Rádio Observador

Metro de Lisboa

Lisboa. Passe família está atrasado e só vai estar disponível em julho

1.470

Os concelhos da AML terão um passe único, no valor máximo de 40 euros, permitindo uma poupança que pode ultrapassar os 100 euros mensais. Passe familiar é "o mais difícil do ponto de vista técnico".

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Afinal, o passe único de família nos 18 conselhos da Área Metropolitana de Lisboa (AML) apenas vai estar disponível a partir de julho e não no dia 1 de abril, como estava previsto, informou esta sexta-feira a entidade, sem dar justificações para o atraso.

Carlos Humberto, primeiro-secretário Metropolitano, disse ao Diário de Notícias (DN) que o passe familiar era a situação “mais difícil do ponto de vista técnico e que ainda está a ser estudada”, tendo em conta que é necessária a “cooperação de várias entidades do Estado central, senão as pessoas têm de andar com vários papéis atrás”.

Os concelhos da AML terão um passe único, no valor máximo de 40 euros, permitindo uma poupança que, para milhares de passageiros, pode ultrapassar os 100 euros mensais. O novo passe único permitirá ainda simplificar o complexo sistema de títulos de transporte, que atualmente tem cerca de 2.000 combinações possíveis.

Um casal que se desloque diariamente entre Setúbal e Lisboa, usando o comboio da Fertagus, o Metro e a Carris paga atualmente pelos dois passes 317,5 euros (158,75 euros cada). O custo para esta família subirá 63,50 euros, para 381 euros, se, por exemplo, existir um filho com menos de 23 anos que se desloque diariamente para estudar numa universidade em Lisboa. Com esta mudança para o passe de família passará a ter um custo máximo de 40 euros por passe e um máximo de 80 euros por agregado familiar, o mesmo casal e o filho pagarão apenas 80 euros.

Mais a norte, quem vem de Mafra paga mensalmente 154 euros por utilizar a linha da Mafrense até ao Campo Grande e a Carris e o Metropolitano para se movimentar em Lisboa. Da Malveira, também no concelho de Mafra, o preço do passe que permite utilizar os mesmos transportes é de 117,25 euros mensais. Estes são dos exemplos mais onerosos nas deslocações dentro da AML.

O preço de quem utiliza atualmente o passe LX123, que permite o acesso a vários transportes e deslocações até três coroas em concelhos nos arredores da cidade lisboeta, incluindo localidades de Almada, do Barreiro e do Seixal, na margem sul, é de 69,65 euros. Este é tanto o preço deste passe para quem vai, por exemplo, do Cacém, no concelho de Sintra, para Lisboa, como o de quem vai de Corroios, no Seixal, ou da Baixa da Banheira, no Barreiro.

Os utilizadores dos passes combinados com comboio da CP, Metro e Carris pagam 82,45 euros se vierem de Vila Franca de Xira, 80,35 euros se vierem de Cascais e 81,85 se utilizarem a linha desde Sintra.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)