Rádio Observador

Greve

Adesão total à greve na Torre de Belém, Jerónimos e Museu de Arqueologia

A greve de funcionários da Torre de Belém, Mosteiro dos Jerónimos e Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, teve esta quinta-feira de manhã uma "adesão de 100%", disse à agência Lusa fonte sindical.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A greve de funcionários da Torre de Belém, Mosteiro dos Jerónimos e Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, teve esta quinta-feira de manhã uma “adesão de 100%”, disse à agência Lusa fonte sindical.

De acordo com Catarina Simão, do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas, “aderiram todos os trabalhadores dos dois monumentos e do museu” na greve que decorreu entre as 10h e as 11h.

A mesma fonte indicou que as portas dos serviços abriram às 11h, depois de finda a greve, “mas a situação ficou caótica”, pela acumulação de visitantes, sobretudo turistas, e as filas do Mosteiro dos Jerónimos chegaram ao café onde se vendem os tradicionais pastéis de Belém, a cerca de 300 metros do monumento.

A greve iniciada esta quinta-feira e marcada para quatro dias é um protesto pela falta de condições de trabalho, segundo o sindicato, indicando que os trabalhadores “estão todos em exaustão”.

“É uma chamada de atenção dos trabalhadores face a esta escalada incontrolável de turistas, que, afinal, estão a dar receitas ao Estado, mas não há um retorno para os funcionários, que não têm condições de trabalho”, acrescentou.

Catarina Simão disse ainda à Lusa que a Torre de Belém continua com dois funcionários e recebe atualmente 2 mil visitantes por dia, enquanto o Mosteiro dos Jerónimos tem uma afluência diária de 8 mil pessoas, com seis trabalhadores no atendimento.

Estes dois monumentos são os que habitualmente registam longas filas, sendo que o Museu Nacional de Arqueologia também começa a ter filas porque ali passou a ser possível comprar entradas para o Mosteiro dos Jerónimos.

Questionada sobre a reação dos visitantes, em espera, Catarina Simão disse que “mostraram compreensão para com a greve”.

“Distribuímos folhetos em várias línguas e recebemos manifestações de solidariedade”, indicou.

A dirigente sindical disse que a greve deverá todo o dia de sexta-feira, em paralelo à greve da função pública marcada por três estruturas sindicais.

A greve, marcada até domingo, decorrerá apenas das 10h às 11h nos dias seguintes, o que deverá atrasar a abertura de portas de três dos mais visitados espaços culturais da cidade e do país.

Em causa nesta paralisação estão várias queixas dos funcionários, alguns em condições laborais precárias.

O sindicato refere a falta de limpeza e de condições sanitárias, com a presença de ratos nos espaços de serviços, atrasos no pagamento de trabalho suplementar em dias de eventos, impedimento de dias de gozo de descanso e alteração de período de férias.

Catarina Simão lamentou na quarta-feira, também em declarações à Lusa, a falta de contacto com o Ministério da Cultura, referindo que o sindicato pediu reuniões, sem sucesso, com a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) desde que a atual diretora, Paula silva, tomou posse, e que a única reunião com a tutela foi ainda com o ex-ministro João Soares.

De acordo com o relatório de atividades de 2017 da DGPC, no ano passado, o Mosteiro dos Jerónimos recebeu mais de um milhão de visitantes (1.080.902), enquanto o Museu Nacional de Arqueologia – que funciona numa das alas deste mosteiro – contou com 167.634 entradas.

Em 2017, a Torre de Belém teve 575.875 visitantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)