Cinema

Filme sul-coreano “Clean Up” vence festival internacional de cinema de Macau

O filme "Clean Up" foi laureado com o prémio de melhor filme no festival internacional de cinema de Macau. Aquando da receção do prémio, o realizador destacou o baixo orçamento do filme.

A cerimónia de entrega de prémios decorreu no centro cultural de Macau, perante cerca de 800 convidados, entre responsáveis locais, da indústria cinematográfica e vários cineastas

JEROME FAVRE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A obra “Clean Up”, do sul-coreano Kwon Man-ki, venceu o prémio de melhor filme da terceira edição do festival internacional de cinema de Macau (IFFAM), foi anunciado esta sexta-feira.

Surpreso na sala de imprensa, momentos após a atribuição do prémio, Kwon Man-ki destacou o baixo orçamento do filme, centrado nas consequências devastadoras de um rapto. Um “exercício magistral” aos olhos do diretor artístico do festival, Mike Goodridge.

O dinamarquês Gustav Moller foi eleito o melhor realizador com “The Guilty”, um filme “arrojado e difícil de filmar”, já que a ação se desenrola num único cenário, destacou o grande júri. Jakob Cedergren, que dá vida ao protagonista, recebeu o prémio de melhor ator.

A cerimónia de entrega de prémios decorreu no centro cultural de Macau, perante cerca de 800 convidados, entre responsáveis locais, da indústria cinematográfica e vários cineastas.

O prémio especial do júri foi para “White Blood”, da realizadora argentina Barbara Sarasola-Day. A realizadora relatou a “experiência incrível” vivida nas filmagens, na fronteira entre a Argentina e a Bolívia.

Já o prémio de melhor atriz foi entregue à alemã Aenne Schwarz, com o filme “All Good”.

O filme “Ága” conquistou o prémio de melhor contribuição técnica, entregue ao diretor de fotografia Kaloyan Bozhilov, enquanto Barnaby Southcombe venceu o melhor argumento com “Scarborough”.

Presidido pelo realizador chinês Chen Kaige, o júri era também composto pelo realizador de Hong Kong Mabel Cheung, a atriz indiana Tillotama Shome, o produtor australiano Paul Currie e o realizador bósnio Danis Tanovic.

Por fim, o prémio de melhor filme chinês, na secção “novo cinema chinês”, foi atribuído a “Up the Mountain”. A nova secção, com seis filmes dedicados à língua chinesa, foi a grande aposta do ano para reforçar a programação do festival.

O festival arrancou no passado dia 8, com uma conferência de imprensa protagonizada por Nicolas Cage, embaixador da terceira edição.

Para o ator norte-americano, Macau é “fascinante” por ser palco de uma “interação cultural harmoniosa” entre o português e o chinês.

“Macau é um lugar com uma história incrível. Na minha opinião, é fascinante por causa da interação cultural harmoniosa entre o chinês e o português”, disse, revelando um interesse particular em “ver a arquitetura e perceber as diferentes influências” na cidade.

A terceira edição apresentou mais de 50 filmes internacionais e 14 produções locais, dois com mão portuguesa: “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, e “Hotel Império”, de Ivo Ferreira.

Em 2017, o filme “Hunting Season”, da realizadora argentina Natalia Garagiola, ganhou o prémio de melhor filme do segundo festival internacional de cinema de Macau e o francês Xavier Legrand conquistou a distinção de melhor realizador com “Custody”, um ‘thriller’ sobre terrorismo doméstico.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)