Fernando Mendes, antigo líder da Juventude Leonina, envolve e corresponsabiliza Bruno de Carvalho pela invasão de Alcochete, confessando que o antigo presidente do Sporting lhe disse para ir à Academia “apertar com eles [os jogadores], dar-lhes um puxão de orelhas“. Em entrevista ao Diário de Notícias, o antigo líder da Juve Leo admite que o presidente do Sporting alterou o treino para aquele dia porque sabia que a claque iria a Alcochete. “Tenho pensado com os meus botões se ele não alterou a data do treino com base nessa conversa (…) mudou-o para terça-feira porque sabia que eu lá ia e calculou que atrás de mim fosse mais gente“.

Durante a entrevista, Fernando Mendes conta que Bruno de Carvalho lhe ligou no sábado, dia 12 de maio, entre as 21h00 e as 22h00 e que foi ele próprio a ligar ao presidente no domingo para “lhe dar conhecimento de que tinha ido ao aeroporto falar com o Jorge Jesus e a chamada teve a duração de um minuto.” E acrescenta: “Os dados da minha operadora mostram que de 4 a 30 de maio há somente uma chamada de mim para o Bruno de Carvalho. Que é essa. Depois, ligou-me ele, umas cinco ou seis vezes já na madrugada de domingo para segunda-feira. Atendi uma das chamadas e estivemos mais de uma hora ao telefone“.

Há aqui uma aparente falha nas declarações de Mendes. Durante o interrogatório que o juiz de instrução do Barreiro, Carlos Delca, fez a Bruno de Carvalho diz que as chamadas foram de Fernando Mendes para Bruno de Carvalho. “Ele ligou-lhe seis vezes, não sabe o que é que ele queria?”, questionou o juiz.

Independentemente de quem ligou a quem é nessa chamada mais longa que Mendes revela que contou a Bruno de Carvalho que pretende ir a Alcochete: “Eu disse-lhe que não era admissível um jogador [Acuña] com oito meses de Sporting não ter a mística do clube e que ia na terça-feira a Alcochete continuar a conversa com o Jorge Jesus”. Segundo Mendes, o presidente incentivou essa visita à Academia: “Ele disse que eu fazia bem, que devia ir lá apertar com eles, dar-lhes um puxão de orelhas. E eu respondi-lhe que não precisava de lhes dar puxão de orelhas nenhum, que queria apenas esclarecer aquilo com o treinador. Hoje sei que ele já sabia que na terça-feira não havia treino. Mas não me disse”. Mendes desconfia que Bruno de Carvalho o fez para que pudesse “inventar” um treino naquele dia e abrir caminho para que os jogadores fossem “apertados”.

Fernando Mendes tem 48 anos e foi líder da Juve Leo durante quase 20 anos até passar o testemunho a “Mustafá”, em 2011. Foi ele que se travou de razões com Marcos Acuña depois do Sporting ter perdido na Madeira na última jornada e foi captado a ameaçar o jogador argentino: “Falamos em Alcochete“. O antigo líder da Juventude Leonina respondeu às questões do Diário de Notícias a partir da prisão, com 37 folhas A5 escritas à mão, e complementou-as com uma chamada telefónica.

Fernando Mendes conta que Bruno de Carvalho nunca se reuniu com ele, mas que, quando era líder da Juve Leo, sempre teve “reuniões, telefonemas, encontros, almoços e jantares” com todos os presidentes, “de Sousa Cintra a Bettencourt”.

O antigo líder explica também que as tochas contra o Benfica não foram uma ação com Rui Patrício, já que teria acontecido mesmo que o Sporting começasse a atacar na primeira parte em direção à bancada sul (onde estão as claques leoninas). “Por amor de Deus, a situação das tochas contra o Benfica teve pura e simplesmente a ver com a interação da coreografia preparada para o jogo. Nada teve contra o Rui Patrício. Se pela escolha das balizas lá estivesse o guarda-redes do Benfica, diriam que tinha sido para o atacar?”, questiona Mendes.

O membro da claque deixa, no entanto, críticas aos antigos capitães na Madeira: “Contra o Marítimo, o Rui e o William não tiveram uma boa atitude de capitães no fim do jogo. Pois o Acuña veio na direção da bancada, onde estavam todos os adeptos do SCP, e teve uma atitude provocatória e de má educação, quando devia ter sido aconselhado pelos capitães a não fazer tal cena. Foi aí que falharam, ao não chamá-lo à atenção”.

Sobre o que queria dizer com o “falamos em Alcochete”, Fernando Mendes explica que “tinha em mente ir falar com o Jesus, e ao mesmo tempo era para acabar com aquela situação no aeroporto. Não era para falar com os jogadores”. E não está arrependido: “Não vejo mal nenhum na frase. Até estava a avisar que lá ia! E espero que não me prejudique, pois não vejo nenhum crime em ter dito isso”.

Mendes garante ainda que não faz parte de qualquer de qualquer grupo do WhatsApp para combinar idas à Academia, já que é infoexcluído e diz que toda a vida entrou na Academia quando quis. “Desde que a Academia foi inaugurada foi-me sempre dada autorização para entrar. E olhe que foram muitas vezes…”, atirou.

Fernando Mendes queixou-se ainda, na mesma entrevista de ter tido um “tratamento diferente no interrogatório judicial”, criticando a postura da procuradora Cândida Vilar, que já viu o Conselho Superior de Magistratura abrir um inquérito no âmbito deste interrogatório.

Fui tratado pela sra. dra. procuradora Cândida Vilar como um “não” ser humano. Não foi imparcial comigo, tratou-me abaixo de gente, senti-me humilhado. Já o dr. juiz Carlos Delca foi o mais normal possível, e fez o que se pede a um juiz”, disse Fernando Mendes, em entrevista ao Diário de Notícias.

Voltando a ser questionado sobre se houve um mandante a Alcochete, o antigo líder da maior claque leonina diz que “houve alguém que poderá ter incitado ou encorajado certas pessoas a irem à Academia, isso é do domínio público”. Foi Bruno de Carvalho? “Não sei se foi ele, mas poderá ter sido. Até porque eu ainda me lembro da conversa que ele teve comigo quando me ligou de madrugada, ainda estava eu na Madeira. Além disso, algumas expressões, conversas e depoimentos a que a investigação teve acesso e conhecimento, que já foram publicadas, levam a crer nesse sentido”.

Artigo atualizado às 14h48 com as declarações de Fernando Mendes sobre o interrogatório de Cândida Vilar e sobre as suspeitas de que Bruno Carvalho pode ter sido o mandante do ataque à academia.