Construção

Edifícios licenciados e concluídos sobem 10,7% e 7,2% homólogos até março

Por regiões, apenas os Açores apresentaram uma variação negativa no número de edifícios licenciados, tendo as restantes regiões do país apresentado variações positivas face ao período homólogo.

A Região Autónoma da Madeira, a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma dos Açores destacaram-se como as regiões com maior acréscimo relativo

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os edifícios licenciados aumentaram 10,7%, para 6,0 mil, e os edifícios concluídos subiram 7,2%, para 3,7 mil, no primeiro trimestre deste ano face ao mesmo período de 2018, divulgou esta quarta-feira o INE.

Estas variações correspondem a uma desaceleração face aos acréscimos homólogos registados no quarto trimestre de 2018, que tinham sido de 28,1% nos edifícios licenciados e de 18,8% nos edifícios concluídos, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Face ao trimestre anterior, de janeiro a março, o número de edifícios licenciados cresceu 6,0% (+5,0% no quarto trimestre de 2018) e o número de edifícios concluídos decresceu 8,2% (+4,8% no quarto trimestre de 2018).

No primeiro trimestre, os edifícios licenciados para construções novas cresceram 11,7% e o licenciamento para reabilitação aumentou 8,2%, ambos desacelerando face às variações registadas no trimestre anterior (+28,8% e +22,2%, respetivamente).

Já os edifícios concluídos registaram um acréscimo de 7,2% (+18,8% no quarto trimestre de 2018), perfazendo 3,7 mil edifícios, com as obras concluídas em construções novas a aumentarem 8,2% face ao primeiro trimestre de 2018 e as obras de reabilitação a crescerem 4,6%.

Do total de edifícios licenciados até março, 69,6% eram construções novas e, destas, 75,9% destinaram-se a habitação familiar. Os edifícios demolidos (454 edifícios) corresponderam a 7,6% do total de edifícios licenciados.

Por regiões, apenas os Açores apresentaram uma variação negativa no número de edifícios licenciados (-3,6%), tendo as restantes regiões do país apresentado variações positivas face ao período homólogo, com destaque para a Madeira (+31,7%) e o Algarve (+31,2%).

Segundo o INE, os municípios que neste trimestre mais contribuíram para a variação absoluta do número total de fogos licenciados foram Braga (17,9% da variação total), Lisboa (14,2%), Vila Nova de Famalicão (8,7%), Albufeira (7,7%) e Guimarães (6,4%).

No que se refere às 3,7 mil obras concluídas no primeiro trimestre, a maioria correspondeu a construções novas (73,4%), das quais 73,3% tiveram como destino a habitação familiar.

As regiões Norte e Alentejo apresentaram variações homólogas negativas -2,1% e -0,6%, respetivamente, nos edifícios concluídos, enquanto as restantes regiões apresentaram variações homólogas positivas, com destaque para a Área Metropolitana de Lisboa (+48,5%), a Região Autónoma dos Açores (+44,7%) e a Região Autónoma da Madeira (+16,4%).

Do total de edifícios concluídos no primeiro trimestre de 2019, 66,6% localizaram-se nas regiões Norte e Centro, onde se situaram também 60,6% do total de fogos concluídos em construções novas para habitação em todo o país.

Até março, o INE reporta um acréscimo de 14,1% na área total construída em Portugal, sendo que, com exceção do Alentejo (-4,9%), todas as outras regiões registaram um aumento na área total construída face ao mesmo período do ano anterior.

A Região Autónoma da Madeira, a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma dos Açores destacaram-se como as regiões com maior acréscimo relativo: +76,0%, +35,3% e +28,6%, respetivamente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)