Rádio Observador

Séries

Reclusos escoceses viram “Orange Is The New Black” e dizem ser judeus para terem melhores refeições

Inspirados pela série ''Orange Is The New Black'', vários reclusos na Escócia fingiram ser judeus para conseguirem melhores refeições. O Sistema Prisional Escocês já teve de tomar medidas.

A prisão de Litchfield passa a ser gerida por uma empresa privada na 3ª temporada, e as reclamações sobre a comida servida são crescentes.

A série ”Orange Is The New Black”, da Netflix (cuja última temporada está disponível desde hoje), inspirou vários reclusos na Escócia a registarem-se como judeus para terem direito às kosher meals — refeições que seguem os critérios do Judaísmo e que dentro das prisões são vistas pelos reclusos como mais saudáveis e melhores.

Em ”Orange Is The New Black”, Lolly Withehill, interpretada pela atriz Lori Petty, entra na prisão de Litchfield na 3ª temporada e não passa despercebida: chama a atenção pelo tabuleiro que lhe foi servido ao almoço e que tem melhor aspeto do que aqueles que as outras reclusas têm em cima da mesa.

Lolly é judia e tem de seguir a dieta da religião mesmo estando presa. A carne kosher não pode, por exemplo, ter certas gorduras ou veias, que precisam mesmo de ser removidas antes de a carne ser confecionada. No que toca ao peixe, só podem ser consumidos peixes com barbatanas e escamas, ficando de fora o marisco, por exemplo. Tudo o que nasce da terra é kosher, mas os insetos não o são, portanto todos os vegetais ou frutas devem ser cuidadosamente examinados para os retirar.

[o trailer da temporada 7, a última, de “Orange is the New Black”:]

Na série, um grupo de reclusas decide tentar provar que também são judias para conseguir comida melhor, mas algumas acabam por desistir da ideia quando são confrontadas por um rabino. Black Cindy, personagem de Adrienne Moore, persiste e acaba mesmo por se converter, ganhando o nome de Tova.

A série ”Orange Is The New Black” é conhecida por representar várias causas sociais e por expor o sistema prisional atual nos Estados Unidos da América, mas parece que chegou mais longe. Na Escócia, a ficção tornou-se realidade: em 2014, em todo o país, só existiam 9 reclusos registados como judeus e há dois anos o número subiu para mais de 100 pessoas a receber kosher meals só na prisão de Edimburgo, segundo o jornal Telegraph.

[excerto de “Orange is the New Black” que faz referência às refeições kosher:]

Estas refeições custam mais dinheiro às prisões do que as dos almoços e jantares normais e, como subiu o número de reclusos a requisitá-las, o orçamento preocupou os inspetores que visitaram a prisão de Edimburgo e exigiram uma ”investigação urgente”. Em 2017 foi gasto mais de 1 milhão de euros (964,000 libras) em kosher meals, mas agora já foi possível diminuir esta despesa.

O jornal Telegraph falou com uma fonte do Serviço Prisional Escocês, que explicou que agora a burocracia é ”mais rigorosa” se alguém se quiser registar como judeu na prisão. No último ano, a despesa com refeições nos estabelecimentos prisionais escoceses baixou mais de 100 mil euros (92,515 libras). ”Se alguém precisar de uma refeição kosher, vai consegui-la, mas assim que aumentámos os requisitos e os tornámos um pouco mais burocráticos, muitos reclusos de repente decidiram que não eram judeus”, explicou a mesma fonte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: imartins@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)