ainda, na manhã desta terça-feira, um erro: a data de nascimento. Aparecia, tal como na primeira versão, que Maria Begonha nasceu em Lisboa, em 1990. Na verdade nasceu a 21 de janeiro de 1989. Entretanto, à segunda alteração, a data foi corrigida. Parece um erro sem importância, mas tem um significado político: o facto de ter nascido em janeiro de 1989 faz com que concorra a líder da Juventude Socialista (é a grande favorita) a apenas algumas semanas de atingir o limite de idade da JS: os 30 anos.

Já depois das declarações ao Observador e ao Público, Maria Begonha reagiu na sua página do pessoal no Facebook, onde destacou: “O meu percurso pessoal e cívico sempre se pautou pelo rigor e pela verdade e naturalmente assumimos com frontalidade os erros anteriormente publicados no site, mas que não apagam nem prejudicam o fundamental: as Razões da minha e da nossa candidatura.”

Maria Begonha foi eleita deputada municipal do PS em Lisboa nas  autárquicas de 2013 e exerceu funções até maio de 2016 quando suspendeu o mandato para ser assessora de Duarte Cordeiro na Câmara Municipal de Lisboa.

Desde maio de 2016 e até 30 de setembro de 2018 (altura em que rescindiu contrato com a CML para se candidatar à liderança da “jota”)  recebeu da Câmara de Lisboa uma avença mensal de 4.615,57 euros brutos (3.753,50 euros mais IVA).

A candidata à liderança da JS é vista no PS como uma delfim de Duarte Cordeiro e lidera a Federação da Área Urbana de Lisboa da Juventude Socialista desde 2017. Há muito que, nos bastidores da JS, se aponta Begonha como sucessora natural de Ivan Gonçalves, o atual líder da JS.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Helena Matos

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)