Cinema

Todd Solondz é o cineasta convidado do Curtas de Vila do Conde

Todd Solondz é considerado "uma das maiores referências do cinema independente norte-americano" e vai estar em Portugal a 10 de julho para apresentar uma retrospetiva da sua filmografia.

O realizador vai estar também na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, no Porto, para apresentar um dos seus filmes

ETIENNE LAURENT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O cineasta americano Todd Solondz é o realizador em foco do Festival Curtas da Vila do Conde deste ano, que decorrerá entre os dias de 6 a 14 de julho, anunciou hoje a organização do evento.

O realizador, considerado “uma das maiores referências do cinema independente norte-americano”, estará em Portugal para apresentar uma retrospetiva da sua filmografia, que irá “desde os filmes que contribuíram para a sua descoberta pela crítica nos anos 1990, como ‘Welcome To the Dollhouse’ e ‘Happiness’, passando pelas suas obras mais recentes, como ‘Dark Horse’ ou ‘Wiener Dog'”, comunicou hoje a organização em nota de imprensa.

Todd Solondz estará, ainda, em Vila do Conde para uma sessão de encontro com o público do festival, a decorrer no dia 10 de julho, no Teatro Municipal de Vila do Conde.

A sua vinda a Portugal passará também pela Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa onde irá participar na Escola de Verão e apresentar um dos seus filmes na cidade do Porto, no dia 5 de julho.

Solondz obteve aclamação da crítica com o seu segundo filme, “Welcome to the Dollhouse” (1995), sobre a crueldade do ensino e a vida suburbana, com o qual ganhou prémios nos festivais de cinema de Sundance e Berlim.

Premiado também no Fantasporto com “Happiness”, o cineasta já esteve por três vezes em concurso no Festival Internacional de Veneza, com os filmes “Palindromes”, “Life During Wartime”, que lhe valeu o prémio de melhor argumento, e “Dark Horse”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)