A Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE) vai monitorizar, “nas próximas semanas”, a evolução dos preços médios de venda ao público dos combustíveis, segundo um comunicado divulgado esta terça-feira. Os postos de abastecimento que aumentem os preços “sem qualquer justificação que não sejam as condições de mercado” serão identificados no site oficial da entidade.

“Tendo em conta o pré-aviso de greve, que prevê a paralisação dos motoristas de matérias perigosas a partir de dia 12 de agosto, a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), no âmbito das suas funções de fiscalização e supervisão
do setor petrolífero nacional, nas próximas semanas efetuará a monitorização de forma aprofundada da evolução dos preços médios de venda ao público dos combustíveis rodoviários registados junto do balcão único”, refere o documento.

Segundo o regulador, caso seja decretada uma crise energética, haverá “condições
excecionais para abastecimento dos postos de combustível em território nacional”, o que “não pode fundamentar, por si só, o aumento dos preços dos combustíveis”.

Por isso, a ENSE vai monitorizar os preços médios por distrito e avaliar diariamente os preços praticados pelos postos de abastecimento de Portugal continental e identificar, no site oficial, aqueles que procedam ao aumento dos preços, sem “justificação que não sejam as condições de mercado”.

Além disso, vai continuar a disponibilizar diariamente no site oficial a evolução do preço médio diário comparando com o preço de referência da ENSE.