Eleições Europeias

Europeias: PSD e PS começaram a trocar acusações de campanha por causa dos candidatos a Presidente da Comissão Europeia

Os socialistas vão apoiar Frans Timmermans a Presidente da Comissão Europeia. PSD e CDS apoiam Manfred Weber. Os dois candidatos têm telhados de vidro em Portugal. E já há troca de acusações

Ainda o candidato do PPE (a família política europeia a que pertencem PSD e CDS) não tinha sido eleito e já os socialistas celebravam a nomeação do holandês Frans Timmermans, único candidato depois da desistência do rival, o eslovaco Maroš Šefčovič. A nomeação há-de ser confirmada no início de Dezembro em Lisboa, durante o Congresso dos Socialistas europeus.

Na primeira conferência de imprensa, depois de consumada a candidatura única, o comissário holandês falou do governo de António Costa como modelo a seguir na Europa. Em Helsínquia, onde decorria o Congresso do Partido Popular Europeu, Paulo Rangel falava ao Observador e aproveitava para reagir às palavras que ouvia do outro lado: “Isso só pode significar que conhece mal o exemplo português”.

Rangel acusou Timmermans de ser “o testa de ferro de Djesselbloem. Os socialistas portugueses com um candidato como Timmermans vão ter muito que explicar”. E acrescentou:”O Partido Socialista Holandês é dos partidos que mais mal fez a Portugal e nós que estávamos responsáveis pelo Governo da troika sabemos bem o que eles nos fizeram. Era bom que o senhor Timmermans se lembrasse quais eram as suas posições quando era ministro dos Negócios Estrangeiros na Holanda e quais eram as posições de Djesselbloem quando Portugal estava a sofrer. Isso é que era importante lembrar. Timmermans pode vir agora branquear história, mas não vai conseguir.”

Em Bruxelas, Carlos Zorrinho leu e não gostou. O chefe da delegação do PS afirmou que ao atacar a candidatura de Franz Timmermans para presidente da Comissão Europeia em nome dos S&D, “Paulo Rangel não faz mais do que atirar areia para os olhos dos portugueses, tentando desviar as atenções de um inqualificável apoio do PSD a um candidato que exigiu a aplicação de sanções a Portugal”, tentando “travar a recuperação e consolidação das contas públicas” portuguesas.

Zorrinho contou que, no debate que ocorreu esta semana no Grupo S&D teve “a oportunidade de confrontar Franz Timmermans com as declarações de Dijsselbloem”. Nessa conversa, garante Zorrinho, “o candidato demarcou-se totalmente dessas declarações e comprometeu-se, se for eleito, a trabalhar por um orçamento de convergência na União Europeia e pela conclusão da reforma do euro, de forma a diminuir as assimetrias entre os países europeus”.

Sobre a nomeação de Weber, Zorrinho lembra que “Manfred Weber (…) escreveu a Jean Claude Juncker exigindo o endurecimento de posições da Comissão em relação a Portugal, e solicitando a aplicação de ‘todos os instrumentos incluindo os da vertente corretiva do PEC0 ou seja, sanções que a terem sido aplicadas teriam custado a Portugal de forma indevida e imerecida, reputação e cerca de 360 milhões de euros”. Ora, Zorrinho recorda que aquando da divulgação da carta, “o vice-presidente do PPE Paulo Rangel, manifestou perplexidade e desacordo”, mas “isso não impediu o PSD de apoiar dois anos depois Manfred Weber para ser candidato à presidência da Comissão Europeia”.

Zorrinho entende que “para os portugueses a mensagem é clara: a direita portuguesa na União Europeia continua o seu caminho de subserviência e de apoio a quem objetivamente não deseja que Portugal se afirme social e economicamente como um parceiro entre iguais na União Europeia”. Para os socialistas não há dúvida que “nas próximas eleições europeias votar no PSD e no CDS em Portugal será votar num potencial presidente da Comissão Europeia que quer retomar a pressão da austeridade e do empobrecimento do País”. Zorrinho acrescenta ainda que é “lamentável a desconsideração mostrada pela direita portuguesa em relação aos interesses de Portugal.”

Já em declarações à agência Lusa, a Secretária-geral Adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, criticou Assunção Cristas por ter sido ministra “do governo que mais empobreceu os portugueses” e Rui Rio por apoiar à liderança da Comissão Europeia “um daqueles que foi o mais feroz adepto da aplicação de sanções a Portugal”.

Em Helsínquia, e sobre a crise das sanções em que Weber enviou uma carta a Juncker a pedir que a Comissão continuasse a ser rigorosa com países como Espanha e Portugal, Rangel justificou que o candidato do PPE “é um amigo de Portugal” e que “o que ele defendeu foi que se aplicassem as regras. Agora, o que ele pretendia não era visar Portugal. Foi sempre um grande defensor do Governo PSD/CDS que tirou o país da bancarrota e, por isso, o gesto não tinha nenhuma intenção punitiva”. Rangel acredita que, se houver uma confortável maioria dos partidos que defendem o spitzenkandidat, Weber será  escolhido como presidente da Comissão Europeia, mas admite que se não houver essa maioria, a escolha será mais complicada.

Garantiu que o PSD terá todo o gosto em contar com o alemão na campanha nacional para as Europeias já que “Weber é um europeu convicto e o PSD é um partido que não tem vergonha da Europa, nem de ser pró-europeu. Há outros que estão agora com alguma timidez”. Questionado sobre se se referia ao PS, Rangel defendeu que o “PS está condicionado quanto à Europa, já que o PCP é contra a UE e o BE que só é a favor da UE se ela adotar o seu programa.”

E já que ia embalado em discurso de pré-campanha, o vice-presidente do PPE voltou a acusar o Partido Socialista Europeu de fazer “as escolhas à soviética, escolhe o candidato e já está. É o buro, o politburo que escolhe quem é o candidato”. Sobre Timmermans, Rangel disse que “tem uma visão muito ortodoxa” e, por isso, não percebe “como o PS se revê no candidato que defende posições que Manfred Weber nunca defendeu. É só ir ver a história.”

O Observador viajou a Helsínquia a convite do Partido Popular Europeu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)