Lembra-se da onda de calor que atingiu a Europa há umas semanas e deixou de fora Portugal? Aquela que fez vários países atingirem temperaturas recorde e levou milhares de pessoas a tomar banho em frente à Torre Eiffel? Pois bem, uma segunda onda de calor está a chegar e as altas temperaturas já se fizeram notar esta terça-feira. A cidade francesa de Bordéus chegou aos 41.2º C – destronando um recorde que durava desde 2003.

De acordo com a BBC, países como Alemanha, Holanda e Bélgica estão na pole position para ultrapassar recordes nacionais de temperatura. Na França, os termómetros podem ultrapassar os 40º C, em Paris podem chegar aos 41º C, e todo o território está em alerta laranja. No entanto, o recorde a nível nacional não deve ser atingido nos próximos dias: foi batido no final de junho, com 46°C no sul de França. Neste país – onde está a decorrer a última semana da Volta à França – os ciclistas terão à disposição banhos de gelo e mais garrafas de água.

A Bélgica emitiu um nunca antes visto alerta vermelho em todo o país, com risco de ultrapassarem o recorde de 38,5º C, datado de junho de 1947. Devido ao calor extremo, a maioria dos serviços em Bruxelas vai fechar nesta quarta, quinta e sexta-feira às 13h. A Espanha – onde morreram duas pessoas na última onda de calor – emitiu um alerta vermelho para a região de Saragoça.

Na Flandres Ocidental, o governador decretou na terça-feira a proibição de fumar nas áreas naturais desta província marítima para evitar incêndios.

As autoridades do Reino Unido também disseram esperar recordes absolutos na quinta-feira. “Vamos provavelmente bater o recorde de calor de 36,7°C em julho, e há mesmo a possibilidade de bater o recorde absoluto de 38,5°C”, advertiram os serviços meteorológicos britânicos.

A Itália também está a ser afetada pela vaga de calor e as autoridades aumentaram nesta quarta-feira o alerta para o nível 3 (vermelho) em cinco cidades: Bolzano, Brescia, Florença, Perugia e Turim.

O alerta de nível 3 deve-se à presença de “condições de emergência que podem afetar a saúde de pessoas ativas e saudáveis, não apenas subgrupos de risco, como idosos, crianças muito jovens e pessoas com doenças crónicas”, explicaram.

Em Portugal, as temperaturas não deverão subir tanto. Évora, Beja e Castelo Branco serão as zonas mais quentes do país, com máximas a rondar os 35º C. Os dados são do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que prevê ainda aguaceiros para o norte do país na quinta-feira.

Ainda de acordo com o IPMA, e até ao fim do mês, o risco de incêndio mantém-se no nível mais alto em vários distritos de Portugal.