Rádio Observador

EDP

Luís Amado: Há “alguma instabilidade acionista” na EDP, mas afasta comparações com a PT

Presidente do conselho geral da EDP admite que há alguma instabilidade acionista e que empresa está sujeita a muita pressão e "ruído" sobre rendas. Luis Amado afasta comparação com o que sucedeu à PT.

TIAGO PETINGA/LUSA

O presidente do conselho geral e de supervisão da EDP admite que existe “alguma instabilidade acionista” na empresa que “é preciso acompanhar”. Luís Amado, que foi ouvido esta quarta-feira na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da eletricidade, lembrou o contexto da oferta pública da China Three Gorges sobre a empresa, sobre a qual não deve pronunciar-se. Mas sinalizou que nesse cenário é preciso esperar pelos desenvolvimentos no futuro mais imediato.

É  preciso estar atento a essas dinâmicas num setor onde a pressão externa para a reestruturação e para a mudança é muito grande. É uma empresa que está sujeita a muitas pressões”.

https://observador.pt/especiais/ativista-ou-abutre-as-manobras-agressivas-do-fundo-americano-que-quer-dar-a-volta-a-edp/

Sem nunca ser referir às propostas radicais feitas por outro acionista, o fundo americano Elliott para a EDP, Luís Amado realçou as mudanças do modelo de negócio colocadas pela transição energética e avisou que havia um “desgaste” com este ruído sobre a empresa. Mas quando questionado pelo deputado do PSD, António Topa, sobre se existia o risco de a EDP se transformar numa nova PT — a Portugal Telecom foi desmantelada e os ativos portugueses foram vendidos à Altice  — nomeadamente por ações ou decisões do Governo, Luís Amado afastou esse cenário. O presidente do conselho geral da EDP acredita que o “Governo é sensível à necessidade de estabilidade na empresa”, lembrando as últimas intervenções públicas dos novos responsáveis pela pasta da energia, o ministro Matos Fernandes e o secretário de Estado, João Galamba.

A propósito do tema das rendas excessivas e das divergências entre Governo e empresas sobre os contratos e as compensações a pagar à empresa, Luís Amado questiona que a EDP se “transforme numa bola de jogo político”. E considera que se existem divergências sobre a aplicação dos contratos, ou em temas como a cobrança da CESE (contribuição extraordinária sobre o setor energético) elas devem ser resolvidas pela arbitragem ou pela via judicial,

O presidente do conselho geral, que foi ouvido um dia depois de António Mexia, reconheceu que o preocupa nesta fase o futuro da EDP e gostaria de ver passar a página da comissão de inquérito às rendas excessiva, que deve produzir o seu relatório que terá as respetivas consequências, e o ruído criado à volta da empresa que precisa de estabilidade.

É uma empresa que tem muitos acionistas, sobretudo estrangeiros e muito exposta ao mercado de capitais e à sensibilidade dos investidores internacionais.”

Em resposta ao deputado António Cardoso do PS, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros dos governos de José Sócrates, reconhece que as decisões tomadas nestes governo fizeram das renováveis uma bandeira para o país que deu uma vantagem relevante. É uma vantagem que a EDP hoje tem em relação às empresas europeias e que decorre da constatação de que todas as empresas querem fazer hoje aquilo que a elétrica portuguesa fez há dez anos. Admite que essa opção representou um com sobrecusto — que acabou por ser pago pelos consumidores de eletricidade nos preços —  mas porque foi uma transição energética antecipada e lembra que os custos já estão a baixar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)