Rádio Observador

Meteorologia

Vem aí uma nova onda de calor e Bordéus já atingiu um novo recorde nacional de temperatura

3.833

Bélgica emitiu um inédito alerta vermelho e fecha serviços às 13h. Paris pode chegar aos 41 graus e prepara banhos de gelo para os ciclistas. Portugal escapa mais uma vez a esta nova onda de calor.

Previsão das temperaturas para quinta-feira

Windy

Lembra-se da onda de calor que atingiu a Europa há umas semanas e deixou de fora Portugal? Aquela que fez vários países atingirem temperaturas recorde e levou milhares de pessoas a tomar banho em frente à Torre Eiffel? Pois bem, uma segunda onda de calor está a chegar e as altas temperaturas já se fizeram notar esta terça-feira. A cidade francesa de Bordéus chegou aos 41.2º C – destronando um recorde que durava desde 2003.

De acordo com a BBC, países como Alemanha, Holanda e Bélgica estão na pole position para ultrapassar recordes nacionais de temperatura. Na França, os termómetros podem ultrapassar os 40º C, em Paris podem chegar aos 41º C, e todo o território está em alerta laranja. No entanto, o recorde a nível nacional não deve ser atingido nos próximos dias: foi batido no final de junho, com 46°C no sul de França. Neste país – onde está a decorrer a última semana da Volta à França – os ciclistas terão à disposição banhos de gelo e mais garrafas de água.

A Bélgica emitiu um nunca antes visto alerta vermelho em todo o país, com risco de ultrapassarem o recorde de 38,5º C, datado de junho de 1947. Devido ao calor extremo, a maioria dos serviços em Bruxelas vai fechar nesta quarta, quinta e sexta-feira às 13h. A Espanha – onde morreram duas pessoas na última onda de calor – emitiu um alerta vermelho para a região de Saragoça.

Na Flandres Ocidental, o governador decretou na terça-feira a proibição de fumar nas áreas naturais desta província marítima para evitar incêndios.

As autoridades do Reino Unido também disseram esperar recordes absolutos na quinta-feira. “Vamos provavelmente bater o recorde de calor de 36,7°C em julho, e há mesmo a possibilidade de bater o recorde absoluto de 38,5°C”, advertiram os serviços meteorológicos britânicos.

A Itália também está a ser afetada pela vaga de calor e as autoridades aumentaram nesta quarta-feira o alerta para o nível 3 (vermelho) em cinco cidades: Bolzano, Brescia, Florença, Perugia e Turim.

O alerta de nível 3 deve-se à presença de “condições de emergência que podem afetar a saúde de pessoas ativas e saudáveis, não apenas subgrupos de risco, como idosos, crianças muito jovens e pessoas com doenças crónicas”, explicaram.

Em Portugal, as temperaturas não deverão subir tanto. Évora, Beja e Castelo Branco serão as zonas mais quentes do país, com máximas a rondar os 35º C. Os dados são do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que prevê ainda aguaceiros para o norte do país na quinta-feira.

Ainda de acordo com o IPMA, e até ao fim do mês, o risco de incêndio mantém-se no nível mais alto em vários distritos de Portugal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)