Rádio Observador

PS

Candidata a líder da JS e ex-deputada municipal do PS com falso título de mestrado

16.960

Candidata a líder da JS, Maria Begonha, declarou que tinha um mestrado em Ciência Política na Nova em dois locais: no Linkedin e na biografia na página da candidatura à "jota".

Maria Begonha é assessora de Duarte Cordeiro na Câmara Municipal de Lisboa. Foto: Facebook de Maria Begonha

A candidata à liderança da Juventude Socialista, Maria Begonha, declarou que tinha um mestrado em Ciência Política que, afinal, não concluiu. A também antiga deputada municipal socialista e assessora do vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro, deu essa informação curricular errada por duas vezes: na sua página de Linkedin, onde diz que fez o mestrado em Ciência Política entre 2011 e 2012 na Universidade Nova de Lisboa, e na biografia da sua candidatura à liderança da JS, onde durante dois dias esteve a informação que tinha o “grau de Mestre em Ciência Política“. Maria Begonha justificou, em declarações ao Observador, o erro na página com “gralhas” da responsabilidade do seu diretor de campanha e de quem gere o seu site. Mas sobre o Linkedin, Maria Begonha mostrou-se surpreendida, disse que na rede social, no máximo, devia estar “frequência de mestrado”. Não estava, como comprovou o Observador ao visitar a página.

Print screen da página de Linkedin de Maria Begonha feito esta terça-feira, 22, às 19h00.

Já depois da resposta ao Observador, um membro da campanha de Maria Begonha voltou a ligar para explicar que a informação no Linkedin foi, de facto, um “erro da Maria”, que queria ter colocado “frequência do mestrado”, mas acabou por escolher a opção “mestrado”, quando estava a preencher no Linkedin o seu currículo.

A par do “mestrado” no Linkedin, Maria Begonha teve vários erros curriculares na biografia da página. Um deles era, precisamente a informação de que era mestre em Ciência Política.

A página da biografia de Maria Begonha a 21 e 22 de outubro. Só foi alterada pela primeira vez a 23 de outubro.

Esta terça-feira, ainda antes de sair a primeira notícia sobre o assunto, no Público, já tinham sido feitas algumas alterações. O mestrado tinha passado a frequência de mestrado e outras informações erradas, como facto de ter sido presidente da Associação de Estudantes da Universidade Nova de Lisboa, quando na verdade foi apenas presidente da Mesa da associação.

Nesta primeira alteração persistia ainda, na manhã desta terça-feira, um erro: a data de nascimento. Aparecia, tal como na primeira versão, que Maria Begonha nasceu em Lisboa, em 1990. Na verdade nasceu a 21 de janeiro de 1989. Entretanto, à segunda alteração, a data foi corrigida. Parece um erro sem importância, mas tem um significado político: o facto de ter nascido em janeiro de 1989 faz com que concorra a líder da Juventude Socialista (é a grande favorita) a apenas algumas semanas de atingir o limite de idade da JS: os 30 anos.

Já depois das declarações ao Observador e ao Público, Maria Begonha reagiu na sua página do pessoal no Facebook, onde destacou: “O meu percurso pessoal e cívico sempre se pautou pelo rigor e pela verdade e naturalmente assumimos com frontalidade os erros anteriormente publicados no site, mas que não apagam nem prejudicam o fundamental: as Razões da minha e da nossa candidatura.”

Maria Begonha foi eleita deputada municipal do PS em Lisboa nas  autárquicas de 2013 e exerceu funções até maio de 2016 quando suspendeu o mandato para ser assessora de Duarte Cordeiro na Câmara Municipal de Lisboa.

Desde maio de 2016 e até 30 de setembro de 2018 (altura em que rescindiu contrato com a CML para se candidatar à liderança da “jota”)  recebeu da Câmara de Lisboa uma avença mensal de 4.615,57 euros brutos (3.753,50 euros mais IVA).

A candidata à liderança da JS é vista no PS como uma delfim de Duarte Cordeiro e lidera a Federação da Área Urbana de Lisboa da Juventude Socialista desde 2017. Há muito que, nos bastidores da JS, se aponta Begonha como sucessora natural de Ivan Gonçalves, o atual líder da JS.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
839

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
222

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)