Rádio Observador

Sporting

Salgado Zenha diz que os 65 milhões de euros serão para pagar dívidas do Sporting

O vice-presidente e administrador da SAD do Sporting Francisco Salgado Zenha revelou que o empréstimo de 65 milhões de euros servirá para pagar dívidas, sem identificar a entidade financiadora.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-presidente e administrador da SAD do Sporting Francisco Salgado Zenha revelou esta quinta-feira que o empréstimo de 65 milhões de euros (ME) servirá para pagar dívidas, sem identificar a entidade financiadora.

Quando chegámos, as necessidades de tesouraria eram muito altas, na ordem dos 40 milhões de euros só em dívidas a fornecedores, pelo que utilizaremos boa parte esses fundos para esses pagamentos”, afirmou Salgado Zenha em entrevista ao canal do Sporting.

Questionado acerca do nome da empresa que financiou os 65 milhões de euros, o dirigente do Sporting não quis revelá-lo, nem sequer a taxa de juro a ser paga pelos ‘leões’: “Devemos manter o sigilo em relação aos nossos parceiros e investidores, e com todos aqueles que trabalham connosco. O FC Porto e o Benfica também efetuaram transações semelhantes e não partilharam essa informação. Que eu saiba, nessa altura, ninguém teve curiosidade em saber os nomes dos seus financiadores.”

Salgado Zenha reconheceu que “não encontrou qualquer ‘buraco financeiro’ nas contas do clube”, como já tinha confirmado a auditoria realizada, mas sim necessidades de tesouraria “muito exigentes”, o que obrigou “a efetuar esta operação financeira para cobrir todas as responsabilidades”.

“De facto, não existe qualquer buraco nas contas. O BES tinha um buraco de dois mil milhões de euros, neste caso, o que estava nas contas correspondia à realidade, o que não significa que não houvesse dificuldades de tesouraria”, explicou o dirigente do Sporting.

Outra fatia deste empréstimo será canalizada, segundo o dirigente dos ‘leões’, para reembolsar os bancos com os quais o anterior presidente negociou a reestruturação financeira, reestruturação essa que a atual direção pretende renegociar com a banca.

Quanto às garantias que o Sporting teve de dar para garantir o empréstimo de 65 milhões de euros, Salgado Zenha reconheceu que as mesmas decorreram da antecipação de cerca de dois anos de receitas do contrato de televisão com a empresa NOS.

Há que desmistificar esta situação. O que fizemos foi uma antecipação de receitas, que decorre da cedência de receitas do contrato com a NOS, que corresponde a dois anos do contrato. Aliás, já tinham sido antecipados quase dois anos de receitas desse mesmo contrato pela direção anterior. Mas não é mais do que um financiamento para pagar outra dívida”, referiu o administrador da SAD.

Em relação ao futuro, Salgado Zenha revelou que o Sporting tem “um plano financeiro que pretende cumprir, tendo noção de que o caminho é difícil, depois de uns primeiros seis meses complicados face à herança deixada pela gerência anterior e que obrigou à contração de um empréstimo para pagar dívidas e não investir organicamente, como deveria ser”.

Confrontado com a afirmação do CEO da NOS, Miguel Almeida, segundo a qual a sua empresa não tem prevista qualquer antecipação de receitas dos contratos televisivos com os três ‘grandes’, Salgado Zenha explicou a posição do Sporting: “Estamos alinhados com o dr. Miguel Almeida. O que se fez não foi uma antecipação de receitas da NOS ao Sporting, mas sim a cedência por parte do clube de uma parte do contrato a uma terceira parte.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)