Rádio Observador

Cultura

Teatro Municipal do Porto com 10 estreias nacionais entre setembro e fevereiro de 2019

De setembro a fevereiro de 2019, o Teatro Municipal do Porto conta com 10 estreias nacionais entre os 65 espetáculos e um investimento a rondar os 604 mil euros.

Francisco Neves/LUSA

Na apresentação da programação para o Teatro Rivoli e para o Teatro Campo Alegre, Tiago Guedes, o diretor artístico do Teatro Municipal do Porto, anunciou um total de 138 récitas, com 68 espetáculos, 10 dos quais vão ser estreias nacionais.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, fez um balanço dos últimos 5 anos de atividade, que conta desde a reabertura em 2014. Segundo o presidente, no final desta temporada, o Teatro Municipal do Porto vai ter recebido mais de 600 mil espectadores nos mais de 570 espetáculos. Sobre o ano corrente, o autarca fala ainda de um aumento de 15% de espectadores em comparação com a temporada de 2017/2018.

A nova temporada começa em setembro e celebra os 5 anos da sua reabertura em 2014. O arranque está marcado para o dia 27 de setembro com a estreia nacional de “La Fiesta” do espanhol Israel Galvan, um dos grandes inovadores do flamenco.

Para continuar as festividades, segue-se “Party” a 28 e 29 de setembro, da companhia Estrutura. Os fundadores Cátia Pinheiro e José Nunes dizem ter em mente uma “festa de aniversário em formato performativo”, assinalando também os dez anos da companhia de teatro.

Em destaque está também o ciclo de conferências “Modos de Ocupar”, com a curadoria e moderação do jornalista Pedro Santos Guerreiro. Vão ser 4 conferências, espalhadas por outubro (23), novembro (13), dezembro (15) e fevereiro (19), que se debruçam sobre temas que vão desde o pós-colonialismo à arte.

A 30 e 31 de outubro, “Worst of” do Teatro Praga vai levar a palco obras canónicas da história do teatro português. Esta é uma coprodução do Teatro Municipal do Porto juntamente com o Teatro Nacional Dona Maria II de Lisboa. Segundo Tiago Guedes, trata-se de um olhar “impiedoso” sobre o “atraso crónico do teatro português em comparação com as outras artes”.

A encenadora Sara Carinhas, que se estreou como atriz em 2003, regressa ao Teatro Municipal do Porto a 22 e 23 de novembro com “Limbo”, uma peça de teatro que gira em volta da violência, da maldade e do medo, numa “tentativa de responder ao estado do mundo”, explorando a ideia de “sítio de chegada” e a realidade dos refugiados. “Numa altura em que salvar vidas pode ser crime, este espetáculo coloca-nos um espelho à frente”, diz o diretor artístico do teatro.

As atenções foram levadas também para a estreia nacional de “Ordinary People” de Wen Hui e Jana Svobodová. Este espetáculo tenta aproximar o teatro documental à dança, assim como a China à República Checa. A 30 de novembro, “Ordinary People” vai tentar mostrar quem são as pessoas comuns que os líderes políticos dizem representar.

Pelo Teatro Municipal do Porto vai ainda passar a Companhia Nacional de Bailado, juntamente com o holandês Hans van Manen. De 9 a 11 de janeiro, vão ser apresentadas três peças curtas, “Adagio Hammerklavier” de Beethoven, “Short Cut” de Jacob Ter Veldhuis e “In the Future” do próprio coreógrafo Hans van Manen.

Boris Charmatz estreia a 15 de fevereiro “uma floresta coreográfica” com “1000 Gestes”, onde explora a natureza efémera da dança. Nesta coreografia, nenhum gesto é repetido.

O Teatro Municipal do Porto vai coproduzir a mais nova versão musical de “A Menina do Mar” da autoria de Sophia de Mello Breyner Andersen. Esta peça foi escrita por Edward Luiz Ayres d’Abreu, Ricardo Neves-Neves e Martim Sousa Tavares, neto da autora. Duarte Pereira Martins, representante dos autores, disse que este é um espetáculo “dirigido a um público mais jovem, mas é dedicado a todos”.

Além destas produções, existem ainda as parcerias que o Teatro Municipal do Porto vai continuar a promover, entre elas o Queer Porto, o Porto/Post/Doc, o Festival Porta-Jazz e o Fantasporto e a primeira Porto Design Biennale. Os espetáculos “Understage”, em coprodução com a Amplificasom, Lovers & Lollypops e Matéria P,rima arrancam esta temporada com a Favela Discos a 27 de setembro.

O programa apresentado esta quinta feira também mostra os planos para o 88.º aniversário do Teatro Rivoli, uma celebração descrita pelo presidente da Câmara do Porto como “uma festa para a cidade” nos dias 16, 18 e 19 de janeiro.

Tiago Guedes anunciou ainda a subida da tabela de preços dos espetáculos. Desta forma, os bilhetes de espetáculos internacionais no Grande Auditório e Auditório Campo Alegre sobem de 10 para 12 euros e os bilhetes de espetáculos nacionais passam a custar 9 euros em vez de 7,50. Já os bilhetes no RIVOLI Pequeno Auditório e outros espaços reduzidos sobem de 5 euros para 7 euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)