Rádio Observador

Presidente Trump

Vem aí mais uma guerra com Macron: Trump quer cobrar mais taxas pelo vinho francês importado

134

O presidente norte-americano diz que é "injusto" cobrar-se tão pouco ao vinho gaulês que entra nos EUA, enquanto em França são aplicadas taxas muito mais altas. E promete "fazer alguma coisa".

Artur Machado/Global Imagens

O presidente Donald Trump prometeu “fazer qualquer coisa” acerca do vinho francês que chega aos EUA quase livre de impostos enquanto o norte-americano é alvo de várias taxas, quando faz o caminho inverso e chega às adegas francesas. O líder norte-americano considera esta realidade “injusta”.

“A França cobra-nos muito pelo vinho e, mesmo assim, nós cobramos-lhes muito pouco”, comentou Trump numa entrevista originalmente cedida à CNBC esta segunda-feira, que foi depois analisada pela Bloomberg. “Os produtores vêm ter comigo e dizem ‘Senhor — os tipos da Califórnia –, estamos a pagar muito dinheiro para colocar o nosso produto em França e você está — este país, entenda-se — a permitir que estes vinhos franceses, que são ótimos, cheguem cá por quase nada. Não é justo.'” , afirmou Trump.

“E sabem que mais?”, perguntou. “Não é justo. Faremos alguma coisa sobre isso.”

Esta não é a primeira vez que Donald Trump critica as tarifas aplicadas pelos franceses ao vinho norte-americano. O presidente tweetou em Novembro que era muito difícil para os produtores dos EUA vender o seu vinho em solo gaulês e que as autoridades norte-americanas tornavam “fácil” a importação deste produto europeu, algo que “tinha de mudar.”

Donald Trump encontrou-se com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, na passada semana, na Normandia, durante as comemorações do 75º aniversário do Dia D. Não se sabe se estas tarifas foram discutidas entre os dois líderes, nenhum deles mencionou o assunto. Mesmo assim, o presidente dos EUA gabou a relação entre os dois países: “A relação entre tu e eu, bem como a de França e os EUA, tem sido extraordinária”, disse Trump a Macron.

Isto apesar da tensão que não tem abandonado a relação entre os dois líderes, sobretudo por causa das críticas que o presidente norte-americano fez, por considerar insultuosos os comentários de Macron sobre a criação de um exército europeu, no ano passado. Mais recentemente, também não caíram bem em Paris os tweets de Trump sobre a melhor forma de combater o incêndio na catedral de Notre-Dame.

O Estados Unidos cobram uma tarifa de 5 cêntimos por cada 750 mililitros de vinho francês não gaseificado e 14 cêntimos pelo gaseificado, afirma o Wine Institute, um grupo de lobby composto por vários produtores vinícolas californianos. A taxação imposta pela União Europeia varia entre os 11 e os 29 cêntimos por garrafa, segundo o mesmo grupo.

Os EUA são um dos maiores importadores de vinho europeu, absorvendo quase um terço do total que foi exportado em 2017, por exemplo. Do outro lado acontece o contrário, com o vinho norte-americano a representar apenas 16% das importações feitas por países europeus — fica atrás do Chile e da Austrália, por exemplo.

A União Europeia exportou cerca de 11,3 mil milhões de euros em vinho no ano de 2017 e 32% disso foi para os EUA. No total, os estados membros da UE importaram um total de 12, 9 mil milhões de euros no mesmo ano, sendo que apenas 20% desse valor veio de fora da própria coligação europeia — 16% desse total correspondeu a vinho norte-americano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)